MA­NU­E­LA CI­DA­DE

OftalPro - - SUMÁRIO -

Ma­nu­e­la Ci­da­de tem um per­cur­so de apro­xi­ma­da­men­te 30 anos li­ga­do à Of­tal­mo­lo­gia. Pas­sou pe­lo Cen­tro Hos­pi­ta­lar de Se­tú­bal, pe­lo Hos­pi­tal de São Jo­sé e pe­lo Hos­pi­tal Gar­cia de Or­ta. To­da a sua car­rei­ra se di­vi­diu en­tre o ser­vi­ço pú­bli­co e o pri­va­do, aca­ban­do ho­je por abra­çar ape­nas a ati­vi­da­de da ALM-Of­tal­mo­la­ser, clí­ni­ca que aju­dou a cri­ar e di­ri­ge em con­jun­to com ou­tros co­le­gas of­tal­mo­lo­gis­tas.

Ma­nu­e­la Ci­da­de tem um per­cur­so de apro­xi­ma­da­men­te 30 anos li­ga­do à Of­tal­mo­lo­gia. Pas­sou pe­lo Cen­tro Hos­pi­ta­lar de Se­tú­bal, pe­lo Hos­pi­tal de São Jo­sé e pe­lo Hos­pi­tal Gar­cia de Or­ta. To­da a sua car­rei­ra se di­vi­diu en­tre o ser­vi­ço pú­bli­co e o pri­va­do, aca­ban­do ho­je por abra­çar ape­nas a ati­vi­da­de da ALM-Of­tal­mo­la­ser, clí­ni­ca que aju­dou a cri­ar e di­ri­ge em con­jun­to com ou­tros co­le­gas of­tal­mo­lo­gis­tas. É apai­xo­na­da pe­la área da ci­rur­gia da cór­nea e fi­ca sin­ce­ra­men­te fe­liz por po­der mu­dar a vi­da a tan­tas pes­so­as.

Of­talP­ro: Con­te-nos a sua his­tó­ria, des­de que começou a de­di­car-se à Of­tal­mo­lo­gia.

Ma­nu­e­la Ci­da­de: Re­su­mir 20 e tal anos de vi­da e de tra­ba­lho não é fá­cil. Ini­ci­ei-me em Of­tal­mo­lo­gia no Hos­pi­tal de São Jo­sé (HSJ), que fa­zia par­te dos Hos­pi­tais Ci­vis de Lis­boa (ho­je Cen­tro Hos­pi­ta­lar de Lis­boa Cen­tral). Ti­ve co­mo pri­mei­ros mes­tres o dou­tor Ven­drell e a dou­to­ra Lu­cí­lia Lo­pes. Fo­ram eles que me ini­ci­a­ram nes­ta es­pe­ci­a­li­da­de. Po­rém, qu­an­do es­tes mé­di­cos saí­ram do São Jo­sé e fo­ram pa­ra o Hos­pi­tal dos Ca­pu­chos, pas­sei a per­ten­cer à equi­pa do dou­tor Pedro Abran­tes. Pos­so di­zer que fo­ram es­tas as pes­so­as que mais me in­flu­en­ci­a­ram no co­me­ço da mi­nha car­rei­ra. Co­mo es­ta­vam to­dos mais li­ga­dos à re­ti­na, de­di­quei-me tam­bém nu­ma pri­mei­ra fa­se a es­ta área. No HSJ, fui pro­gre­din­do na car­rei­ra, ten­do che­ga­do a che­fi­ar al­gu­mas con­sul­tas do Ser­vi­ço, no­me­a­da­men­te a de re­ti­na mé­di­ca e a de di­a­be­tes ocu­lar e má­cu­la, as­sim co­mo a sec­ção de LA­SER. A de­ter­mi­na­da al­tu­ra, aper­ce­bi-me de que não gos­ta­va da ci­rur­gia de re­ti­na e pas­sei as mi­nhas aten­ções pa­ra a área da cór­nea e, con­se­quen­te­men­te, pa­ra a ci­rur­gia re­fra­ti­va. Mais tar­de, vi­ria tam­bém a che­fi­ar a con­sul­ta de cór­nea. Atin­gi o grau de che­fe de ser­vi­ço no Hos­pi­tal de São Jo­sé.

