EUA. Cle­ve­land re­ce­be convenção republicana com os olhos em Trump

Mag­na­ta de­ve­rá ser de­sig­na­do o can­di­da­to do par­ti­do às elei­ções pre­si­den­ci­ais. Em en­tre­vis­ta, Car­los Ja­la­li, po­li­tó­lo­go, fa­la so­bre uma das per­so­na­gens po­lí­ti­cas que mais tem sur­pre­en­di­do e po­de­rá con­ti­nu­ar a sur­pre­en­der o mun­do

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA - CAR­LOS JA­LA­LI PO­LI­TÓ­LO­GO, DI­RE­TOR DO MESTRADO EM CI­ÊN­CIA PO­LÍ­TI­CA NA UNI­VER­SI­DA­DE DE AVEIRO

Es­ta­rá o Mun­do pre­pa­ra­do pa­ra Do­nald Trump?

Até há re­la­ti­va­men­te bem pou­co tempo, a ideia de Trump na Ca­sa Bran­ca era pra­ti­ca­men­te im­pen­sá­vel. Creio que ago­ra o Mun­do – quer em ter­mos de ci­da­dãos, quer das eli­tes – co­me­ça a pon­de­rar o im­pen­sá­vel. Ao mes­mo tempo, não é fá­cil es­tar pre­pa­ra­do pa­ra uma pre­si­dên­cia Trump. Uma das ca­ra­te­rís­ti­cas da sua cam­pa­nha é uma im­pre­vi­si­bi­li­da­de e fal­ta de de­ta­lhe pou­co ha­bi­tu­ais em ou­tras cam­pa­nhas. Is­so tor­na tam­bém mais di­fí­cil pre­ver e pre­pa­rar o ce­ná­rio de uma pre­si­dên­cia Trump.

Ten­do em con­ta a im­por­tân­cia ge­o­es­tra­té­gi­ca dos EUA, que efei­to po­de­rá ter a elei­ção de Trump a ní­vel mun­di­al?

A fal­ta de de­ta­lhe e a im­pre­vi­si­bi­li­da­de em tor­no das pro­pos­tas po­lí­ti­cas de Trump são par­ti­cu­lar­men­te evi­den­tes no cam­po da po­lí­ti­ca ex­ter­na. É pra­ti­ca­men­te im­pos­sí­vel an­te­ver o que se­rá uma pre­si­dên­cia Trump na ques­tão sí­ria e nou­tras ques­tões ‘quen­tes’. Trump dis­se que co­lo­ca­ria tro­pas no ter­re­no na Sí­ria. Mas, ao mes­mo tempo, tam­bém já re­fe­riu que os EUA de­ve­ri­am dei­xar a Rús­sia com­ba­ter o Es­ta­do Is­lâ­mi­co na Sí­ria e não ata­car As­sad. No ca­so da po­lí­ti­ca ex­ter­na de Trump, o ve­lho afo­ris­mo de ‘prog­nós­ti­cos só no fim’ pa­re­ce ser par­ti­cu­lar­men­te apro­pri­a­do.

Co­mo clas­si­fi­ca a re­la­ção de Trump com os me­dia, que in­clu­si­va­men­te tem já uma ‘blac­klist’ de ór­gãos de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al aos quais proí­be o aces­so nos seus even­tos?

