Mú­si­ca

“De­bai­xo da Lín­gua” com António Ave­lar Pi­nho

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA - RUI MI­GUEL ABREU

António Ave­lar de Pi­nho é o que mui­to jus­ta­men­te se po­de ape­li­dar co­mo “fi­gu­ra his­tó­ri­ca”. São de­le as le­tras de um dos mais es­pan­to­sos ca­sos de cri­a­ti­vi­da­de da dé­ca­da de 60 por­tu­gue­sa, os Fi­lar­mó­ni­ca Frau­de, au­to­res de um dos três úni­cos ál­buns rock des­se tem­po e do úni­co que ti­nha le­tras em por­tu­guês. De­pois de “Epo­peia” da Fi­lar­mó­ni­ca Frau­de e da che­ga­da dos anos 70, cri­ou com Nuno Ro­dri­gues os não me­nos es­pan­to­sos Ban­da do Ca­sa­co, ou­tro ca­so sin­gu­lar da nossa his­tó­ria. O ar­ran­que dos anos 80 en­con­trou-o ple­na­men­te en­vol­to na re­vo­lu­ção rock na­ci­o­nal com pas­sa­gens pe­la Va­len­tim de Car­va­lho e PolyG­ram que se tra­du­zi­ram em dis­cos de gen­te co­mo Rui Ve­lo­so ou UHF, na pri­mei­ra, e He­róis do Mar ou Ta­xi, na ou­tra. Pi­nho, pro­lí­fi­co au­tor de le­tras, li­vros, pro­du­tor de te­le­vi­são e de tan­tas ou­tras idei­as, con­ti­nua ati­vo e in­ter­ven­ti­vo.

“Nun­ca me pas­sou pe­la ca­be­ça es­cre­ver noutro idi­o­ma que não fos­se o nos­so”, co­me­ça por ad­mi­tir. “E não ape­nas por­que o in­glês que fa­la­va e es­cre­via, sen­do es­ca­pa­tó­rio pa­ra co­mu­ni­car de for­ma oral, era ma­ni­fes­ta­men­te fra­co pa­ra sa­tis­fa­bum zer as idei­as que que­ria trans­por pa­ra le­tras de can­ções. E, prin­ci­pal­men­te”, re­ma­ta, “sem­pre me pa­re­ceu ab­sur­do, pa­ra não di­zer ri­dí­cu­lo ou pre­ten­si­o­so, es­cre­ver nou­tra lín­gua que não fos­se a nossa”. Sem mo­de­los de uma es­cri­ta pop em por­tu­guês, cou­be a Pi­nho e a umas quan­tas ou­tras men­tes ilu­mi­na­das in­ven­ta­rem as su­as pró­pri­as re­gras. “Nun­ca ti­nha pen­sa­do nis­so, pe­lo me­nos des­sa for­ma”, con­ce­de. “Na ver­da­de, só mui­to re­cen­te­men­te vim a sa­ber que o ‘Epo­peia’ ti­nha si­do o pri­mei­ro ál- rock em por­tu­guês da nossa his­tó­ria. Con­fes­so mes­mo que nun­ca ima­gi­ná­mos – o Luís Li­nha­res e eu – que es­tá­va­mos a cri­ar um dis­co de rock. Par­ti­cu­lar­men­te, nun­ca fui mui­to de clas­si­fi­car o ti­po de mú­si­ca que fui fa­zen­do em par­ce­ri­as vá­ri­as. Pop, folk, rock... As fron­tei­ras que se­pa­ram os gé­ne­ros são mui­to dis­cu­tí­veis. O ca­so da mú­si­ca pa­ra cri­an­ças, por exem­plo, aí não há gé­ne­ro: é mú­si­ca in­fan­til, o que me pa­re­ce tam­bém re­du­tor.” Já quan­to aos mo­de­los poé­ti­cos, Pi­nho tam­bém se ques­ti­o­na: “Cá es­tá ou­tro exem­plo de clas­si­fi­ca­ção que nun­ca en­ten­di. Fa­la­mos de uma le­tra ou de um po­e­ma? Hou­ve uma épo­ca em que al­guns ar­tis­tas di­zi­am: ‘vou can­tar ago­ra um po­e­ma de...’ Sem du­vi­dar do fac­to de ser um po­e­ma, sem­pre me so­a­va um tan­to ou quan­to pre­ten­si­o­so. E mui­tas ve­zes me so­ou tam­bém co­mo áli­bi pa­ra en­co­brir a fra­ca com­po­nen­te mu­si­cal da can­ção.”

“NUN­CA ME PAS­SOU PE­LA CA­BE­ÇA ES­CRE­VER NOUTRO IDI­O­MA”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.