Mon­da, um trio alen­te­ja­no que usa o can­te num en­so­pa­do al­ter­na­ti­vo

Mú­si­ca. As raí­zes alen­te­ja­nas de Jor­ge Ro­que, Pe­dro Za­ga­lo e Her­lan­der Me­di­nas, e as su­as li­ga­ções ao can­te, le­va­ram-nos a cri­ar os Mon­da, que lan­çam o dis­co ho­mó­ni­mo de es­treia.

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA - BRUNO MARTINS

Foi há cer­ca de dois anos que o trio ar­ran­cou com o pro­je­to. Os três mú­si­cos e, so­bre­tu­do, e em pri­mei­ro lu­gar, ami­gos, já ti­nham tra­ba­lha­do jun­tos no pro­je­to a so­lo de Jor­ge Ro­que, “Às Ve­zes”. “Fui o di­re­tor mu­si­cal e pi­a­nis­ta des­se dis­co e o Her­lan­der o con­tra­bai­xis­ta”, re­cor­da Pe­dro Za­ga­lo. Além do gos­to pe­la mú­si­ca, há ou­tro as­pe­to em co­mum nes­tes três ami­gos: são alen­te­ja­nos de ge­ma, ain­da que de di­fe­ren­tes zo­nas – Por­tel, Re­guen­gos e El­vas.

Tan­to Jor­ge Ro­que co­mo Her­lan­der Me­di­nas car­re­gam con­si­go as he­ran­ças do can­te alen­te­ja­no, pe­la li­ga­ção às mo­das di­tas pe­los Can­ta­res Re­gi­o­nais de Por­tel e Re­guen­gos, res­pe­ti­va­men­te. Os Mon­da nas­cem de to­do es­te en­so­pa­do cul­tu­ral que vem a acom­pa­nhar o trio. Fa­zem uma ho­me­na­gem às mo­das do can­te alen­te­ja­no, ain­da que le­van­do-as pa­ra ou­tras pla­ní­ci­es. “Mon­da”, além de ser o no­me do dis­co do gru­po, vem da pa­la­vra “mon­dar”, uma ex­pres­são alen­te­ja­na que sig­ni­fi­ca “ar­ran­car er­vas da­ni­nhas de uma plan­ta­ção ou de um jar­dim”. Mas o gru­po não quer des­bas­tar ou cor­ri­gir na­da. “O nos­so in­tui­to não é rein­ven­tar o can­te, até por­que não dei­xa­mos a ma­triz – o tex­to e a mú­si­ca, que são o es­sen­ci­al. Mas qui­se­mos dar ou­tra lin­gua­gem, pu­xá-lo pa­ra ou­tros ca­mi­nhos mu­si­cais, le­vá-lo pa­ra ou­tras fron­tei­ras”, sa­li­en­ta o vo­ca­lis­ta e gui­tar­ris­ta. “É atri­buir-lhe ou­tra es­té­ti­ca. O can­te é co­nhe­ci­do por ser mu­si­ca­do atra­vés de mui­tas vo­zes. Po­de ter uma vi­o­la cam­pa­ni­ça ou um acor­deão... o que fi­ze­mos foi tra­zer ou­tras so­no­ri­da­des, man­ten­do in­to­cá­veis as me­lo­di­as e tex­tos”, acres­cen­ta o pi­a­nis­ta.

Os po­e­mas, e a for­ma co­mo são en­to­a­dos, são os des­per­ta­do­res do ar­re­pio no can­te. “São mui­to sim­ples, mas, ao mes­mo tem­po, car­re­gam uma pro­fun­di­da­de em ter­mos da vi­vên­cia e sen­ti­do da vi­da”, ex­pli­ca Ro­que. São tex­tos que re­la­tam o tra­ba­lho no Alen­te­jo, a vi­da e tam­bém a mor­te, mas com­pos­tos por “pes­so­as com pou­ca ins­tru­ção, às ve­zes com pou­co vo­ca­bu­lá­rio, mas o que é cer­to é que de­pois ga­nham uma gran­de den­si­da­de”.

O dis­co vem com 12 fai­xas e con­ta ain­da com al­guns con­vi­da­dos, ca­sos da fa­dis­ta Ka­tia Gu­er­rei­ro, Rui Ve­lo­so e o gru­po de Can­ta­do­res de Por­tel.

DR

Os Mon­da são for­ma­dos por três mú­si­cos alen­te­ja­nos de ge­ma (da esq. pa­ra a dta.): Her­lan­der Me­di­nas, Jor­ge Ro­que e Pe­dro Za­ga­lo.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.