En­tre­vis­ta com Beth Or­ton an­tes do Ma­rés Vi­vas

BETH OR­TON A can­to­ra in­gle­sa tem um dis­co no­vo, “Kids­ticks”, e vem apre­sen­tá-lo ao fes­ti­val MEO Ma­rés Vi­vas, que co­me­ça na pró­xi­ma quin­ta-fei­ra no Ca­be­de­lo em V. N. de Gaia.

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA - BRU­NO MAR­TINS

“Su­ga­ring Se­a­son”, o seu úl­ti­mo dis­co, foi edi­ta­do em 2012. Co­mo fo­ram es­tes úl­ti­mos qua­tro anos? Foi em di­gres­são, a mos­trar o dis­co. E re­e­di­tei o “Cen­tral Re­ser­va­ti­on” [dis­co de 1999] e fiz ou­tra tour­née. Foi ao mes­mo tem­po que co­me­cei a tra­ba­lhar nes­te dis­co. Foi du­ran­te a tour­née que sur­gi­ram as idei­as de “Kids­ticks”? Não ti­nha ne­nhu­ma ideia pre­con­ce­bi­da. Mas sa­bia que qu­e­ria fa­zer al­go de di­fe­ren­te. En­tão or­ga­ni­zei umas ses­sões de es­tú­dio com o An­drew Hung [dos Fuck But­tons]. Pas­sá­mos dez di­as em es­tú­dio: eu nos te­cla­dos, ele a me­xer nos sons... quan­do aca­bá­mos ha­via uns 20 lo­ops. Le­vei-os pa­ra ca­sa e es­cre­vi pa­ra eles du­ran­te uns oi­to me­ses. Aos pou­cos, fui per­ce­ben­do o que ti­nha. É as­sim que os dis­cos são fei­tos, acho eu: umas ve­zes há uma ideia que se tra­ba­lha; ou­tras ele vai nas­cen­do num pe­río­do de tem­po. Fo­ram es­ses lo­ops que mo­ti­va­ram as le­tras des­te dis­co? E gos­to mui­to de tra­ba­lhar as­sim, com es­ta li­ber­da­de cri­a­ti­va e que nun­ca ti­nha en­con­tra­do na gui­tar­ra, ao pon­to de en­con­trar sons na mi­nha ca­be­ça que gos­ta­ria de ter no dis­co. Quan­to às le­tras... é di­fí­cil ex­pli­car. Te­nho sem­pre idei­as, mas, por exem­plo, “Pe­tals” é um po­e­ma que es­ta­va a ten­tar aca­bar há dez anos! Mas uma can­ção co­mo “Mo­on” foi uma coi­sa mais rá­pi­da, que nas­ceu da mi­nha ins­pi­ra­ção de es­tar em Los An­ge­les, de me ter mu­da­do com a mi­nha fa­mí­lia pa­ra ou­tro país. Já se per­ce­beu que o Andy te­ve um pa­pel im­por­tan­te nes­te “Kids­ticks”. Co­mo é que ele apa­re­ce no pro­ces­so cri­a­ti­vo do dis­co? Era ami­go de um ami­go meu. Tam­bém ti­nha fei­to umas re­mis­tu­ras de “Su­ga­ring Se­a­son”, pa­ra uma can­ção cha­ma­da “Mis­tery”. Ti­nha von­ta­de de fa­zer mais e sen­ti-me à von­ta­de com ele. En­tão, de­sa­fi­ou-me a ir até Los An­ge­les pa­ra ex­pe­ri­men­tar umas coi­sas. Es­ta se­ma­na vai es­tar no fes­ti­val MEO Ma­rés Vi­vas. O que es­pe­rar do la­do ao vi­vo des­te “Kids­ticks”? É sem­pre um gran­de de­sa­fio. Es­tou mui­to en­tu­si­as­ma­da, até por­que te­nho uma ban­da in­crí­vel, ami­gos que ado­ro. Só de pre­pa­rar o con­cer­to, tam­bém com can­ções mais an­ti­gas do meu ca­tá­lo­go, já es­tá a ser óti­mo! Pron­to, é um bo­ca­do is­so que vai acon­te­cer, com ou­tras can­ções mais ines­pe­ra­das, ou­tras que nun­ca to­quei ao vi­vo e es­tou mui­to en­tu­si­as­ma­da com tu­do. E vol­tar a Por­tu­gal é tão bom! Quer con­tar-nos o que sig­ni­fi­ca o tí­tu­lo do dis­co, “Kids­ticks”? Não en­con­trei tradução em por­tu­guês. Não tem. Quan­do co­me­cei a fa­zer o dis­co, sen­ti que ha­via um sen­ti­men­to mui­to gran­de de brin­ca­dei­ra. Sen­ti-me co­mo uma no­va­ta, uma cri­an­ça a des­co­brir um ins­tru­men­to no­vo e tam­bém a po­der brin­car com ele, com um sen­ti­men­to de des­lum­bra­men­to. A fai­xa “Kids­ticks” foi ape­nas um no­me de tra­ba­lho, por­que fa­zia lem­brar-me cri­an­ças a brin­car com paus em gar­ra­fas, em pa­re­des e cai­xas. É as­sim que eles fa­zem mú­si­ca: ba­tem em coi­sas com paus. Quan­do aca­bei o dis­co, pen­sei que to­do o ál­bum ti­nha es­se sen­ti­do de brin­ca­dei­ra, de aven­tu­ra... é in­ven­ta­do, mas pa­re­ce-me fa­zer to­do o sen­ti­do!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.