“Sem­pre ti­ve me­do de tu­ba­rões. Ti­ve de con­quis­tar es­se me­do”

7ª ar­te. Bla­ke Li­vely ati­ra-se aos tu­ba­rões. Na ver­da­de é ape­nas um, mas da­que­les com que nin­guém se quer de­pa­rar. Em “Águas Pe­ri­go­sas”, in­ter­pre­ta o pa­pel de uma sur­fis­ta ata­ca­da por um tu­ba­rão bran­co, fi­can­do pre­sa num ro­che­do...

Metro Portugal (Lisbon) - - TOP 5 - JOHN-MI­GUEL SACRAMENTO

Ou­ro, in­cen­so e mir­ra dei­xam-se no ves­tí­bu­lo. Se pos­sí­vel, não in­co­mo­dem. Pre­sen­te­men­te Bla­ke es­tá ocu­pa­da. E re­ti­ra­da das mul­ti­dões. Dei­xem a deu­sa re­pou­sar, por amor à di­nas­tia per­pé­tua das loi­ras de Hollywo­od. A mãe pe­de pri­va­ci­da­de, mas, se que­rem sa­ber, aca­bou de dar à luz. Ou­tra vez. O pai das cri­an­ças, o dis­tin­to Ryan Rey­nolds da pro­vín­cia bri­tâ­ni­ca do Ca­na­dá, tam­bém es­tá fe­liz, doi­do que an­da a fa­zer de rei de ma­ti­né. Obri­ga­do pe­la com­pre­en­são. O re­pou­so de am­bos aju­da­rá na pro­pa­ga­ção da es­pé­cie. Bla­ke, co­mo sa­bem, co­me­çou ce­do a mol­dar-se ao dra­ma­tis­mo ex­pres­si­vo. Tra­ba­lhou com Re­bec­ca Mil­ler e Ro­bin Wright. Oli­ver Sto­ne fez de­la ga­to-sa­pa­to. Em “Gos­sip Girl”, por exem­plo, não se coi­biu quan­do te­ve de se apre­sen­tar co­mo lâ­mi­na agu­ça­da em Ma­nhat­tan, ex­pon­do o de­bo­che mo­ral que mo­ra nas ave­ni­das mais in­to­cá­veis. É uma ar­tis­ta ver­da­dei­ra, dis­pos­ta a ser­vir o ci­ne­ma nas su­as mui­tas lin­gua­gens, ver­go­nhas e re­a­li­da­des. Nos in­ter­va­los e ha­ven­do tem­po, em­pres­ta a tal au­ra de loi­ra fa­bu­lo­sa e de­vi­da­men­te mis­te­ri­o­sa às cam­pa­nhas pu­bli­ci­tá­ri­as da L’Oréal ou da Guc­ci. Se hou­ver ta­pe­te de lu­zes por trás, a ten­ta­ção do seu om­bro des­nu­do e ju­ba dou­ra­da es­tão lá. Es­ta se­ma­na Bla­ke apa­re­ce de bi­ki­ni, ou­tro ade­re­ço clás­si­co dos di­as es­cal­dan­tes tem­pe­ra­dos com praia pra­zen­tei­ra, san­gue jo­vem e man­dí­bu­la de tu­ba­rão. A Bla­ke não exis­tia ain­da nos anos 70, quan­do um tal de Ste­ven Spi­el­berg tin­giu o ve­rão pa­ra sem­pre com um sim­ples vul­to de bar­ba­ta­na e umas quan­tas gol­fa­das de san­gue. Que re­la­ção tem com al­gu­ma da fau­na mais te­mi­da dos oce­a­nos? Pa­ra lhe di­zer a ver­da­de, a mi­nha re­la­ção com tu­ba­rões é bas­tan­te nor­mal. Qua­tro anos an­tes de fa­zer es­te fil­me já eu an­da­va a fa­zer ex­pe­di­ções de mer­gu­lho em pro­fun­di­da­de que in­cluíam uma cer­ta con­vi­vên­cia com o ti­po de tu­ba­rão gi­gan­te que cau­sa tan­to me­do em to­do o la­do. Não ha­via ou­tra ma­nei­ra de li­dar com a si­tu­a­ção. Da­do que sem­pre ti­ve um me­do ater­ra­dor de tu­ba­rões, ti­ve mes­mo de con­quis­tar es­se me­do. Fui ter com eles, fui con­vi­ver com eles. Qual foi a sua pri­mei­ra cons­ta­ta­ção, quan­do che­gou ao ha­bi­tat des­sas fe­ras si­len­ci­o­sas? Quan­do uma pes­soa se fa­mi­li­a­ri­za com eles, pas­san­do al­gum tem­po em con­jun­to nas áre­as que eles ha­bi­tam, pa­re­cem mais gol­fi­nhos gi­gan­tes. Dei­xa­mos de os ver co­mo pre­da­do­res. Não há ban­da

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.