EXCLUSIVO metro

7ª ar­te. A be­la atriz in­gle­sa re­gres­sa ama­nhã ao gran­de ecrã com o no­vo fil­me “Amor e Ami­za­de”, uma vi­a­gem até à In­gla­ter­ra do séc. XVIII de Ja­ne Aus­ten, com as his­tó­ri­as di­ver­ti­das das pai­xões e aven­tu­ras amo­ro­sas de Lady Su­san Ver­non.

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA - JOHN-MIGUEL SACRAMENTO

“Amor e Ami­za­de”, que se es­treia ama­nhã nos ci­ne­mas, le­va-nos à In­gla­ter­ra do séc. XVIII. Ka­te Bec­kin­sa­le é a guia de uma vi­a­gem cheia de pai­xões ar­den­tes e aven­tu­ras amo­ro­sas

Se­rá que so­a­ram si­nos ou é ape­nas o ga­lo­par da bri­tâ­ni­ca Ka­te Bec­kin­sa­le, mu­sa do ecrã ilu­mi­na­do, que nos vi­si­ta es­ta se­ma­na? Não te­meis. Des­ta vez, a atriz não an­da a es­fa­que­ar vam­pi­ros e ou­tras ma­na­das mas­cu­li­nas na sé­rie de fran­chi­se “Un­derworld”, a tal que é re­a­li­za­da pe­lo es­po­so e em que ela apa­re­ce es­cul­pi­da em lá­tex ne­gro. Es­ta se­ma­na, a Ka­te não vem pa­ra ser­vir de be­le­za de pos­tal dos ma­res do sul, co­mo lhe foi pe­di­do em “Pe­arl Har­bor”. Não tem de ser es­ton­te­an­te co­mo Ava Gard­ner, tal co­mo Scor­se­se lhe exi­giu pa­ra “O Avi­a­dor”. Des­ta vez, a se­nho­ra re­a­fir­ma a sua ca­pa­ci­da­de có­mi­ca no fil­me “Amor e Ami­za­de”, de Whit Still­man – um da­que­les ci­ne­as­tas que re­tra­tam, chei­os de gra­ça, as an­gús­ti­as so­ci­ais do amor e do sta­tus. Ka­te faz de mu­lher ca­sa­men­tei­ra do sé­cu­lo XVIII e so­bre­vi­ve a ou­tro de­sa­fio de mor­te: pro­vi­den­cia ener­gia e bai­la­do no pas­so, in­te­li­gên­cia na fra­se, re­cria a an­si­e­da­de eco­nó­mi­ca e amo­ro­sa sem nun­ca dar ao exer­cí­cio um tra­vo de ca­ri­ca­tu­ra. O fil­me é rá­pi­do nos seus 95 mi­nu­tos e mos­tra, nos olhos ex­pres­si­vos des­ta in­gle­sa su­pe­ri­or, o co­ra­ção que tem de ba­ter por en­tre os vei­os de uma boa co­mé­dia ro­mân­ti­ca. Gos­tei mui­to do gu­ar­da-rou­pa des­te fil­me. De que for­ma o in­vó­lu­cro en­for­ma o con­teú­do da sua per­so­na­gem? Gos­tei tan­to da­que­la mu­lher. Tem mui­ta pi­a­da. É o ti­po de pes­soa que não ve­mos com frequên­cia nes­te pe­río­do da li­te­ra­tu­ra. Dá pa­ra per­ce­ber que, qu­an­do aos 20 anos a Ja­ne Aus­ten es­cre­veu o ro­man­ce, o te­ma tal­vez ti­ves­se si­do con­si­de­ra­do de­ma­si­a­do pi­can­te. O ma­nus­cri­to nem se­quer foi da­do por aca­ba­do. Se ca­lhar, ela ti­nha re­ceio de que o ob­je­to fos­se ti­do por me­ra­men­te frí­vo­lo. Só 40 ou 50 anos mais tar­de é que um dos so­bri­nhos da es­cri­to­ra le­vou o tex­to a um edi­tor e se pro­ce­deu à pu­bli­ca­ção.

Amor & ami­za­de “Não sei bem qual o grau de de­pen­dên­cia en­tre o amor e a ami­za­de. A mim, bas­ta-me sa­ber que fi­co mui­to fe­liz qu­an­do es­sas du­as for­ças se jun­tam e avan­çam na mi­nha di­re­ção” O de­sa­fio de ser mãe “A ma­ter­ni­da­de foi co­mo que um mer­gu­lho pro­fun­do nou­tro ti­po de pas­so e rit­mo. Fi­quei a sa­ber, por exem­plo, que é mui­to mais di­fí­cil ser mãe de uma ado­les­cen­te do que de um be­bé”

