Mul­tas se­ri­am ‘in­jus­ti­fi­ca­das’

San­ções. O Go­ver­no es­cre­veu à CE e dis­se que san­ções te­ri­am “um im­pac­to ne­ga­ti­vo” no apoio do País ao pro­je­to eu­ro­peu.

Metro Portugal (Lisbon) - - JORNAL -

Nas con­clu­sões das “Ale­ga­ções fun­da­men­ta­das de Por­tu­gal no âm­bi­to do pro­ces­so de apu­ra­men­to de even­tu­ais san­ções”, as­si­na­das pe­lo mi­nis­tro das Fi­nan­ças, Má­rio Cen­te­no, su­bli­nha-se que, “além dos da­nos eco­nó­mi­cos e fi­nan­cei­ros”, a ado­ção de san­ções “te­ria um im­pac­to al­ta­men­te ne­ga­ti­vo no ní­vel de apoio ao pro­je­to eu­ro­peu em Por­tu­gal, que tem si­do lar­ga­men­te con­sen­su­al des­de 1976”. “Por es­tas ra­zões, as san­ções nun­ca se­ri­am com­pre­en­di­das pe­lo po­vo por­tu­guês”, afir­ma Má­rio Cen­te­no.

An­tes, o mi­nis­tro das Fi­nan­ças, que se diz dis­po­ní­vel pa­ra mais es­cla­re­ci­men­tos, rei­te­ra que a apli­ca­ção de san­ções a Por­tu­gal se­ria in­jus­ti­fi­ca­da por­que “o País es­tá no ca­mi­nho cer­to pa­ra eli­mi­nar o dé­fi­ce ex­ces­si­vo e se­ria con­tra­pro­du­cen­te por­que pre­ju­di­ca­ria os es­for­ços pa­ra ser bem-su­ce­di­do nes­ta ta­re­fa”.

Na car­ta, di­ri­gi­da ao vi­ce-pre­si­den­te da CE, Val­dis Dom­brovs­kis, e ao co­mis­sá­rio Pi­er­re Mos­co­vi­ci, o Go­ver­no re­to­ma os ar­gu­men­tos po­lí­ti­cos con­tra a apli­ca­ção de san­ções, sa­li­en­tan­do que a Eu­ro­pa vi­ve “o pe­río­do mais de­sa­fi­an­te” des­de a sua cri­a­ção. O Go­ver­no fri­sa que uma even­tu­al mul­ta se­ria apli­ca­da a Por­tu­gal de­pois de um pro­gra­ma de ajus­ta­men­to que foi “re­pe­ti­da­men­te clas­si­fi­ca­do co­mo bem-su­ce­di­do”.

© REUTERS

“Im­por san­ções a um país que es­tá a im­ple­men­tar um ca­mi­nho exi­gen­te de re­du­ção do dé­fi­ce é des­pro­por­ci­o­na­do”, su­bli­nha o mi­nis­tro das Fi­nan­ças, Má­rio Cen­te­no.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.