OF: E porquê a cór­nea?

MC: Em ter­mos de ci­rur­gia, é uma área mui­to bo­ni­ta. Ao con­trá­rio da ci­rur­gia da re­ti­na que fa­zía­mos na al­tu­ra, na cór­nea vía­mos aqui­lo que es­tá­va­mos a fa­zer. Era um tra­ba­lho mui­to in­te­res­san­te e ne­ces­sá­rio. Além dis­so, é mui­to gra­ti­fi­can­te! Com os trans­plan­tes cor­ne­a­nos, con­se­gui­mos aju­dar os do­en­tes a vol­tar a ver ou, no ca­so dos al­tos mío­pes, a ver bem sem ócu­los. O Es­ta­do e as se­gu­ra­do­ras acha­vam que eram pro­ble­mas me­ra­men­te es­té­ti­cos, mas não são. Há dra­mas pes­so­ais li­ga­dos a es­tes do­en­tes. É, por is­so, um uni­ver­so sim­pá­ti­co, on­de gos­to de es­tar in­se­ri­da. Sin­to que con­si­go, de al­gum mo­do, mo­di­fi­car o dia a dia de mui­tas pes­so­as, dar-lhes mais qua­li­da­de de vi­da e, so­bre­tu­do, mais ale­gria.

OF: Faz par­te do con­se­lho de ad­mi­nis­tra­ção da ALM-Of­tal­mo­la­ser. Co­mo sur­giu es­ta clí­ni­ca?

MC: A clí­ni­ca sur­giu pe­las mãos de um gru­po de of­tal­mo­lo­gis­tas que re­sol­veu unir-se pa­ra mon­tar um es­pa­ço de ci­rur­gia re­fra­ti­va com LA­SER - a Of­tal­mo­la­ser. Ins­ta­lá­mo-nos num es­pa­ço pe­que­no, na Ave­ni­da da Li­ber­da­de, em Lis­boa. No en­tan­to, co­me­çá­mos a sen­tir ne­ces­si­da­de de dar uma res­pos­ta mais com­ple­ta aos do­en­tes. Só fa­zía­mos ci­rur­gia re­fra­ti­va, uma si­tu­a­ção que mu­dou, pois os pa­ci­en­tes pe­di­am-nos pa­ra atu­ar­mos nou­tros cam­pos. De­ci­di­mos en­tão avan­çar pa­ra um es­pa­ço mai­or, mas sem­pre con­dig­no, vi­ra­do es­sen­ci­al­men­te pa­ra a qua­li­da­de, em que o of­tal­mo­lo­gis­ta ti­ves­se uma pa­la­vra e não es­ti­ves­se tão de­pen­den­te de ad­mi­nis­tra­do­res. Is­to por­que, nes­sa épo­ca, exis­tia uma ou­tra ma­nei­ra de fun­ci­o­nar, ha­via um cer­to afas­ta­men­to en­tre as “cú­pu­las” dos di­ver­sos hos­pi­tais e o qua­dro clí­ni­co. Nós que­ría­mos ge­rir a nos­sa pró­pria ati­vi­da­de. Pen­sar no of­tal­mo­lo­gis­ta e, so­bre­tu­do, no do­en­te. Que­ría­mos um es­pa­ço de qua­li­da­de, on­de nos sen­tis­se­mos bem, e que com­ple­men­tas­se a nos­sa va­lên­cia hos­pi­ta­lar (na al­tu­ra, es­tá­va­mos to­dos a tra­ba­lhar tam­bém nos hos­pi­tais). Em 2003 foi cri­a­da a ALM e o es­pa­ço atu­al. Em 2012, e fa­ce ao cres­ci­men­to que ví­nha­mos a ter, inau­gu­rá­mos no­vas ins­ta­la­ções da ALM-Of­tal­mo­la­ser em Al­ma­da, na Mar­gem Sul.

