EL­LA BERTHOUD

En­tre­vis­ta com a co­au­to­ra de “Re­mé­di­os Li­te­rá­ri­os”

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA - BRU­NO MAR­TINS

An­tes de es­cre­ve­rem “Re­mé­di­os Li­te­rá­ri­os”, a El­la e a Su­san tra­ba­lha­ram com “pa­ci­en­tes” na cu­ra pe­la lei­tu­ra. A cha­ma­da bi­bli­o­te­ra­pia. Co­mo sur­giu es­ta ideia? Co­nhe­ce­mo-nos na uni­ver­si­da­de, em Cam­brid­ge, e, em mo­men­tos de stress, tris­te­za ou co­ra­ções par­ti­dos, ofe­re­cía­mos um ro­man­ce uma à ou­tra. Mas ao lon­go dos anos fo­mos per­ce­ben­do que era mes­mo um bom me­di­ca­men­to, que nos aju­da­va a pen­sar e a sen­tir de ou­tra for­ma. As pres­cri­ções des­te “Re­mé­di­os Li­te­rá­ri­os” não são só pa­ra do­res emo­ci­o­nais. Não dis­tin­guem a dor emo­ci­o­nal da dor fí­si­ca. Te­mos ele­men­tos emo­ci­o­nais, fí­si­cos e si­tu­a­ci­o­nais – por as­sim di­zer. O ma­ri­do da Su­san é neu­ro­ci­en­tis­ta e acre­di­ta mui­to no po­der da bi­bli­o­te­ra­pia e hip­no­te­ra­pia. Per­ce­be­mos que é im­por­tan­te tra­ba­lhar a men­te, por is­so de­ci­di­mos não fa­zer a dis­tin­ção de do­res. Cla­ro que há ele­men­tos em tom de brin­ca­dei­ra, co­mo “Per­na Par­ti­da”: é ób­vio que os li­vros não po­dem cu­rar uma per­na par­ti­da, mas po­dem aju­dar de for­ma me­ta­fó­ri­ca e tam­bém po­dem ser a com­pa­nhia ne­ces­sá­ria en­quan­to se es­tá de per­na pa­ra o ar a re­pou­sar. Pe­lo me­nos, aju­da a man­ter o cé­re­bro fe­liz. Pa­ra ca­da pro­ble­ma na nos­sa vi­da há um li­vro que aju­da a cu­rar? Sim: des­de des­gos­tos amo­ro­sos a di­vór­ci­os, pas­san­do por ter fi­lhos pe­la pri­mei­ra vez, ou não con­se­guir ter fi­lhos; os fi­lhos a saí­rem de ca­sa; dú­vi­das pro­fis­si­o­nais .... há sem­pre uma cu­ra li­te­rá­ria. Mas tam­bém pa­ra ele­men­tos fí­si­cos, co­mo “co­rar”: é emo­ci­o­nal ou é fí­si­co? (ri­sos) Co­mo é que es­co­lhe­ram as te­ra­pi­as e os li­vros? Quan­do co­me­çá­mos a pen­sar o li­vro, em 2011, pen­sá­mos nos ele­men­tos: “co­ra­ção par­ti­do”, “per­nas par­ti­das”, “cal­ví­cie”... foi di­ver­ti­do es­co­lher os ele­men­tos. De­pois, lem­brá­mo-nos dos li­vros que qu­e­ría­mos usar e jun­tá-los aos ele­men­tos te­ra­pêu­ti­cos. São li­vros e au­to­res mun­di­ais. E tam­bém não fal­tam por­tu­gue­ses. O ob­je­ti­vo foi sem­pre ser glo­bal. Há mui­tos de li­te­ra­tu­ra in­gle­sa e ame­ri­ca­na, mas tam­bém os clás­si­cos rus­sos. Des­co­bri­mos, cla­ro, Jo­sé Sa­ra­ma­go e Fer­nan­do Pes­soa. E quan­do o li­vro é tra­du­zi­do pa­ra ou­tras lín­guas, o edi­tor po­de al­te­rar 20% do li­vro, acres­cen­tan­do al­guns ele­men­tos de ro­man­cis­tas de que gos­tem. Há uns cin­co au­to­res por­tu­gue­ses aqui no li­vro que ain­da não li, mas o nos­so que­ri­do edi­tor, Fran­cis­co [Jo­sé Vi­e­gas], propôs al­guns e par­ti­lhou as re­fe­rên­ci­as con­nos­co pa­ra di­zer­mos se se­ri­am ou não bo­as cu­ras. Co­mo é que a li­te­ra­tu­ra a aju­dou a si? Os meus pais eram di­plo­ma­tas, en­tão vi­vi por to­do o mun­do. Des­de pe­que­na que lia mui­to, en­quan­to vi­a­ja­va. Lia mui­to so­bre In­gla­ter­ra e is­so aju­dou-me a man­ter as raí­zes. E ho­je a re­la­ção com os li­vros é mais pro­fis­si­o­nal ou pes­so­al? É uma com­bi­na­ção. Te­nho de ler um mi­lhão de li­vros pa­ra con­ti­nu­ar com a bi­bli­o­te­ra­pia. Mas sem­pre por pra­zer e pa­ra a mi­nha pró­pria bi­bli­o­te­ra­pia. O pró­xi­mo li­vro dos “Re­mé­di­os Li­te­rá­ri­os” vai ser pa­ra as cri­an­ças, por is­so es­ta­mos mui­to de­di­ca­das aos li­vros in­fan­tis.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.