Emi­ci­da em dis­cur­so di­re­to

Mú­si­co bra­si­lei­ro é o con­vi­da­do de “De­bai­xo da Lín­gua”

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA - RUI MI­GUEL ABREU

Emi­ci­da, de no­me pró­prio Leandro Ro­que de Oli­vei­ra e com ori­gem em São Pau­lo é con­si­de­ra­do uma das mai­o­res re­ve­la­ções do hip hop do Bra­sil nos úl­ti­mos anos. Com dois dis­cos edi­ta­dos, fa­la so­bre a for­ma al­go sur­pre­en­den­te co­mo a sua mú­si­ca tem che­ga­do a Por­tu­gal. Atu­ou re­cen­te­men­te em Lou­lé e em Lis­boa. Que ba­lan­ço faz des­ses es­pe­tá­cu­los e da vi­si­ta a Por­tu­gal? Sur­pre­en­deu-me por­que acon­te­ceu-me uma coi­sa mui­to cu­ri­o­sa. Num sá­ba­do, fui be­ber ca­fé ao mer­ca­do de Lou­lé com um ca­ma­ra­da de ban­da e de re­pen­te saiu uma pes­soa de uma lo­ji­nha de ar­te­sa­na­to e gri­tou “Emi­ci­da!” com so­ta­que em por­tu­guês. Dis­se que era um gran­de fã e que ad­mi­ra­va mui­to a mi­nha mú­si­ca. E eu pen­sei, “ca­ram­ba, aqui, lon­ge de ca­sa, [al­guém que me re­co­nhe­ce na rua]?” O ma­no que­ria fa­lar das mú­si­cas, es­ta­va mui­to in­tei­ra­do do as­sun­to. Foi a pri­mei­ra vez que is­to acon­te­ceu em Por­tu­gal. Pe­lo fac­to de ter lan­ça­do o dis­co aqui e por to­das as in­cur­sões que te­mos fei­to no mun­do mu­si­cal de Por­tu­gal, co­me­ço a sen­tir que a nos­sa pro­du­ção se tem en­rai­za­do e cri­a­do um elo ‘ba­ca­na’ com o am­bi­en­te mu­si­cal de Por­tu­gal, is­so pa­ra mim é mui­to im­por­tan­te. Lou­lé sur­pre­en­deu-me por­que meia ho­ra an­tes do con­cer­to, sem que hou­ves­se qual­quer apre­sen­ta­ção pré­via, as pes­so­as já es­ta­vam em for­ça na pri­mei­ra fi­la a gri­tar e a pe­dir pa­ra co­me­çar o show. Nun­ca ti­nha sen­ti­do is­so em Por­tu­gal, nor­mal­men­te to­ca­mos em es­pa­ços me­no­res, mas ali es­tá­va­mos num gran­de fes­ti­val a par­ti­lhar o pal­co com ou­tros ar­tis­tas fan­tás­ti­cos e ha­via uma mul­ti­dão à nos­sa es­pe­ra. E em Lis­boa foi ain­da mais im­pres­si­o­nan­te, o Mu­sic­box es­ta­va lo­ta­do e, en­quan­to o DJ sol­ta­va umas mú­si­cas, já o pú­bli­co gri­ta­va “Emi­ci­da!”. É a coi­sa boa das se­men­tes, lan­ça-se na ter­ra e elas cres­cem… Eu tam­bém ve­jo as coi­sas des­sa for­ma. O mais in­crí­vel de tu­do is­so é que no Bra­sil sur­gi da mes­ma ma­nei­ra. A gen­te vai de­grau-a-de­grau na es­ca­da e de­pois de já ter su­bi­do dez, en­tão olha­mos pa­ra uma tra­je­tó­ria so­bre a qual po­de­mos fa­lar. Se ten­tás­se­mos fa­zer is­to de uma for­ma mais ar­ti­fi­ci­al en­tão não te­ría­mos uma his­tó­ria de que nos or­gu­lhás­se­mos tan­to pa­ra con­tar. En­tão tem es­sa cons­tru­ção hu­ma­na que per­mi­te que ve­nha­mos e es­bar­re­mos com um fã na rua e ele en­ten­da que aque­la mú­si­ca, de­pois de lan­ça­da, tam­bém é pro­pri­e­da­de de­le. As pes­so­as iden­ti­fi­cam-se co­mi­go jus­ta­men­te por­que en­ten­dem que a li­nha poé­ti­ca com a qual tra­ba­lho é um có­di­go aber­to, só che­ga on­de che­ga por­que as pes­so­as se re­ve­em den­tro da mú­si­ca.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.