OF: Em Al­ma­da, foi di­re­to­ra do Ser­vi­ço de Of­tal­mo­lo­gia do Hos­pi­tal Gar­cia de Or­ta. Que me­di­das im­ple­men­tou du­ran­te o seu “man­da­to”, en­tre 2003 e 2010?

MC: Nas­ci e cres­ci na­que­la zo­na. Era tris­te ob­ser­var que o Ser­vi­ço de Of­tal­mo­lo­gia da­que­la uni­da­de hos­pi­ta­lar es­ta­va nu­ma fa­se me­nos boa... os fun­ci­o­ná­ri­os tra­ba­lha­vam com al­gum de­sa­len­to e o pró­prio hos­pi­tal já não acre­di­ta­va mui­to na­que­le Ser­vi­ço.

Aliás, o Ser­vi­ço che­gou mes­mo a es­tar sem di­re­tor du­ran­te al­gum tem­po. A mi­nha en­tra­da ser­viu pa­ra lhe dar uma lu­fa­da de ar fres­co, ten­tar mo­di­fi­car um pou­co o fun­ci­o­na­men­to do Ser­vi­ço e tor­nar a pô-lo na agen­da dos ser­vi­ços mais di­nâ­mi­cos do país. Foi di­fí­cil, ob­vi­a­men­te, por­que o qua­dro era exí­guo pa­ra as ne­ces­si­da­des da­que­la zo­na (cin­co of­tal­mo­lo­gis­tas e dois or­top­tis­tas pa­ra cer­ca de 400 mil ha­bi­tan­tes). Foi uma ba­ta­lha du­ra, mas ti­ve a sor­te de con­se­guir que as pes­so­as ade­ris­sem. Da par­te da di­re­ção do hos­pi­tal, cla­ro que não me de­ram de ime­di­a­to o que eu pre­ci­sa­va e qu­e­ria, mas as coi­sas fo­ram an­dan­do a pou­co e pou­co e con­se­gui­mos re­al­men­te dar uma no­va es­tru­tu­ra ao Ser­vi­ço, mo­der­ni­zá-lo. Pos­te­ri­or­men­te, fo­ram fei­tas obras, in­tro­du­ziu-se a va­lên­cia de ci­rur­gia de am­bu­la­tó­rio e deu-se uma di­nâ­mi­ca di­fe­ren­te ao Ser­vi­ço. Es­te pro­ces­so de­cor­reu si­mul­ta­ne­a­men­te à cer­ti­fi­ca­ção do hos­pi­tal e con­se­gui­mos, num tem­po re­cor­de, pas­sar nas vá­ri­as ava­li­a­ções de uma ma­nei­ra po­si­ti­va. To­das as pes­so­as de­ram mui­to de si. A mai­or par­te con­ti­nua por lá e a fa­zer com que o Ser­vi­ço vá pa­ra a fren­te e con­ti­nue a pro­gre­dir. Fi­co mui­to sa­tis­fei­ta! Uma das co­si­as que con­se­gui foi que o Ser­vi­ço ti­ves­se ido­nei­da­de pa­ra a for­ma­ção, ou se­ja, pa­ra en­si­nar Of­tal­mo­lo­gia, pa­ra ter­mos in­ter­nos. Des­de es­sa al­tu­ra, têm en­tra­do mui­tos co­le­gas, de gran­de qua­li­da­de, que aca­bam por fa­zer a sua es­pe­ci­a­li­za­ção e por fi­car a tra­ba­lhar lá. Atu­al­men­te, o Ser­vi­ço tem cer­ca do do­bro de es­pe­ci­a­lis­tas a tra­ba­lhar. A res­pos­ta à po­pu­la­ção é com­ple­ta­men­te di­fe­ren­te.

OF: Que men­sa­gem gos­ta­ria de dei­xar aos nos­sos lei­to­res?

