O ba­lan­ço dos ban­cos

Metro Portugal (Lisbon) - - ECONOMIA - FILIPE GARCIA

De um la­do es­tá o ati­vo, no ou­tro o pas­si­vo e a di­fe­ren­ça é o ca­pi­tal pró­prio. Sim­pli­fi­can­do, num ban­co o ca­pi­tal pró­prio é im­por­tan­te por­que há um con­jun­to de rá­ci­os que pre­ten­dem as­se­gu­rar que as ins­ti­tui­ções es­tão em con­di­ções de pros­se­guir a ati­vi­da­de. Qu­an­do is­so não acon­te­ce, é pre­ci­so co­lo­car mais ca­pi­tal. Olhan­do pa­ra os ban­cos por­tu­gue­ses, o ati­vo re­gis­ta imo­bi­li­za­do que re­sul­tou de da­ção em pa­ga­men­to e cré­di­tos em ris­co que po­dem es­tar ou não su­fi­ci­en­te­men­te pro­vi­si­o­na­dos. Por ou­tro la­do, a con­ta­bi­li­za­ção dos cré­di­tos de im­pos­tos pe­lo seu mon­tan­te to­tal é dis­cu­tí­vel. A so­mar a tu­do is­to, fal­ta ain­da per­ce­ber o im­pac­to nos ba­lan­ços das pro­vá­veis per­das do fun­do de re­so­lu­ção com o pro­ces­so No­vo Ban­co.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.