ÁL­VA­RO CO­VÕES

Metro Portugal (Lisbon) - - CULTO - BRUNO MAR­TINS

e Ar­ca­de Fi­re, não há mais ne­nhu­ma ban­da a to­car no re­cin­to. São os gran­des aglu­ti­na­do­res. É fru­to da nos­sa ex­pe­ri­ên­cia... lem­bro-me de, com Pe­arl Jam e Ra­di­ohe­ad, ter­mos 20 pes­so­as no pal­co Hei­ne­ken a as­sis­tir a um con­cer­to. É um “cur­few”, di­ga­mos as­sim, por­que to­da a gen­te vai que­rer es­tar a as­sis­tir. Tam­bém faz o seu iti­ne­rá­rio ou o mais in­gra­to é não con­se­guir ser es­pe­ta­dor do seu pró­prio fes­ti­val? O mais in­gra­to é não con­se­guir ver de­ter­mi­na­dos con­cer­tos. Já per­di tan­tos con­cer­tos bons... Nick Ca­ve, por exem­plo. Dou por mim e “já foi”. O ano pas­sa­do ain­da con­se­gui ver Ja­mes Bla­ke. O que é que não quer mes­mo per­der es­te ano? Ra­di­ohe­ad. É a mi­nha ban­da de elei­ção. Mas não sei se vou con­se­guir. Quan­do é que um fes­ti­val co­mo o NOS Ali­ve co­me­ça a ser pre­pa­ra­do? Nes­ta al­tu­ra, já te­mos ar­tis­tas con­fir­ma­dos pa­ra 2017. Cos­tu­ma ser um ano e meio antes. É im­por­tan­te “jo­gar na an­te­ci­pa­ção”? Só os mai­o­res fes­ti­vais do mun­do são ca­pa­zes de fa­zer is­to: há ar­tis­tas que de­fi­nem uma es­tra­té­gia com mui­ta an­te­ce­dên­cia e que­rem es­tar nos prin­ci­pais fes­ti­vais. Não é um se­gre­do só nos­so: obe­de­ce a uma ló­gi­ca. O fes­ti­val já tem uma di­men­são tal que os ar­tis­tas que­rem cá vir: um bom agen­te quer co­lo­car os seus ar­tis­tas no NOS Ali­ve, co­mo quer co­lo­car em Co­a­chel­la, no Pri­ma­ve­ra Sound Bar­ce­lo­na, Re­a­ding ou Glas­ton­bury... Biffy Cly­ro, por exem­plo, que aqui apa­re­cem na quar­ta po­si­ção, são ca­be­ças de car­taz de Re­a­ding e Le­eds.

A uma se­ma­na do ar­ran­que da 10ª edi­ção do NOS Ali­ve, fo­mos até ao Pas­seio Ma­rí­ti­mo de Al­gés ver as mon­ta­gens do re­cin­to que vai re­ce­ber, a 7, 8 e 9 de ju­lho, 128 ar­tis­tas em se­te pal­cos. O di­re­tor do fes­ti­val fa­la-nos dos de­sa­fi­os e dos olhos que es­tão já pos­tos no fu­tu­ro.

O pú­bli­co por­tu­guês mu­dou mui­to nos úl­ti­mos dez anos? Mui­to. Ca­da vez mais exi­gen­te. Os fes­ti­vais em Por­tu­gal co­me­ça­ram por ser um con­jun­to de ban­das mé­di­as que, to­das jun­tas, va­li­am tan­to ou mais do que uma ban­da de es­tá­dio. Ho­je já se exi­ge: “Tem que ha­ver ban­das mai­o­res que as de es­tá­dio!” Mes­mo com as cri­ses de que se fa­la, vi­ve­mos num mun­do de far­tu­ra... ir a um con­cer­to, be­ber um co­po ou jan­tar fo­ra, no tem­po dos nos­sos avós, não exis­tia! Co­mo vê o NOS Ali­ve da­qui a dez edi­ções? Es­pe­ro que se­ja co­mo os gran­des fes­ti­vais mun­di­ais, co­mo Re­a­ding ou Glas­ton­bury, que tem qua­se 50 anos. Mas es­ta­mos fo­ca­dos nes­ta edi­ção e, um bo­ca­di­nho, na se­guin­te! Tem que ha­ver fo­co. Se des­fo­car­mos o ho­je, per­de­mos o ama­nhã.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.