MC: Os meus co­le­gas, es­pe­ci­al­men­te os que tra­ba-

lham no Ser­vi­ço Na­ci­o­nal de Saú­de, es­tão nu­ma fa­se com­pli­ca­da. A aus­te­ri­da­de bate às portas to­das e os mais no­vos são quem mais so­fre com ela. Nós, os mais ve­lhos, es­ta­mos ali­vi­a­dos, pe­lo me­nos nes­se as­pe­to. Há pro­ble­mas que não sen­ti­mos. É cer­to que ti­ve­mos ou­tros que os mais no­vos ago­ra não têm. De qual­quer mo­do, a es­pe­ran­ça é mui­to im­por­tan­te e as pes­so­as têm que pen­sar que, ape­sar de nem tu­do ser fá­cil, as coi­sas hão-de me­lho­rar. Atu­al­men­te, as ad­mi­nis­tra­ções (dos hos­pi­tais e não só) es­tão mui­to vi­ra­das pa­ra os nú­me­ros, sem olha­rem pa­ra a qua­li­da­de do tra­ba­lho e as con­di­ções dos of­tal­mo­lo­gis­tas. No fun­do, que­rem pro­du­ção a bai­xo cus­to. E a po­si­ção do of­tal­mo­lo­gis­ta é pre­ci­sa­men­te a con­trá­ria: dar qua­li­da­de, in­de­pen­den­te­men­te do cus­to. Is­to cria aqui um con­fli­to de in­te­res­ses. Os mais no­vos têm que ten­tar pro­du­zir, mas com qua­li­da­de. Têm que acre­di­tar que is­so é pos­sí­vel e que têm for­ça su­fi­ci­en­te pa­ra fa­zer com que as ad­mi­nis­tra­ções per­ce­bam que não se po­de ir só por um ca­mi­nho mí­ni­mo. E, tam­bém, pa­ra que per­ce­bam que os mé­di­cos não são má­qui­nas e que pre­ci­sam de ter con­di­ções pa­ra fun­ci­o­nar. Têm um gran­de pa­pel nes­te sen­ti­do, mas têm que ter es­pe­ran­ça e sen­tir que vão con­se­guir ven­cer nes­ta ta­re­fa.

OF: O que a mo­ve, na vi­da e na pro­fis­são?

MC: Nun­ca fui uma pes­soa com mui­tas am­bi­ções ou ob­je­ti­vos mar­ca­dos. Vou res­pon­den­do às si­tu­a­ções à me­di­da que elas se vão apre­sen­tan­do. Cos­tu­mo di­zer: não qu­e­ro su­bir uma es­ca­da, mas, se che­go a um cer­to pon­to e te­nho um de­grau, te­nho que o su­bir. Não te­nho pro­pri­a­men­te na­da de­fi­ni­do des­de que nas­ci. Nun­ca me pas­sou pe­la ca­be­ça ir pa­ra Me­di­ci­na. Qu­an­do es­ta­va em Me­di­ci­na, nun­ca me pas­sou pe­la ca­be­ça ir pa­ra Of­tal­mo­lo­gia. Em Of­tal­mo­lo­gia, nun­ca pen­sei che­gar a Che­fe de Ser­vi­ço... são coi­sas a que nun­ca li­guei. Gos­to é de um bom de­sa­fio, co­mo foi o ca­so da di­re­ção do Ser­vi­ço de Of­tal­mo­lo­gia do Hos­pi­tal Gar­cia de Or­ta. Mas res­pon­den­do mais con­cre­ta­men­te à per­gun­ta, mo­ve-me o es­tar bem co­mi­go e com os ou­tros. Gos­to de fa­zer as coi­sas bem fei­tas, gos­to de ter uma cer­ta em­pa­tia com as pes­so­as e, na me­di­da em que con­si­go dar al­gu­ma fe­li­ci­da­de aos ou­tros com o meu tra­ba­lho, ten­to fa­zê-lo. É o que fa­ço na pro­fis­são e, de igual for­ma, no dia a dia da mi­nha vi­da pri­va­da.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.