MÚ­SI­CA: BATUK

Pan-afri­ca­nis­mo co­mo bús­so­la pa­ra cri­ar um no­vo som

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA - BRUNO MAR­TINS

Spo­ek Matham­bo, mú­si­co e jor­na­lis­ta, já ti­nha co­nhe­ci­do o tra­ba­lho do pro­du­tor Ae­ro Manye­lo há uns anos nas su­as “in­ves­ti­ga­ções mu­si­cais”. “Fi­cá­mos em con­tac­to e com a ideia de, even­tu­al­men­te, cri­ar­mos um pro­je­to em con­jun­to. Qu­an­do ou­vi­mos a voz da Car­la [Fon­se­ca, vo­ca­lis­ta e po­e­ta mais co­nhe­ci­da co­mo Man­tei­ga], per­ce­be­mos que se­ria per­fei­to”, diz-nos Spo­ek a pro­pó­si­to do nas­ci­men­to dos Batuk nu­ma con­ver­sa ti­da nu­ma es­pla­na­da de Lis­boa – que se­rá a ba­se de tra­ba­lho dos Batuk nos pró­xi­mos tem­pos... mas já lá va­mos.

“Já co­nhe­ço o tra­ba­lho dos dois há mui­to tem­po”, diz-nos Car­la. “Sou uma aman­te de mú­si­ca hou­se, de ele­tró­ni­ca. Foi fá­cil tra­ba­lhar com eles por­que eles sa­bem fa­zer rit­mos que me in­te­res­sam. Mis­tu­rá­mo-nos to­dos mui­to bem.” O re­sul­ta­do des­sa união che­ga ago­ra a dis­co: “Mu­si­ca da Ter­ra”. Um ál­bum mui­to di­re­to, sem “ro­dri­gui­nhos”: um meio de ex­pres­são atra­vés da mú­si­ca, da dan­ça, da per­for­man­ce e até do la­do vi­su­al. “Te­mos uma ideia mui­to es­pe­cí­fi­ca pa­ra a di­re­ção cri­a­ti­va do gru­po: o con­cei­to de unir di­ver­sos paí­ses afri­ca­nos atra­vés da cul­tu­ra do rit­mo, mas tam­bém cri­ar li­ga­ções en­tre vá­ri­as pes­so­as de to­do o mun­do. E is­so é um tra­ba­lho mui­to es­pe­cí­fi­co. É sem­pre uma mis­tu­ra de es­ti­los: o Ae­ro tor­nou-se co­nhe­ci­do por fa­zer um gé­ne­ro, o ka­si ele­tro; eu te­nho tra­ba­lha­do mui­to no township te­ch. Os Batuk são a mis­tu­ra dis­so com di­fe­ren­tes mú­si­cas in­dí­ge­nas de to­do o mun­do, com a po­e­sia e rap da Car­la”, ex­pli­ca Spo­ek Matham­bo. “Ten­ta­mos mis­tu­rar o me­lhor da hou­se mu­sic com rit­mos co­mo o ki­zom­ba ou zouk bass – a sen­su­a­li­da­de, len­ta. É as­sim que ten­ta­mos co­mu­ni­car”, acres­cen­ta.

Pa­ra trás fi­cam as fron­tei­ras. As ge­o­grá­fi­cas, mas tam­bém as es­ti­lís­ti­cas. “So­mos in­flu­en­ci­a­dos por di­ver­sos es­ti­los e sons, de vá­ri­os pon­tos do mun­do”, diz a vo­ca­lis­ta Man­tei­ga. “Em 2016, faz sen­ti­do que se­ja as­sim: que as fron­tei­ras se­jam pou­cas”, con­fir­ma Matham­bo. É as­sim que tam­bém apa­re­cem vá­ri­os co­la­bo­ra­do­res, co­mo Nan­di Ndlo­vu, Gi­o­van­ni Kiyin­gi, An­net Nan­duj­ja ou Ni­lo­ti­ca.

Os Batuk apre­sen­tam o dis­co de es­treia, em Lis­boa, na pró­xi­ma sex­ta-fei­ra, co­mo con­vi­da­dos do Glo­bai­le que en­cer­ra um ca­pí­tu­lo e mar­ca a pa­ra­gem na car­rei­ra dos Bu­ra­ka Som Sis­te­ma. O con­cer­to vai acon­te­cer na Tor­re de Be­lém, na ce­ri­mó­nia de en­cer­ra­men­to da edi­ção des­te ano das Fes­tas de Lis­boa. A ca­pi­tal por­tu­gue­sa é, pa­ra já, a ca­sa dos Batuk, que en­con­tra­ram nes­te can­ti­nho fer­vi­lhan­te de mul­ti­cul­tu­ra­li­da­de um por­to de abri­go e ex­pan­são da sua mú­si­ca. “É uma opor­tu­ni­da­de de três me­ses. A Car­la tem aqui fa­mí­lia; a qu­a­li­da­de de vi­da é boa e não é ca­ra... por ou­tro la­do, uma par­te da nos­sa mú­si­ca é, de cer­ta for­ma, lu­só­fo­na!”, ex­pli­ca Spo­ek. “Te­mos aqui mui­tos ami­gos e que, cla­ro, são in­fluên­cia nis­to que fa­ze­mos.”

JUSTICE MACHAB

Os sul-afri­ca­nos Spo­ek Matham­bo e Ae­ro Manye­lo (à es­quer­da e à di­rei­ta) e Man­tei­ga atu­am sex­ta-fei­ra nos Jar­dins da Tor­re de Be­lém.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.