Con­tra­tos sem fi­de­li­za­ção

Te­le­co­mu­ni­ca­ções. As ope­ra­do­ras es­tão obri­ga­das a ofe­re­cer con­tra­tos sem qual­quer fi­de­li­za­ção ou com seis e 12 me­ses de fi­de­li­za­ção, em op­ção ao pe­río­do má­xi­mo de 24 me­ses.

Metro Portugal (Lisbon) - - JORNAL -

A al­te­ra­ção à Lei das Co­mu­ni­ca­ções Ele­tró­ni­cas en­trou on­tem em vi­gor e é já con­si­de­ra­da pe­la De­co co­mo “uma vi­tó­ria pa­ra os con­su­mi­do­res” e um re­fle­xo de um con­jun­to de rei­vin­di­ca­ções da As­so­ci­a­ção Por­tu­gue­sa pa­ra a De­fe­sa do Con­su­mi­dor e de cer­ca de 270.000 con­su­mi­do­res, ma­ni­fes­ta­das nu­ma pe­ti­ção (so­bre a fi­de­li­za­ção em 2013) e um abai­xo-as­si­na­do (so­bre re­fi­de­li­za­ção em 2015).

O ju­ris­ta e co­or­de­na­dor do de­par­ta­men­to de es­tu­dos e apoio ao con­su­mi­dor da De­co, Pau­lo Fon­se­ca, des­co­di­fi­cou o tex­to da lei e diz que a úni­ca pre­ten­são que não foi aco­lhi­da na le­gis­la­ção foi a re­du­ção do pe­río­do má­xi­mo de fi­de­li­za­ção dos 24 me­ses, que foi man­ti­do, mas su­bli­nha ter-se en­con­tra­do uma for­ma de ga­ran­tir a li­ber­da­de de fi­de­li­za­ção. “A al­te­ra­ção obri­ga to­das as ope­ra­do­ras, pa­ra to­da a sua ofer­ta co­mer­ci­al, a dis­po­ni­bi­li­zar vá­ri­os ti­pos de fi­de­li­za­ção”, ou se­ja, a ofe­re­cer con­tra­tos sem qual­quer ti­po de fi­de­li­za­ção ou con­tra­tos com seis e 12 me­ses de fi­de­li­za­ção, em op­ção à fi­de­li­za­ção má­xi­ma de 24 me­ses.

Pau­lo Fon­se­ca des­ta­ca tam­bém a mai­or trans­pa­rên­cia nos con­tra­tos e que na fi­de­li­za­ção “o ónus é to­tal­men­te co­lo­ca­do no ope­ra­dor”.

REUTERS

As ope­ra­do­ras são ago­ra obri­ga­das “a in­for­mar sem­pre do pe­río­do de fi­de­li­za­ção e dos cus­tos pe­la res­ci­são an­te­ci­pa­da em ca­da mo­men­to do con­tra­to em que o con­su­mi­dor se en­con­tra”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.