“DE­BAI­XO DA LÍN­GUA”

Valter Hugo Mãe é o úl­ti­mo con­vi­da­do des­te ano

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA - RUI MI­GUEL ABREU

Co­nhe­cem-se inú­me­ros li­vros que de­ram can­ções, no teu ca­so, al­gu­ma vez acon­te­ceu uma can­ção ser­vir de pon­to de par­ti­da pa­ra um li­vro?

Es­cre­vo com ins­tru­men­tais de Ba­ch, as suí­tes pa­ra vi­o­lon­ce­lo já pa­re­cem sa­ber que an­do a es­pi­ar idei­as. Mas gran­de par­te da mi­nha es­co­la de miú­do foi res­pos­ta a can­ções, ou dis­cos in­tei­ros, que me ob­ce­ca­vam. Lem­bro-me de es­cre­ver po­e­mas pa­ra “The Ser­pent’s Egg”, dos De­ad Can Dan­ce, coi­sa que ve­ne­ra­va e com que jul­ga­va ex­pli­car a perfeição. E es­cre­vi mui­to pa­ra tra­du­zir a es­tra­nhe­za dos Cur­rent 93 ou da Di­a­man­da Ga­lás. Ho­je, si­go a de­pen­dên­cia mu­si­cal procurando en­ten­der o uni­ver­so mais com­ple­xo dos clás­si­cos. Ado­ra­ria tra­du­zir o que me pa­re­ce Ra­ch­ma­ni­nov ou os 40 se­gun­dos ini­ci­ais da be­lís­si­ma pri­mei­ra sin­fo­nia de Brahms. No ro­man­ce cha­ma­do “O fi­lho de mil ho­mens” uso co­mo epí­gra­fe um ver­so im­pres­si­o­nan­te da Baby Dee: “You can buy me for the price of a spar­row”. Um só ver­so faz des­ta mu­lher uma po­e­ta mag­ní­fi­ca. E de­pois, a sua voz e a tris­te­za in­fi­ni­ta do seu som ator­men­tam-me. É o que nos dis­tin­gue en­quan­to gen­te, sou mar­ca­do por es­té­ti­cas tris­tes e quan­do es­cre­vo pre­ci­so sem­pre de li­dar com a tris­te­za, co­mo se so­nhas­se cu­rá-la. A mú­si­ca con­de­na-me mui­to, por não pa­rar de re­no­var os mo­dos da tris­te­za. Na Qu­a­si lan­ças­te obras de Adri­a­na Cal­ca­nho­to, Adolfo Lu­xú­ria Ca­ni­bal e Ca­e­ta­no Ve­lo­so, tu­do gen­te com for­tes car­rei­ras mu­si­cais. Qu­em can­ta ou es­cre­ve pa­ra mú­si­ca faz li­vros di­fe­ren­tes? Faz li­vros di­fe­ren­tes que, de igual mo­do, po­dem ser li­te­ra­tu­ra. O Ca­e­ta­no Ve­lo­so, o Adolfo, co­mo o [Rui] Rei­ni­nho ou o [Sér­gio] Go­di­nho, são es­cri­to­res mo­ti­va­dos pe­lo pro­pó­si­to da mú­si­ca, mas são es­cri­to­res. Co­mo se as pa­la­vras lhes nas­ces­sem pe­la di­men­são me­ló­di­ca, mas ca­pa­zes de uma men­sa­gem pre­ci­o­sa e de uma va­li­da­de mui­to além do som. Sou mui­to fas­ci­na­do por es­sa ca­pa­ci­da­de de se fa­zer li­te­ra­tu­ra pa­ra mú­si­ca. Não dei­xa de ser a gran­de es­co­la dos li­bre­tos e dos po­e­mas que se trans­for­ma­ram em al­gu­mas das can­ções mais be­las e co­nhe­ci­das do mun­do. Pe­na que a cul­tu­ra pop te­nha per­di­do mui­to a no­ção de que a gran­de mú­si­ca não po­de ab­di­car do gran­de po­e­ma. A Nai­fa, por exem­plo, foi um pro­je­to que lu­tou con­tra a fa­ci­li­ta­ção de­ma­si­a­da. Con­se­gui­ram can­ções que são mo­nu­men­tos da nos­sa cul­tu­ra, com po­e­mas de al­guns dos nos­sos me­lho­res po­e­tas atu­ais. Ao me­nos, com al­guns dos po­e­tas mais per­ti­nen­tes. Em algum mo­men­to, pas­sei a ter dis­cos co­mo obras li­te­rá­ri­as. O Faus­to, se dei­xar­mos de ou­vir, po­de ser mu­da­do pa­ra a bi­bli­o­te­ca e ali fi­ca­rá mui­to bem. Os dis­cos de­le são li­vros qua­dra­dos. São ri­go­ro­sos li­vros qua­dra­dos.

SÉR­GIO LE­MOS

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.