Reis da Eu­ro­pa!

Fo­cus. Por­tu­gal! Por­tu­gal! Por­tu­gal! Um go­lo de Éder aos 109 mi­nu­tos de­ci­diu a fi­nal do Cam­pe­o­na­to da Eu­ro­pa, num jo­go em que a Seleção ven­ceu a an­fi­triã Fran­ça pa­ra con­se­guir o mai­or fei­to do fu­te­bol por­tu­guês

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA - RUI ALE­XAN­DRE CO­E­LHO

Por­tu­gal co­me­çou a ga­nhar a se­gun­da fi­nal da sua his­tó­ria an­tes de es­ta­rem de­cor­ri­dos dez mi­nu­tos. Pri­mei­ra figura do Eu­ro­peu, Payet se­rá mais re­cor­da­do por ter si­do o fran­cês que ti­rou Ro­nal­do da fi­nal.

A ve­lha es­co­la acon­se­lha a en­trar du­ro nas pri­mei­ras bo­las di­vi­di­das. É uma men­sa­gem que in­ti­mi­da o ad­ver­sá­rio, e ge­ral­men­te os ár­bi­tros con­des­cen­dem, até cer­ta al­tu­ra “é ce­do” pa­ra pu­xar dos car­tões. Es­sa

“Sem­pre acre­di­tei, sem­pre. Ago­ra são agra­de­ci­men­tos. Pri­mei­ro a Deus, por me ter da­do lu­ci­dez e sa­be­do­ria” Fer­nan­do San­tos, Se­le­ci­o­na­dor, que du­ran­te a pro­va avi­sou que só vol­ta­ria hoje a Por­tu­gal e “em fes­ta”

po­de ser uma das explicações pa­ra a en­tra­da de Payet que dei­xou “K.O.” o jo­e­lho es­quer­do de Ro­nal­do: o mé­dio do West Ham não foi mal­do­so, mas entrou com “tu­do”, e quan­do se en­tra com “tu­do”, bem, “tu­do” po­de acon­te­cer.

CR7 caiu pe­la rel­va al­guns mi­nu­tos depois do im­pac­to. La­va­do em lá­gri­mas, com uma cru­el no­ção do seu es­ta­do fí­si­co, ain­da se levantou, saiu de cam­po, re­ce­beu uma li­ga­du-

“Ele [CR7] dis­se-me que se­ria eu a fa­zer o go­lo da vi­tó­ria. Pas­sou-me es­sa for­ça. Es­sa ener­gia de­le foi im­por­tan­te” Éder avan­ça­do da Seleção e au­tor do go­lo do tí­tu­lo

ra no jo­e­lho es­quer­do, cer­rou os den­tes e vol­tou à lu­ta. Ten­tou. Ti­nha de ten­tar. Mas não da­va: o Eu­ro­peu do ca­pi­tão ter­mi­na­va ali. Qu­a­res­ma cha­ma­do a jo­go.

Mais que nin­guém, o avan­ça­do qu­e­ria es­tar presente num dos gran­des mo­men­tos da his­tó­ria do fu­te­bol por­tu­guês. Quan­do se cho­ra da­que­la ma­nei­ra, e mui­to Ro­nal­do cho­rou, é si­nó­ni­mo do amor que se põe no que se faz, no que se tem, na­qui­lo a que se per­ten­ce.

Fe­liz­men­te, a tur­ma das qui­nas in­ter­pre­tou as lá­gri­mas do seu ca­pi­tão da for­ma cer­ta, e deu uma res­pos­ta a con­di­zer. Ao in­vés de se sen­tir di­mi­nuí­da, deu (ain­da) um pou­co mais de si. As­sim o me­re­cia CR7, que pas­sa­va a per­ten­cer à in­ter­mi­ná­vel man­cha en­car­na­da e ver­de que por es­se mun­do tor­cia pe­los seus “heróis do mar”.

Nas lu­vas de Pa­trí­cio es­te­ve Por­tu­gal se­gu­ro. Inú­me­ras de­fe­sas no­tá­veis do guar­dião e um pos­te ami­go, per­to dos 90m, per­mi­ti­ram a Por­tu­gal man­ter-se na dis­cus­são pe­la Ta­ça até ao pro­lon­ga­men­to. Sim, é pre­ci­so di­zer que por es­sa al­tu­ra o em­pa­te era li­son­jei­ro pa­ra Por­tu­gal.

Aí che­ga­do, já com Éder em cam­po, um li­vre di­re­to de Gu­er­rei­ro em­ba­teu na tra­ve. Foi um pre­nún­cio do que a se­guir acon­te­ce­ria. Mal ama­do dos adep­tos em Por­tu­gal, Éder pu­xou a cu­la­tra atrás e do meio da rua re­ma­tou pa­ra o go­lo de uma vi­da. O go­lo do pri­mei­ro gran­de tí­tu­lo de Por­tu­gal.

“Es­ta gen­te que es­ta­va a vi­brar... es­tou a pen­sar nes­tes por­tu­gue­ses que vi­vem aqui e em to­do o mun­do” Mar­ce­lo Re­be­lo de Sou­sa Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca

EPA

Com a as­si­na­tu­ra do go­lo, Éder foi a figura de um en­con­tro mar­ca­do pe­la le­são de Cris­ti­a­no Ro­nal­do. Mes­mo subs­ti­tuí­do, o ca­pi­tão es­te­ve sem­pre presente, in­can­sá­vel na mo­ti­va­ção à equi­pa.

PE­DRO FER­REI­RA

REUTERS

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.