TE­LE­VI­SÃO: “MAR­CO PO­LO”

Sai­ba tu­do so­bre a sé­rie do mo­men­to da Net­flix

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA - BRUNO MAR­TINS

Mar­co Po­lo, di­zem os li­vros, te­rá nas­ci­do a 15 de se­tem­bro de 1254, em Ve­ne­za, e te­rá ti­do uma vi­da cheia, car­re­ga­da de ba­ta­lhas tra­va­das no ori­en­te, até fa­le­cer aos 69 anos na sua ter­ra na­tal. Pe­lo meio, foi um vi­a­jan­te, co­mer­ci­an­te e ex­plo­ra­dor na Ro­ta da Se­da, on­de te­rá co­nhe­ci­do Ku­blai Khan, quin­to im­pe­ra­dor do Império Mon­gol.

“Mar­co Po­lo” é a sé­rie que faz uma vi­a­gem até ao pas­sa­do – uma pro­du­ção nor­te-ame­ri­ca­na (Weins­tein Com­pany pa­ra a Net­flix) que con­ta com um elen­co for­ma­do, na sua mai­o­ria, por ato­res de ori­gem asiá­ti­ca e com um pro­ta­go­nis­ta ita­li­a­no – Lo­ren­zo Ri­chelmy.

De­pois de uma 1.ª tem­po­ra­da, em que fi­ca­mos a co­nhe­cer as ori­gens de Mar­co, a sua ex­pe­di­ção pa­ra Ori­en­te e os de­sa­fi­os que en­fren­ta nu­ma no­va ci­vi­li­za­ção e a amizade e con­fi­an­ça que con­se­gue ga­nhar com o im­pe­ra­dor Ku­blai Khan – já chei­ra a in­ve­ja, não é? “Não sa­be­mos as­sim tan­to so­bre Mar­co Po­lo, na ver­da­de”, diz o ita­li­a­no. “Cla­ro que li mui­tos li­vros, mui­tas his­tó­ri­as, mas mais pa­ra me con­se­guir re­la­ci­o­nar com a per­so­na­gem e até com o am­bi­en­te que qu­e­ría­mos dar à sé­rie. Mas, en­quan­to Mar­co Po­lo, sa­be­mos pa­ra on­de ele foi, o que fez, mas não co­mo fez. Não co­nhe­ce­mos a sua per­so­na­li­da­de: ele não é co­mo o Ale­xan­dre, o Gran­de, ou Jú­lio Cé­sar. Não sa­be­mos se ti­nha me­do de mu­lhe­res ou se era um con­quis­ta­dor nato”, ex­pli­ca. Daí, o que a sé­rie se pro­põe, é cri­ar so­bre su­po­si­ções. Fi­el à his­tó­ria, sim, mas com es­pa­ço pa­ra ima­gi­nar.

“A 1.ª tem­po­ra­da foi de mui­ta pres­são. Foi a mi­nha pri­mei­ra gran­de sé­rie, não fa­la­va as­sim tão bem in­glês e a sé­rie era no­va e es­tá­va­mos to­dos a ten­tar per­ce­ber o que ia ser. Foi qua­se so­bre­vi­vên­cia”, re­cor­da Ri­chelmy. “Na 2.ª tem­po­ra­da já te­mos o mundo cri­a­do e on­de po­de­mos an­dar. Já te­mos as per­so­na­gens mais de­sen­vol­vi­das, com re­la­ções mais pro­fun­das. Is­so faz com que a his­tó­ria se tor­ne mais emo­ci­o­nan­te. Fi­nal­men­te, o Mar­co Po­lo es­tá a tor­nar-se um ho­mem, um lí­der, e não ape­nas um se­gui­dor”, acres­cen­ta.

A segunda tem­po­ra­da co­me­ça já com Ku­blai Khan na li­de­ran­ça do império chi­nês de­pois de mui­tas ba­ta­lhas tra­va­das. “Há mais dra­ma nes­ta tem­po­ra­da. O Mar­co Po­lo con­se­guiu ter a con­fi­an­ça do Ku­blai [in­ter­pre­ta­do por Be­ne­dict Wong]. En­tão, o jo­vem Mar­co vai ter que apren­der a li­dar com po­der.” Há mais olha­res des­con­fi­a­dos. Gen­te que não aco­lhe bem a che­ga­da des­te eu­ro­peu a uma po­si­ção co­mo a que con­quis­tou. “Vai ter de pen­sar se foi fei­to pa­ra aque­le mundo ou se vai ter de vol­tar atrás. Ha­ve­rão mui­tas sur­pre­sas, mo­men­tos mes­mo cho­can­tes”, pro­me­te Lo­ren­zo. De­pois de ver­mos o la­do mais fí­si­co de Mar­co Po­lo, va­mos tam­bém fi­car a per­ce­ber as su­as am­bi­ções, as su­as dú­vi­das e me­dos. “Sem dú­vi­da que sim. Va­mos per­ce­ber es­te ho­mem e aqui­lo que o faz fi­car na Chi­na. O ti­po de ho­mem que ele ée o ho­mem que quer vir a ser.”

O ator con­se­gue en­con­trar al­guns pon­tos em co­mum en­tre aqui­lo que ele é ho­je e aqui­lo que ele jul­ga que se pas­sa­va na ca­be­ça do ex­plo­ra­dor ita­li­a­no. Uma iden­ti­fi­ca­ção pes­so­al que é tam­bém de­mons­tra­ti­va des­ta aven­tu­ra que tem vi­vi­do des­de 2014. “A sé­rie mos­tra o jo­vem Mar­co Po­lo a tor­nar-se adul­to. Iden­ti­fi­co-me mui­to, mas tam­bém por ser ita­li­a­no, creio eu. Quan­do co­me­cei a fil­mar, pa­re­cia que es­ta­va a pas­sar, nou­tro ní­vel, por aqui­lo que ele pas­sou. Não fa­la­va in­glês; es­ta­va na Ma­lá­sia com pes­so­as que não con­se­guia per­ce­ber... foi uma lou­cu­ra. E, tal co­mo o Mar­co Po­lo, tam­bém cos­tu­mo ar­ran­jar al­guns pro­ble­mas!”

“Fi­nal­men­te, o Mar­co Po­lo es­tá a tor­nar-se um ho­mem, um lí­der, e não ape­nas um se­gui­dor” Lo­ren­zo Ri­chelmy ator que in­ter­pre­ta pa­pel de Mar­co Po­lo

PHIL BRAY/NET­FLIX

Lo­ren­zo Ri­chelmy e Be­ne­dict Wong (em ci­ma, à di­rei­ta) li­de­ram o elen­co de “Mar­co Po­lo”. A segunda tem­po­ra­da da sé­rie já po­de ser vis­ta no Net­flix. DR

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.