Es­sa é a di­men­são por­ven­tu­ra mais in­te­res­san­te da cam­pa­nha de Trump. Des­de o iní­cio, Do­nald Trump tem con­se­gui­do pôr os me­dia a fa­la­rem do seu te­ma apa­ren­te­men­te fa­vo­ri­to: Do­nald Trump. Com efei­to, Trump con­se­guiu mar­car a agen­da e do­mi­nar o tempo de ex­po­si­ção me­diá­ti­ca. Aliás, há es­tu­dos nes­se sen­ti­do que mos­tram que o ‘tempo de an­te­na’ gra­tui­to que Trump te­ve nas te­le­vi­sões foi vas­ta­men­te su­pe­ri­or aos seus ri­vais re­pu­bli­ca­nos nas pri­má­ri­as, o que con­tri­buiu pa­ra a sua vi­tó­ria, e tam­bém dos seus ad­ver­sá­ri­os de­mo­cra­tas, in­cluin­do Hil­lary Clin­ton. Tal não acon­te­ceu por aca­so – a co­mu­ni­ca­ção de Trump, sen­do po­lé­mi­ca, vi­sa tam­bém con­se­guir es­sa ex­po­si­ção me­diá­ti­ca. Trump com­pre­en­deu que os me­dia pre­ci­sam de au­di­ên­ci­as – e pro­du­ziu o ti­po de dis­cur­so que atrai au­di­ên­ci­as. Pa­ra ci­tar o CEO da CBS, um dos prin­ci­pais ca­nais de te­le­vi­são dos EUA, a can­di­da­tu­ra de Trump po­de não ser boa pa­ra a Amé­ri­ca, mas é mui­to boa pa­ra a CBS. E é boa pa­ra a CBS – tal co­mo pa­ra os ou­tros ca­nais – por­que atrai au­di­ên­ci­as. Mes­mo aque­les que não vão vo­tar em Trump aca­bam por ver o que ele diz – e is­so é bom pa­ra os me­dia.

A pos­tu­ra se­xis­ta do can­di­da­to po­de afas­tar as elei­to­ras?

Des­de a dé­ca­da de 1980 que as mu­lhe­res vo­tam mais nos can­di­da­tos de­mo­cra­tas que nos can­di­da­tos re­pu­bli­ca­nos. Con­tu­do, tu­do in­di­ca que es­te ano es­se di­fe­ren­ci­al se­rá ain­da mai­or que em elei­ções an­te­ri­o­res, re­sul­ta­do de dois fa­to­res que se re­for­çam mu­tu­a­men­te. Por um la­do, Hil­lary Clin­ton é a can­di­da­ta de­mo­cra­ta, ge­ran­do a pos­si­bi­li­da­de de uma mu­lher na Ca­sa Bran­ca, e tem ape­la­do ex­pli­ci­ta­men­te ao vo­to fe­mi­ni­no. Por ou­tro la­do, as de­cla­ra­ções de Trump ten­dem a ali­e­nar par­tes des­se elei­to­ra­do.

Que vir­tu­des re­co­nhe­ce em Trump?

Qu­an­do Trump apre­sen­tou a sua can­di­da­tu­ra em ju­nho de 2015, nin­guém o le­vou a sé­rio. A mai­o­ria con­si­de­ra­va que o ob­je­ti­vo da can­di­da­tu­ra era mais publicidade pa­ra Trump. Pra­ti­ca­men­te nin­guém ima­gi­na­va que ele pu­des­se ser o can­di­da­to do Par­ti­do Re­pu­bli­ca­no nas pre­si­den­ci­ais de 2016. Quem ti­ves­se apos­ta­do em ju­nho de 2015 que Trump se­ria o can­di­da­to pre­si­den­ci­al re­pu­bli­ca­no te­ria ga­nho uma boa ma­quia, tal eram as baixas ex­pec­ta­ti­vas de uma vi­tó­ria. Trump de­mons­trou ser um can­di­da­to par­ti­cu­lar­men­te aten­to e ca­paz de jo­gar com a na­tu­re­za dos me­dia atu­ais, de ter um dis­cur­so que pe­ne­tra no elei­to­ra­do que ele pro­cu­ra mo­bi­li­zar e de mar­car a agen­da po­lí­ti­ca. E nes­ses as­pe­tos, a can­di­da­tu­ra de Trump se­rá lon­ga­men­te es­tu­da­da de­pois des­tas elei­ções.

REUTERS

REUTERS

Do­nald John Trump nas­ceu em 14 de ju­nho de 1946, em No­va Ior­que, e se­guiu as pi­sa­das do pai, Fred Trump, no ne­gó­cio imo­bi­liá­rio.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.