En­tre­vis­ta de Ca­pa

Co­or­de­na­dor do De­par­ta­men­to de Of­tal­mo­lo­gia da CUF Por­to (Ins­ti­tu­to CUF e Hos­pi­tal CUF) e CEO da Ibe­rof­tal, Ma­nu­el Cas­tro Ne­ves não ima­gi­na a sua vi­da sem a Of­tal­mo­lo­gia. Pa­ra ele, va­leu a pe­na to­do o es­for­ço que fez, en­quan­to es­tu­dan­te, in­ter­no e of­tal­mo

OftalPro - - SUMÁR IO -

MA­NU­EL CAS­TRO NE­VES

Co­or­de­na­dor do De­par­ta­men­to de Of­tal­mo­lo­gia da CUF Por­to (Ins­ti­tu­to CUF e Hos­pi­tal CUF) e CEO da Ibe­rof­tal, Ma­nu­el Cas­tro Ne­ves não ima­gi­na a sua vi­da sem a Of­tal­mo­lo­gia. Pa­ra ele, va­leu a pe­na to­do o es­for­ço que fez, en­quan­to es­tu­dan­te, in­ter­no e of­tal­mo­lo­gis­ta “jú­ni­or”. “Con­si­de­ro que fa­ço coi­sas im­por­tan­tes e que li­do com uma área no­bre da vi­da das pes­so­as”.

Of­talP­ro: Es­co­lheu a Of­tal­mo­lo­gia pa­ra pro­fis­são. Porquê?

Ma­nu­el Cas­tro Ne­ves: Sem­pre ti­ve jei­to pa­ra tra­ba­lhos ma­nu­ais e mi­nu­ci­o­sos, em qual­quer ar­te. Po­rém, há du­as ver­ten­tes que me atra­em na Of­tal­mo­lo­gia, das quais sin­to re­al­men­te sau­da­des quan­do me afas­to por mui­to tem­po em con­gres­so ou es­tou de fé­ri­as: o ato ci­rúr­gi­co e o fa­tor hu­ma­no. Ou se­ja, na nos­sa es­pe­ci­a­li­da­de, as ci­rur­gi­as re­sul­tam nu­ma si­tu­a­ção que é de­fi­ni­da qua­se no ime­di­a­to. Não é co­mo por exem­plo na área da on­co­lo­gia em que, in­fe­liz­men­te mui­tas ve­zes, não con­se­gui­mos pre­ver o re­sul­ta­do. Fa­ço uma cirurgia de ca­ta­ra­tas ou de mi­o­pia e, no dia se­guin­te, já te­nho o pa­ci­en­te a sen­tir a di­fe­ren­ça. É a sen­sa­ção de que va­leu a pe­na ter-me es­for­ça­do tan­tos anos a li­dar com es­tas si­tu­a­ções, com tan­tos mo­men­tos sub­traí­dos ao la­zer e à fa­mí­lia... Re­a­li­zo um ato com uma fi­na­li­da­de e pro­vo-o lo­go, sa­bo­reio-o no ime­di­a­to. Con­si­de­ro que

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.