Ci­ta­ção

Metro Portugal (Lisbon) - - CINEMA -

“Le­van­do em con­ta que os tu­ba­rões es­tão qua­se ex­tin­tos, só pen­sei: ‘Es­pe­ro que es­te fil­me não de­sen­ca­deie uma no­va on­da de ódio que te­nha im­pac­to ne­ga­ti­vo no nú­me­ro de tu­ba­rões que ain­da exis­tem’.” so­no­ra do John Wil­li­ams por trás. Não há con­tex­to in­qui­e­tan­te ou mes­mo te­ne­bro­so. O que ob­ser­vei foi uma sé­rie de cri­a­tu­ras pa­ca­tas na­dan­do de um la­do pa­ra o ou­tro, lon­ge de qual­quer nar­ra­ti­va. Só fi­quei com um res­pei­to imen­so por aque­la fau­na. Qual foi o seu mai­or re­ceio quan­do co­me­ça­ram as fil­ma­gens? Le­van­do em con­ta que os tu­ba­rões es­tão qua­se ex­tin­tos por­que a ca­ça que se lhes faz é ab­so­lu­ta­men­te im­pa­rá­vel, só pen­sei: “Bo­las, es­pe­ro que es­te fil­me não de­sen­ca­deie uma no­va on­da de ódio que te­nha im­pac­to ne­ga­ti­vo no nú­me­ro de tu­ba­rões que ain­da exis­tem”. Se­ja co­mo for, do nos­so pon­to de vis­ta a ideia era só a de re­cor­rer a uma das fi­gu­ras clás­si­cas do ci­ne­ma. Pa­ra mim, a né­me­sis des­te fil­me era uma es­pé­cie de Ron Je­remy da fau­na ma­ri­nha. Enor­me, qua­se uma ba­leia. Nem se­quer sei on­de é que os pro­du­to­res fo­ram de­sen­can­tar um exem­plar tão gran­de. Quais fo­ram os obs­tá­cu­los mais di­fí­ceis no tra­ba­lho re­pe­ti­ti­vo e exaus­ti­vo de to­dos os di­as? E quais fo­ram as gran­des li­ber­da­des e de­lí­ci­as? Co­mo atriz, a par­te me­lhor é sa­ber que vai de­pen­der de mim to­da uma his­tó­ria de iso­la­men­to e so­bre­vi­vên­cia. Sou, du­ran­te cer­ca de 95% do fil­me, a úni­ca pes­soa no ecrã. Lo­go aí ha­ve­ria uma enor­me di­fi­cul­da­de de re­la­ci­o­na­men­to, jul­ga­va eu, por­que a ener­gia de uma com­po­si­ção dra­má­ti­ca flui qua­se sem­pre de pes­soa pa­ra pes­soa, da con­ver­sa, do re­la­ci­o­na­men­to so­ci­al. Ge­ral­men­te, os meus co­le­gas de ecrã são co­mo que co­re­a­li­za­do­res. Aju­dam imen­so a ge­rir a ce­na. Des­ta vez não ha­via mais nin­guém. Não ti­nha qua­se na­da a que me agar­rar. Mes­mo o ce­ná­rio ge­ral era im­pen­sá­vel, uma vez que nun­ca dei co­mi­go en­ta­la­da nu­ma si­tu­a­ção de vi­da ou mor­te. Sen­ti-me obri­ga­da a ir bus­car tu­do à mi­nha ima­gi­na­ção. Foi di­fí­cil. Fe­liz­men­te, a da­do mo­men­to par­ti­lho o ecrã com uma gai­vo­ta. Só a ti­nha a ela, mais na­da. Vai ter de me con­tar, igual­men­te, al­gu­mas pe­ri­pé­ci­as na ar­te de ser mãe. Co­mo foi des­ta vez? Acho que uma se­gun­da gra­vi­dez é sem­pre mais fá­cil. Já sa­bia no que es­ta­va me­ti­da. Mas de­vo con­fes­sar que as ron­das de im­pren­sa pa­re­cem-me mais ár­du­as, se ca­lhar por­que só en­tão sou obri­ga­da a fe­char uns quan­tos fe­chos-éclair. Te­nho imen­sa sor­te em le­var a vi­da que le­vo. É per­fei­ta­men­te pos­sí­vel in­te­grar ma­ter­ni­da­de com pro­fis­são. Pa­ra o “Ca­fé So­ci­ety”, do Wo­ody Al­len, pu­de ter a cri­an­ça ali mes­mo co­mi­go, no camarim. Con­fes­se: es­tá sem­pre a pe­dir aos seus pais que fi­quem com as cri­an­ças, só por uma tar­de ou mes­mo du­ran­te umas fé­ri­as que aca­bam por se re­ve­lar in­ter­mi­ná­veis? Eu é que es­tou sem­pre a fi­car com os meus pais e a cui­dar de­les! Não, ago­ra a sé­rio: sin­to-me cheia de sor­te por po­der con­tar com uma fa­mí­lia enor­me, de raí­zes no sul tra­di­ci­o­nal, cheia de pais e pri­mos e fi­lhos e ti­os. Há di­as ti­ve lá em ca­sa vin­te e du­as pes­so­as. Tu­do ao mon­te, a dor­mir nos so­fás, ca­mas jun­tas. Is­so eu gos­to de ver. Ado­ro es­se ca­os. Mem­bros da fa­mí­lia, fi­lhos, o meu ma­ri­do, a mi­nha mãe, os meus pri­mos, to­dos jun­tos. Os meus me­lho­res ami­gos. Ter fi­lhos é ape­nas mais um pas­so no qual a fa­mí­lia fi­ca ain­da mais cheia de ami­gos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.