Eu­sé­bio ro­man­ce­a­do

O la­do mais hu­ma­no do “Pan­te­ra Ne­gra” em li­vro re­cen­te

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA - LUÍS CARMO

O que ofe­re­ce “Eu­sé­bio, O Ro­man­ce” de di­fe­ren­te pa­ra os lei­to­res, quan­do com­pa­ra­do com ou­tras obras já es­cri­tas so­bre a mes­ma pes­soa? Es­sas obras mos­tram um Eu­sé­bio mais fac­tu­al. São obras que es­tão mais pre­sas aos acon­te­ci­men­tos e a da­tas. “Eu­sé­bio, O Ro­man­ce” con­ser­va os ri­go­res das da­tas e dos acon­te­ci­men­tos, mas pro­cu­ra dar a co­nhe­cer um pou­co do Eu­sé­bio ho­mem, de ma­nei­ra a que o lei­tor, ao ler a obra, pos­sa sen­tir que es­tá ao seu la­do. Que pos­sa de al­gu­ma for­ma sen­tir que co­nhe­ceu Eu­sé­bio. Pen­so que is­to foi de tal for­ma con­se­gui­do que a fi­lha dis­se que sen­tiu que o pai es­ta­va ali, que era aqui­lo mes­mo. Por­tan­to, pen­so que con­se­gui os meus in­ten­tos: pôr uma pes­soa a sen­tir que co­nhe­cia o Eu­sé­bio além do jogador fan­tás­ti­co que era. Foi en­tão, pa­ra o lei­tor co­nhe­cer me­lhor Eu­sé­bio, que es­cre­veu que a al­cu­nha no seu bair­ro em Ma­fa­la­la, Ma­pu­to, era “ma­ga­ga”, que quer di­zer “su­per­só­ni­co”; que des­cre­veu a an­gús­tia que Eu­sé­bio sen­tiu quan­do jo­gou nos EUA, no União de To­mar ou Bei­ra-Mar, no fim da car­rei­ra; que re­cor­dou o Mun­di­al de 1966; ou a re­cu­sa de Eu­sé­bio em ir pa­ra o Spor­ting, pois era do Ben­fi­ca e mui­to mais. Foi es­sa a ideia, des­cre­ver as sen­sa­ções de Eu­sé­bio ao lon­go da vi­da? Quis trans­por­tar o lei­tor, fa­zê-lo sen­tir que fi­cou a co­nhe­cer um pou­co o Eu­sé­bio. Não é só uma cro­no­lo­gia, é mais hu­ma­no do que is­so. A ideia é fi­car­mos com al­gu­ma coi­sa de­le, ape­sar de a mai­or par­te dos lei­to­res, pro­va­vel­men­te, nun­ca o ter vis­to ao vi­vo. Qu­em já leu ou­tras obras de Eu­sé­bio fi­ca mais en­ri­que­ci­do ao ler es­ta? Com cer­te­za. Es­ta obra com­pi­la, tal­vez, mais da­dos, por­que al­gu­mas bi­bli­o­gra­fi­as vão de uma da­ta à ou­tra. Va­mos, por exem­plo, aos Es­ta­dos Uni­dos, que é aque­la par­te da car­rei­ra do Eu­sé­bio que é um pou­co mais es­que­ci­da, que é sem­pre fa­la­da de for­ma mais fu­gaz em ou­tras obras. Pen­so que nes­te li­vro te­mos uma vi­são do con­jun­to mais abran­gen­te e a par­te hu­ma­na da per­so­na­gem. Hou­ve al­gu­mas par­tes do li­vro que lhe deu mais in­te­res­se es­cre­ver? Eu­sé­bio em Lou­ren­ço Mar­ques, a sua che­ga­da a Lis­boa… Pen­so que não... gos­tei de tu­do de for­ma igual. O que me fas­ci­nou em Eu­sé­bio foi a sua ca­pa­ci­da­de de so­fri­men­to e, co­mo To­ni dis­se, is­so é uma das ca­ra­te­rís­ti­cas dos gran­des jo­ga­do­res. Is­so ago­ra na fi­nal do Eu­ro 2016 tam­bém foi vi­sí­vel com o Cris­ti­a­no Ro­nal­do: a sua ca­pa­ci­da­de de so­fri­men­to e ab­ne­ga­ção; o co­lo­car o bem-es­tar da equi­pa aci­ma do seu. E o Eu­sé­bio tam­bém era as­sim, com a sua ca­pa­ci­da­de de so­fri­men­to e a so­bre­car­ga de dor. Ele fez imen­sos jo­gos in­je­ta­do, por­que ti­nha for­ça de von­ta­de, por­que que­ria aju­dar a equi­pa... tu­do is­so me fas­ci­nou. Fo­ram es­sas par­tes que gos­tei de es­cre­ver e que aca­bam por ser trans­ver­sais no li­vro to­do. Co­mo sur­giu a ideia de es­cre­ver es­te li­vro? Não sei ex­pli­car quan­do se deu o cli­que. Sei que es­co­lho as mi­nhas per­so­na­gens – tem si­do as­sim com to­das elas, por te­rem fei­to al­go de ex­tra­or­di­ná­rio na sua vi­da. Foi as­sim no ca­so do Aris­ti­des de Sou­sa Men­des, com o seu ato he­roi­co de sal­var vi­das, que foi al­go pes­so­al e pro­fis­si­o­nal, uma vez que foi no de­sem­pe­nho das su­as fun­ções. A Amá­lia, com aque­la voz ex­tra­or­di­ná­ria... há sem­pre um to­do que me cha­ma à aten­ção e, den­tro dis­so, uma ca­ra­te­rís­ti­ca em par­ti­cu­lar. No ca­so do Eu­sé­bio, foi a ab­ne­ga­ção e a ca­pa­ci­da­de de so­fri­men­to. Co­mi­go é as­sim em to­dos os li­vros – não sei es­pe­ci­fi­car o mo­men­to cer­to em que de­ci­do es­cre­ver um li­vro, é al­go que acon­te­ce num da­do mo­men­to. É aí que de­ci­do que gos­ta­ria de es­cre­ver so­bre uma per­so­na­gem. No ca­so do Fer­nan­do Pes­soa, é al­go que já es­ta­va na ca­lha há al­gum tem­po e de­pois hou­ve uma al­tu­ra em que achei que era o mo­men­to cer­to pa­ra es­cre­ver. Que fe­ed­back es­tá a ter do li­vro? Ti­ve o fe­ed­back po­si­ti­vo da fi­lha, e do To­ni e do Si­mões, que me aju­da­ram com os seus tes­te­mu­nhos. No Fa­ce­bo­ok tam­bém há lei­to­res que, às ve­zes, me man­dam men­sa­gens de in­cen­ti­vo e sa­tis­fei­tos por sa­be­rem mais da vi­da do “King”. Coi­sas as­sim que gos­to de ler [ri­sos].

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.