Um “pro­du­to” úni­co no País e no es­tran­gei­ro

Metro Portugal (Lisbon) - - FOCUS - MARGARIDA BE­LÉM R.M.

Co­mo se ex­pli­ca es­te su­ces­so dos Pas­sa­di­ços do Pai­va? Têm a enor­me van­ta­gem de se­rem di­fe­ren­tes. É um “pro­du­to” úni­co, di­fe­ren­ci­a­dor, dis­tin­ti­vo do Arouca Ge­o­park, a ní­vel na­ci­o­nal e in­ter­na­ci­o­nal. Por es­sa ra­zão, a co­mu­ni­ca­ção e a pro­mo­ção des­ta in­fra­es­tru­tu­ra, en­quan­to pro­du­to tu­rís­ti­co, es­tão lar­ga­men­te fa­ci­li­ta­das. Se o pro­du­to é ino­va­dor e de qua­li­da­de, te­mos, au­to­ma­ti­ca­men­te, van­ta­gens. A men­sa­gem es­sen­ci­al é a de que, mes­mo com al­gu­ma di­fi­cul­da­de ine­ren­te à oro­gra­fia do per­cur­so, aqui te­rá um con­tac­to di­re­to com a na­tu­re­za. Qual é o ba­lan­ço em ter­mos de tu­ris­mo e re­cei­tas das uni­da­des ho­te­lei­ras? Mui­to fre­quen­te­men­te, so­bre­tu­do em pi­cos de vi­si­ta, as uni­da­des de alo­ja­men­to têm atin­gi­do ta­xas de ocu­pa­ção de 100% e as re­ser­vas pa­ra es­te ve­rão es­tão a de­cor­rer a bom rit­mo. Sa­be­mos que as uni­da­des já alar­ga­ram o nú­me­ro de ca­mas, e os es­ta­be­le­ci­men­tos de res­tau­ra­ção os lu­ga­res à me­sa. A co­bran­ça de bi­lhe­tes aju­dou a mi­ni­mi­zar o im­pac­to am­bi­en­tal pro­vo­ca­do pe­los mi­lha­res de vi­si­tan­tes? Na pri­mei­ra fa­se de fun­ci­o­na­men­to, sen­ti­mos que a cu­ri­o­si­da­de em tor­no des­te equi­pa­men­to foi qua­se avas­sa­la­do­ra. Não es­pe­rá­va­mos ob­ter tan­to su­ces­so e de for­ma tão re­pen­ti­na. Na ver­da­de, pou­cos di­as an­tes do in­cên­dio de se­tem­bro de 2015 che­gá­mos a ter 7.000 vi­si­tas. O in­for­tú­nio aca­bou por dar-nos tempo e es­pa­ço pa­ra re­fle­tir­mos so­bre o fun­ci­o­na­men­to dos Pas­sa­di­ços e so­bre o que qu­e­re­mos, de fac­to, pa­ra o es­pa­ço. Po­de­mos con­si­de­rar que aca­bá­mos por agir por an­te­ci­pa­ção. Não é que te­nha­mos sen­ti­do um tre­men­do im­pac­to am­bi­en­tal e es­te­ja­mos a re­a­gir a is­so. Não é, de todo, is­so que se pas­sa. Qu­e­re­mos é que as con­di­ções de vi­si­ta pos­sam ser as me­lho­res, sem ex­ces­so de gen­te, e, ao mes­mo tempo, que não ha­ja pres­são exa­ge­ra­da so­bre os ecos­sis­te­mas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.