Ci­ta­ção

Metro Portugal (Lisbon) - - CINEMA -

“Nun­ca me pas­sa­ria pe­la ca­be­ça sal­tar de um ro­che­do pa­ra um la­go de cas­ca­ta. Mas co­mo o Zac é des­te­mi­do e ado­rá­vel e não tem me­do de mor­rer, sal­tou e, cla­ro, ti­ve que ir atrás pa­ra não ser des­man­cha-pra­ze­res” do­se de pres­são in­ter­pa­res e dei co­mi­go em si­tu­a­ções des­ca­be­la­das. Há al­guém que a se­du­za pa­ra lá dos li­mi­tes? O Zac Efron. É tão que­ri­do e boa pes­soa, mas, con­fes­so, na ro­da­gem des­ta his­tó­ria, a in­fluên­cia de­le foi al­go ne­fas­ta. Nun­ca me pas­sa­ria pe­la ca­be­ça sal­tar de um ro­che­do pa­ra um la­go de cas­ca­ta. Mas co­mo o Zac é des­te­mi­do e ado­rá­vel e não tem me­do de mor­rer, sal­tou e, cla­ro, ti­ve que ir atrás pa­ra não ser des­man­cha-pra­ze­res. Sim, hou­ve coi­sas aven­tu­rei­ras que fiz, mas que fo­ram exi­gên­ci­as do mo­men­to. Ago­ra que­ro sa­ber que gé­ne­ro de ro­man­tis­mo pre­fe­re: qual é o lu­gar ide­al pa­ra uma fes­ta de ca­sa­men­to? Há ge­o­gra­fi­as que es­tão mais car­re­ga­das de sig­ni­fi­ca­do que ou­tras? Não ve­jo qual é o pro­ble­ma em fes­te­jar um ca­sa­men­to no pá­tio que fi­ca nas tra­sei­ras da ca­sa. A úni­ca coi­sa que pos­so di­zer é que um ca­sa­men­to de­ve ser vis­to co­mo um dia mui­tís­si­mo es­pe­ci­al. Há ali al­go de pre­ci­o­so que de­ve ser ce­le­bra­do e guar­da­do pa­ra sem­pre. Faz sen­ti­do que as pes­so­as se vis­tam a pre­cei­to. E que te­nham em tor­no de­las os ami­gos mais que­ri­dos. Qu­an­to aos gran­des ca­sa­men­tos que le­vam uma co­mi­ti­va de ami­gos e fa­mi­li­a­res pa­ra um des­ti­no exó­ti­co, bom, is­so acho que nun­ca fa­ria nem que me pa­gas­sem uma for­tu­na. Co­mo sem­pre, gos­tei de ver que a sua per­so­na­gem es­con­de uma ci­ca­triz no meio da­que­la for­ça fí­si­ca im­pa­rá­vel. A mo­ça dan­ça mui­to bem, mas há uma dor que a ma­ta por den­tro, ou não? Sim, é ver­da­de que ela não avan­ça pe­la vi­da da for­ma mais in­te­li­gen­te. Na ver­da­de, ge­ral­men­te di­vir­to-me imen­so a cri­ar per­so­na­gens que re­ve­lam um cer­to ní­vel de es­tu­pi­dez. Re­su­min­do: ado­ro-a, mas acho que ela de­ve­ria pa­rar pa­ra re­fle­tir an­tes de se me­ter nal­gu­mas si­tu­a­ções po­ten­ci­al­men­te de­sas­tro­sas. Nun­ca per­ce­bo qual a mo­ti­va­ção por trás de tan­tas de­ci­sões des­mi­o­la­das. Se­ja co­mo for, a ideia era que ela, sem se aper­ce­ber re­al­men­te do que faz, es­tra­gas­se to­da a be­le­za da oca­sião e do lu­gar. Ado­rei o fac­to de ela, ape­sar das bo­as in­ten­ções, es­tra­gar tu­do por­que es­tá de­ma­si­a­do da­ni­fi- ca­da co­mo pes­soa. Aca­ba por ser ela a pro­vo­car o com­por­ta­men­to de­le. O Zac faz de me­ni­no do­ce e sem mal­da­de. O ra­paz bem se es­for­ça por acom­pa­nhar a pe­da­la­da. Mas não con­se­gue. É o ti­po de pes­soa que se dei­xa in­flu­en­ci­ar pe­los ou­tros, so­bre­tu­do quan­do um am­bi­en­te di­ver­ti­do se ma­te­ri­a­li­za à sua vol­ta? Nem por is­so, até por­que sou bas­tan­te tei­mo­sa – o que me dei­xa ain­da mais ató­ni­ta, quan­do pen­so que o Zac me le­vou a dar sal­tos de mer­gu­lho a par­tir de al­tu­ras de­mo­nía­cas. Na es­co­la, quan­do era pe­que­na, acho que con­se­gui evi­tar si­tu­a­ções de pres­são exer­ci­da pe­los co­le­gas por­que o meu ir­mão mais ve­lho es­ta­va sem­pre pre­sen­te e avi­sa­va to­da a gen­te que eu era in­to­cá­vel. E, mais tar­de, quan­do co­me­çou a po­der sair até al­tas ho­ras da noi­te? Quan­do vim vi­ver pa­ra Los An­ge­les, ti­ve co­mo vi­zi­nhas três dan­ça­ri­nas exó­ti­cas. Ain­da hou­ve um par de anos em que eu saía com elas e fi­ca­va num can­ti­nho a vê-las dan­çar. Ape­nas um ra­ti­nho de olhos es­bu­ga­lha­dos a ten­tar per­ce­ber co­mo é que os ou­tros se di­ver­ti­am. Acha gra­ça aos na­mo­ros que se es­ta­be­le­cem nas re­des so­ci­ais e web­si­tes de en­con­tros fur­ti­vos? O meu aplau­so vai in­tei­ri­nho pa­ra quem se aven­tu­ra por ca­mi­nhos tão mis­te­ri­o­sos e trai­ço­ei­ros. A meu ver, tal es­tra­té­gia não pas­sa de uma ar­ma­di­lha mor­tal. Cus­ta-me acre­di­tar que es­se mo­de­lo de so­ci­a­li­za­ção não re­sul­te em vá­ri­os anos de acom­pa­nha­men­to psi­quiá­tri­co. Nem ima­gi­no a quan­ti­da­de de gen­te lou­ca que po­voa es­sas pla­ta­for­mas so­ci­ais. Da mes­ma for­ma, não ima­gi­no co­mo é que iria li­dar com a tor­ren­te de re­jei­ção que nos é ati­ra­da à ca­ra quan­do ten­ta­mos co­nhe­cer es­tra­nhos ao aca­so. Te­ria imen­sa di­fi­cul­da­de em man­ter-me men­tal­men­te es­tá­vel. No en­tan­to, pa­re­ce ser es­sa a es­co­lha fei­ta pe­las no­vas ge­ra­ções. Ati­ram-se de fren­te pa­ra os en­con­tros e na­mo­ros mais im­pro­vá­veis. Num ce­ná­rio se­me­lhan­te, só pen­so nu­ma coi­sa: es­ta noi­te não vai aca­bar sem que eu apa­re­ça cor­ta­da às pos­tas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.