OF: Acha que o fu­tu­ro da Of­tal­mo­lo­gia pas­sa pe­los gran­des gru­pos em de­tri­men­to dos pe­que­nos con­sul­tó­ri­os?

OftalPro - - ENTREVISTA DE CAPA -

apren­der, en­si­na”. Se a pes­soa fi­car agar­ra­da àqui­lo que já sa­be, mor­re em pou­cos me­ses nes­ta área ci­en­tí­fi­ca tão evo­lu­ti­va. A investigação tem que ser per­ma­nen­te. Sem­pre que nos sur­ge uma no­vi­da­de, em ter­mos téc­ni­cos ou ci­en­tí­fi­cos, há sem­pre mais uma ideia pa­ra me­lho­rar. A investigação em Of­tal­mo­lo­gia é cu­mu­la­ti­va. Vão-se acu­mu­lan­do por­me­no­res so­bre o que já é de to­dos co­nhe­ci­do e, as­sim, evo­lui-se. A investigação dá-se pas­so a pas­so. Em Por­tu­gal, te­mos nú­cle­os de investigação or­ga­ni­za­dos, que es­tão in­se­ri­dos em gru­pos in­ter­na­ci­o­nais. Bas­ta com­pi­lar os da­dos de tu­do o que fa­ze­mos e, com­pa­ran­do-os com ou­tros cen­tros, acres­cen­ta­mos va­lor à ciência...

É nes­se sen­ti­do que ca­mi­nha­mos. Na Of­tal­mo­lo­gia, tal co­mo acon­te­ce nou­tras es­pe­ci­a­li­da­des mé­di­cas, es­te ti­po de con­gre­ga­ção de of­tal­mo­lo­gis­tas vai, a pou­co e pou­co, subs­ti­tuir o pe­que­no con­sul­tó­rio in­di­vi­du­al. As clí­ni­cas pe­que­nas, que não fo­rem au­tos­su­fi­ci­en­tes pa­ra fa­zer to­dos os exa­mes ou ci­rur­gi­as, ten­dem a de­sa­pa­re­cer. A ten­dên­cia é a con­gre­ga­ção em gru­pos for­tes, com res­pos­ta ca­bal. As pes­so­as ten­dem a pro­cu­rar sí­ti­os on­de ob­te­nham to­das as so­lu­ções. Por ou­tro la­do, pa­ra se acom­pa­nhar a evo­lu­ção ci­en­tí­fi­ca e tec­no­ló­gi­ca, é pre­ci­so in­je­tar-se mui­to ca­pi­tal. Na CUF Por­to, te­mos uma ro­ta­ti­vi­da­de enor­me em ter­mos de apa­re­lha­gem. E uma es­tru­tu­ra pe­que­na não con­se­gue acom­pa­nhar es­ta evo­lu­ção tão rá­pi­da. O nos­so gru­po, por exem­plo, in­je­ta tam­bém “no­vo san­gue” to­dos os anos. In­cor­po­ra­mos mais um ou dois no­vos of­tal­mo­lo­gis­tas que es­tão a sair, gen­te de gran­de va­lor. Tra­ta-se de ali­men­tar uma es­tru­tu­ra, um gru­po, com no­vas pers­pe­ti­vas e no­vas ca­pa­ci­da­des de ra­ci­o­cío­nio, si­tu­a­ção que pro­por­ci­o­na “fres­cu­ra” a uma equi­pa. A atu­a­li­za­ção de­ve ser cons­tan­te e é com gen­te mais no­va que va­mos con­se­guir is­so. Em ter­mos de fu­tu­ro pró­xi­mo, pen­so que o Por­to de­ve­rá al­ber­gar ape­nas du­as ou três gran­des “ca­sas”, ape­sar de con­ti­nu­a­rem a exis­tir al­gu­mas pe­que­nas clí­ni­cas bou­ti­que.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.