Gos­tei so­bre­tu­do da for­ça al­go fe­mi­nis­ta que sub­jaz à ação. O que te­mos aqui é uma mu­lher em es­ti­lo de he­roí­na, mas que tam­bém é ter­rí­vel e di­a­bó­li­ca, mes­mo cru­el. Da­do que es­ta­mos na pre­sen­ça de uma pro­ta­go­nis­ta tão fo­ra do co­mum, o Whit aban­do­nou as li­nhas que ge­ral­men­te ve­mos nas rou­pas das his­tó­ri­as de Ja­ne Aus­ten e op­tou por al­go afran­ce­sa­do. Tu­do tem um ar mais ca­ti­van­te, aber­ta­men­te se­du­tor, fran­ca­men­te adel­ga­ça­do por es­par­ti­lhos e ou­tras for­mas de na­mo­ro vi­su­al. Gos­tei des­se as­pe­to. Foi mais fá­cil gos­tar do que ves­tir. Mas gos­tei da es­co­lha. Acha que é pre­ci­so ha­ver amor em qual­quer re­la­ção de ami­za­de? Não sei bem qual o grau de de­pen­dên­cia en­tre o amor e a ami­za­de. A mim bas­ta-me sa­ber que fi­co fe­liz qu­an­do es­sas du­as for­ças se jun­tam e avan­çam na mi­nha di­re­ção. Ou­vi di­zer que tem es­ta­do a ten­tar ti­rar a car­ta de con­du­ção. Es­tá a cor­rer bem ou con­ti­nua tão mal que a fal­ta de pe­rí­cia já se tor­nou evi­den­te em qual­quer rua por on­de pas­sa? Con­ti­nuo a fa­zer uma fi­gu­ra tris­te. A mi­nha fi­lha já pas­sou o exa­me de có­di­go e con­du­ção, al­go que me fez sen­tir ain­da pi­or. Re­sul­ta­do: ago­ra que te­nho con­du­to­ra lá em ca­sa, o meu pro­ces­so de apren­di­za­gem an­da ca­da vez mais len­to. Mas con­ti­nua a ter au­las de con­du­ção e có­di­go? Qu­an­do di­go que ain­da es­tou a apren­der, di­go-o no sen­ti­do mais la­to da pa­la­vra. O que que­ro di­zer é que me man­te­nho aber­ta ao de­sa­fio, em­bo­ra não te­nha da­do pas­sos con­cre­tos nes­se sen­ti­do. Ago­ra que a sua fi­lha vai fa­zer 18 anos, co­mo vê a vi­da? Sen­te-se li­vre ou­tra vez ou ca­da vez mais pre­sa a de­pen­den­tes? Não an­da­va tam­bém a es­cre­ver um li­vro? Não é um li­vro. Es­tou a adap­tar um li­vro... a ver se con­si­go ti­rar da­li um guião pa­ra ci­ne­ma. E em re­la­ção ao ou­tro de­sa­fio de ter uma fi­lha mai­or e va­ci­na­da? Fo­mos, no mês pas­sa­do, fa­zer a tal ron­da de vi­si­tas a vá­ri­as uni­ver­si­da­des. Pois, con­fir­mo que a coi­sa es­tá a ga­nhar con­tor­nos ca­da vez mais re­ais. Olho pa­ra es­tes lu­ga­res e pe­la pri­mei­ra vez caio em mim: sim, é mes­mo ver­da­de que a mi­nha fi­lha vai pas­sar a vi­ver num des­tes sí­ti­os. Ti­ve a mi­nha fi­lha qu­an­do era ain­da mui­to no­va, so­bre­tu­do se for a com­pa­rar com o que, na al­tu­ra, se pas­sa­va no meu nú­cleo de ami­gas. Só re­cen­te­men­te me dei con­ta da gran­de van­ta­gem que exis­te nes­sa es­co­lha. Sa­be, pa­ra mim a ma­ter­ni­da­de foi co­mo que um mer­gu­lho pro­fun­do nou­tro ti­po de pas­so e rit­mo, ou­tro ti­po de ve­lo­ci­da­de. A ve­lo­ci­da­de de tu­do. Fi­quei a sa­ber, por exem­plo, que é mui­to mais di­fí­cil ser mãe de uma ado­les­cen­te do que de um be­bé. Não era coi­sa que, até há pou­co tem­po, sou­bes­se. Não é que não ha­ja pro­ble­mas es­pe­cí­fi­cos a re­sol­ver em ca­da uma das ida­des ou fa­ses. O que que­ro di­zer é que os be­bés têm pro­ble­mas pe­que­nos e os miú­dos cres­ci­dos têm pro­ble­mas mai­o­res. A mai­or par­te do tem­po uma mãe vi­ve no ter­ror mais com­ple­to. Qu­an­do é que fi­ca ater­ro­ri­za­da pe­ran­te a vi­da da sua fi­lha de 17 anos? Olhe, qu­an­do por exem­plo ela de­ci­de pe­gar no car­ro e ir a con­du­zir pa­ra al­gum sí­tio. Te­nho imen­sa in­ve­ja dos meus ami­gos que ain­da não es­tão a pas­sar por es­sa fa­se. E os as­pe­tos po­si­ti­vos na ou­tra gran­de par­te da sua vi­da, a do tra­ba­lho, quais fo­ram al­gu­mas das van­ta­gens de ela ter mai­o­ri­da­de e car­ta de con­du­ção? Te­nho mais va­gar, li­ber­da­de. Du­ran­te mui­tos anos, a mi­nha car­rei­ra foi con­di­ci­o­na­da pe­las di­ver­sas fa­ses de cres­ci­men­to da mi­nha fi­lha. Qu­an­do é que po­dia ir fil­mar? Em que lo­cais? Quais des­ses lo­cais não são ide­ais pa­ra uma miú­da de 7 ou 14 anos? Tu­do is­so era fa­tor de­ci­si­vo. Ho­je, não sin­to is­so. Dou co­mi­go me­nos li­mi­ta­da, res­trin­gi­da. Es­tou mais li­vre pa­ra de­ci­dir. Des­de que ela nas­ceu que não fa­ço te­a­tro, ve­ja lá. Sem­pre acre­di­tei que a ho­ra de dei­tar é a mais im­por­tan­te. As cri­an­ças são mui­to in­te­res­san­tes. Vol­tam sem­pre da es­co­la com um ca­so ter­rí­vel de am­né­sia, a ca­be­ça en­vol­ta em ne­vo­ei­ro. Nun­ca se lem­bram de na­da que te­nham fei­to na es­co­la. Mas, de­pois, à ho­ra de dei­tar, co­me­çam a fa­lar.

© DR

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.