“Di­vir­to-me a cri­ar per­so­na­gens que re­ve­lam es­tu­pi­dez”

An­na Ken­drick é uma das es­tre­las do fil­me “Mu­lhe­res Pro­cu­ram-se pa­ra ir a Ca­sa­men­to” que es­tre­ou-se on­tem nos ci­ne­mas. Fa­lá­mos com a atriz que nos con­ta tu­do, até as bo­as his­tó­ri­as que pas­sou com Zac Efron na ro­da­gem da co­mé­dia.

Metro Portugal (Lisbon) - - BEM-ESTAR - JOHN-MIGUEL SACRAMENTO

Miss An­na Ken­drick tal­vez não apre­sen­te à pla­teia aque­le ror de bri­lha­re­tes que ge­ral­men­te as­so­ci­a­mos às es­tre­las fais­can­tes e en­deu­sa­das de Hollywood. Des­de lo­go, não é lou­ra. Não é só a na­mo­ra­da la­te­ral da his­tó­ria. Não in­ves­tiu so­bre­tu­do na pro­fun­di­da­de do de­co­te. Não se fi­cou pe­los apar­tes hu­mo­rís­ti­cos, co­mo se­ria vul­gar ver nu­ma qual­quer pe­que­ni­ta im­pa­rá­vel com bo­ca de me­tra­lha­do­ra. Não es­tá ali pa­ra agra­dar. E, co­mo se tu­do is­to jun­to não fos­se já pe­na­li­za­ção e cruz su­fi­ci­en­te, An­na re­cu­sou-se a acei­tar que a in­dús­tria lhe mos­tras­se o lu­gar su­bal­ter­no a pre­en­cher. Pe­lo con­trá­rio, pre­fe­riu ir pro­du­zir aqui­lo que nos fal­ta­va. Ho­je é de­la o cor­po mais vi­sí­vel e dís­par da mo­ça in­te­li­gen­te, tan­gí­vel, po­de­ro­sa, mul­ti­ta­len­to­sa, de­pri­mi­da, sar­cás­ti­ca, hi­pe­ra­ti­va, ro­mân­ti­ca, tu­do aqui­lo que qual­quer me­ni­na é ao no­tar que vi­ve num mun­do con­fran­ge­do­ra­men­te mais li­mi­ta­do. Miss Ken­drick ir­rom­peu pa­ra o aplau­so ge­ral quan­do, des­te­mi­da e rou­ban­do as ce­nas a Ge­or­ge Clo­o­ney em “Up in the Air”, mos­trou aço e fra­gi­li­da­de no co­ra­ção de uma ama­zo­na dos ne­gó­ci­os per­di­da en­tre es­pa­ços cin­zen­tos. De­pois, com es­se ca­pi­tal de no­to­ri­e­da­de, foi con­ta­bi­li­zar lu­cros fiá­veis ao er­guer um fran­chi­se de co­mé­dia so­bre as aven­tu­ras de um gru­po co­ral. Ago­ra, apa­re­ce ao la­do de Zac Efron a de­sa­fi­ar as re­gras de de­co­ro fe­mi­ni­no nu­ma co­mé­dia per­ti­nen­te so­bre du­as opor­tu­nis­tas, dois me­ni­nos mi­ma­dos e vá­ri­os de­sas­tres nu­ma era de na­mo­ros ins­tan­tâ­ne­os. Con­si­de­ra ser o ti­po de mo­ça que pre­za, aci­ma de mais na­da, um am­bi­en­te de fes­ta des­con­tro­la­da? Não. Acho que não sou uma pes­soa que se ati­ra de olhos fe­cha­dos pa­ra as eu­fo­ri­as rui­do­sas e des­re­gra­das pró­pri­as des­sas fes­tas. De­vo acres­cen­tar, con­tu­do, que quan­do fiz es­te fil­me su­cum­bi a uma cer­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.