Da­vid Fon­se­ca es­tá no “De­bai­xo da Lín­gua”

DA­VID FON­SE­CA Mú­si­co atua no dia 11 de agos­to no Sol da Ca­pa­ri­ca e con­ta a Rui Miguel Abreu o que tem ”De­bai­xo da Lín­gua”.

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA - RUI MIGUEL ABREU

Pri­mei­ro co­mo lí­der dos Si­len­ce 4, depois a so­lo, Da­vid Fon­se­ca cons­truiu uma fér­til e aplau­di­da car­rei­ra que in­vul­gar­men­te co­nhe­ce os dois la­dos da “bar­ri­ca­da” que se­pa­ra os ar­tis­tas que ele­gem o por­tu­guês e os que es­co­lhem o in­glês co­mo prin­ci­pal for­ma de ex­pres­são. Com o su­per-gru­po Hu­ma­nos e, mais re­cen­te­men­te, com o seu pró­prio ál­bum a so­lo “Fu­tu­ro Eu”, Da­vid tam­bém co­nhe­ce o que sig­ni­fi­ca es­tar “de­bai­xo des­ta lín­gua”. E nem se­quer en­ten­de o de­ba­te que a op­ção de tan­tos pe­lo in­glês sem­pre ge­rou.

“Sem­pre achei que é um de­ba­te fal­so e ti­pi­ca­men­te por­tu­guês”, co­me­ça por ex­pli­car, an­tes de se alon­gar: “Gos­ta­mos mui­to de ver fa­lhas em nós pró­pri­os, é uma ma­nei­ra de ser nos­sa. Es­ta dis­cus­são só apa­re­ceu em ple­na for­ça após o êxi­to dos Si­len­ce 4. Lem­bro--me de ler pá­gi­nas de jor­nais de­di­ca­das a es­sa dis­cus­são, as­su­min­do uma di­men­são ri­dí­cu­la e cu­ja im­por­tân­cia era ze­ro. Mas, de re­pen­te, tor­nou-se num ce­leu­ma ter­rí­vel. Ha­via gen­te mui­to cha­te­a­da que di­zia que ha­via um re­ne­gar da nos­sa por­tu­ga­li­da­de. Es­cre­ve­ram-se tan­tos dis­pa­ra­tes, uma coi­sa ina­cre­di­tá­vel. Re­cor­do-me de, na al­tu­ra, ter to­ma­do po­si­ção atra­vés de uma car­ta lon­ga que en­vi­ei ao Blitz, mas foi a úni­ca vez, por­que era uma dis­cus­são que não me­re­cia a mi­nha aten­ção. Con­ti­nuo a achar que é uma coi­sa me­nor: é cla­ra a ra­zão pe­la qual eu e ou­tras pes­so­as da mi­nha ge­ra­ção es­cre­vi­am em in­glês, mas tam­bém nun­ca nin­guém dei­xou de fa­lar ou es­cre­ver por­tu­guês. Que­ría­mos ex­pe­ri­men­tar ou­tras coi­sas, ou­tra for­ma de fa­zer can­ções”, re­cor­da.

“É um fac­to que a mai­or par­te das coi­sas que me in­flu­en­ci­a­vam vi­nha lá de fo­ra, o que era tam­bém uma for­ma de mos­trar que não me iden­ti­fi­ca­va com mui­tas coi­sas aqui de Por­tu­gal. Foi a mi­nha re­a­ção, em­bo­ra não te­nha si­do pen­sa­da. Aqui­lo que mais me ma­go­a­va nes­sa dis­cus­são é que mui­tas ve­zes cri­a­vam a ideia de que eu, e ou­tros ar­tis­tas co­mo eu, tí­nha­mos es­cri­to em in­glês com uma es­pé­cie de pro­cu­ra in­sa­na do su­ces­so, que so­nhá­va­mos atu­ar em es­tá­di­os co­mo o Wem­bley... era a coi­sa mais dis­pa­ra­ta­da pos­sí­vel. Qu­e­ria dar-se um sen­ti­do ne­ga­ti­vo a es­ta to­ma­da de po­si­ção, daí que sem­pre quis e qu­e­ro es­tar fo­ra des­se de­ba­te. Fe­liz­men­te, per­co o meu tem­po em coi­sas bem me­lho­res. No en­tan­to, em 18 anos a fa­zer mú­si­ca, não hou­ve pra­ti­ca­men­te uma en­tre­vis­ta em que não me per­gun­tas­sem por­que é que can­to em in­glês. Só que, no ano pas­sa­do, fiz um dis­co com­ple­ta­men­te em por­tu­guês e a pri­mei­ra per­gun­ta pas­sou ago­ra a ser ‘Por­que é que es­cre­ves em por­tu­guês?’ Dá-me a en­ten­der que is­to tu­do não tem que ver com uma dis­cus­são da lín­gua, mas sim com a po­bre­za do dis­cur­so dos me­dia, que é sem­pre mui­to fra­co em ter­mos de idei­as, ata­can­do o me­nor de­no­mi­na­dor co­mum, aqui­lo que to­da a gen­te con­se­gue iden­ti­fi­car à par­ti­da. O meu pro­ble­ma com es­sa dis­cus­são é lo­go a sua pro­fun­da fal­ta de in­te­res­se.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.