Slow J, um rap­per a des­co­brir

Mú­si­ca. Slow J é um dos ar­tis­tas que vão mar­car pre­sen­ça no Su­mol Sum­mer Fest, ho­je e ama­nhã na Eri­cei­ra. Do EP “The Free Fo­od Ta­pe” até ao no­vo “The Art of Slowing Down”, o rap­per abre o li­vro e con­ta-nos ao que vem.

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA - BRUNO MAR­TINS

Matthew McCo­naughey

“Te­nho sau­da­des do Rust Coh­le [‘True De­tec­ti­ve’], pá. Te­nho sau­da­des de o ver aos do­min­gos à noi­te...”

O ator es­te­ve no “The Ri­ch Ei­sen Show” e fa­lou so­bre as his­tó­ri­as da sé­rie “True De­tec­ti­ve”. Qu­an­do lhe per­gun­ta­vam se al­gu­ma vez con­si­de­ra­ria vol­tar ao mun­do da sé­rie, sem he­si­tar, o ator res­pon­deu: “Cla­ro que sim!” A HBO não ex­clui a pos­si­bi­li­da­de de uma ter­cei­ra tem­po­ra­da, mas ain­da não hou­ve ‘luz ver­de’ pa­ra uma re­no­va­ção. João Ba­tis­ta Co­e­lho te­ve, den­tro e fo­ra do uni­ver­so hip hop, uma das me­lho­res es­trei­as em edi­ções do ano de 2015. “The Free Fo­od Ta­pe” – down­lo­ad em slowj.pt – mar­cou um ar­ran­que pro­mis­sor do rap­per e pro­du­tor que as­si­na co­mo Slow J. Além de mos­trar que tem coi­sas pa­ra di­zer, o mú­si­co tam­bém sa­be en­con­trar a for­ma co­mo o di­zer.

O pas­sa-a-pa­la­vra e as re­des so­ci­ais aju­da­ram a des­per­tar o in­te­res­se do pú­bli­co. De tal for­ma que, em pou­co mais de um ano, o rap­per já ga­nhou di­rei­to à pre­sen­ça em pal­cos de fes­ti­vais de ve­rão. Ama­nhã, atua no se­gun­do dia do Su­mol Sum­mer Fest, no meio de um elen­co com no­mes co­mo Re­gu­la, Aze­a­lia Banks, Nel­son Frei­tas, Ga­bri­el O Pen­sa­dor, Jimmy P, Mad­con, Ti­nie Tem­pah, Ro­bin Schulz, Ri­ot ou DJ Cruz­fa­der, que pas­sa­rão pe­lo Eri­cei­ra Cam­ping.

Slow J faz um ba­lan­ço mui­to po­si­ti­vo do seu úl­ti­mo ano. Mas há já al­gum tem­po que vai pre­pa­ran­do o su­ces­sor do pri­mei­ro EP. “Tan­to na es­cri­ta co­mo na pro­du­ção é on­de me ve­jo mais se­gu­ro. Com idei­as a sur­gi­rem cons­tan­te­men­te... era um pu­to que lia mui­to. Ti­nha más no­tas a por­tu­guês, mas sem­pre li mui­to”, re­cor­da. Es­sa re­la­ção en­tre o de­ve e o ha­ver, en­tre o ser bom alu­no, mas não gos­tar da es­co­la, já foi abor­da­da no seu te­ma “O Cli­en­te”. “J” tam­bém já me­teu o de­do nou­tras fe­ri­das, co­mo a pre­ca­ri­e­da­de la­bo­ral (“Pai Eu”) ou ques­tões de iden­ti­da­de (“Por­tus Cal­le”).

João Ba­tis­ta Co­e­lho nas­ceu em Se­tú­bal, vi­veu em Alen­quer e Oei­ras. Mu­dou-se, mais tar­de, pa­ra Lon­dres, pa­ra es­tu­dar aqui­lo que re­al­men­te gos­ta: en­ge­nha­ria de som. “To­das es­sas mu­dan­ças de­ram-me a opor­tu­ni­da­de de me rein­ven­tar. Nun­ca pre­ci­sei de fi­car pre­so num gru­po que faz as coi­sas só de uma ma­nei­ra. Fui sem­pre for­ça­do a mu­dar, a adap­tar-me. Is­so cria quem sou e a ar­te que fa­ço.”

No fi­nal do ano fi­cá­mos a co­nhe­cer uma fai­xa no­va, a im­pres­si­o­nan­te “Co­mi­da”. No úl­ti­mo mês, dis­po­ni­bi­li­zou “Se­re­na­ta De­mo” e “Vi­da Boa”, te­mas que “J” não con­fir­ma no ali­nha­men­to do no­vo dis­co, “The Art Of Slowing Down” – que quer lan­çar “em me­a­dos de ou­tu­bro” –, mas que fa­zem par­te des­ta im­por­tan­te for­ma de es­tar ho­je na in­dús­tria mu­si­cal: fa­zer-se ver e ou­vir.

O que va­mos sen­tin­do, do que va­mos ou­vin­do, é que a na­tu­ral boa in­ge­nui­da­de de um EP co­me­ça a dar lu­gar a uma ca­ra­pa­ça – mais ri­ja, mais for­te, mais ir­re­ve­ren­te. “Is­so é bué en­gra­ça­do... a ca­pa do ál­bum era pa­ra ser uma ca­ra­pa­ça de uma tar­ta­ru­ga (ri­sos). Mas já não vai ser!” Slow J con­fes­sa-se, de fac­to, mais con­fi­an­te. “Te­nho uma sa­la pa­ra tra­ba­lhar, com to­do o ma­te­ri­al que pre­ci­so. O play­ground cres­ceu! Mas há uma coi­sa que per­si­go in­sis­ten­te­men­te: o ar­re­pio de fa­zer play pe­la pri­mei­ra vez num be­at de­pois de com­pos­to. É a pri­mei­ra vez no uni­ver­so que aqui­lo acon­te­ce! E es­se é o me­lhor fe­e­ling que já ti­ve na mi­nha vi­da.”

“Não que­ro que as pes­so­as me ou­çam por­que gos­tam de hip hop ou de ba­la­das. Que­ro que ou­çam por aqui­lo que re­pre­sen­to, di­go e pen­so. Is­so vai ser sem­pre trans­ver­sal, in­de­pen­den­te­men­te de co­mo che­gam lá. Não que­ro man­tê-las por­que fa­ço o es­ti­lo que gos­tam de ou­vir. Não fa­ço o es­ti­lo que gos­tam de ou­vir: fa­ço o que me ape­te­ce.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.