“Sou uma mu­lher de de­sa­fi­os”

Ma­ria João Qua­dra­do (mé­di­ca oftalmologista e pre­si­den­te da SPO),

OftalPro - - PRIMEIRA PÁGINA -

No res­cal­do das elei­ções pa­ra a di­re­ção da So­ci­e­da­de Por­tu­gue­sa de Of­tal­mo­lo­gia, fo­mos ao en­con­tro de Ma­ria João Qua­dra­do, a no­va pre­si­den­te da So­ci­e­da­de. Re­ce­beu­nos no Ser­vi­ço de Of­tal­mo­lo­gia em Coim­bra e con­tou-nos – em tra­ços ge­rais – as me­di­das que pre­ten­de im­ple­men­tar du­ran­te o seu man­da­to, nos pró­xi­mos dois anos. “O fun­da­men­tal é o di­na­mis­mo e a co­e­são de to­dos os of­tal­mo­lo­gis­tas pa­ra a pro­gres­são da Of­tal­mo­lo­gia por­tu­gue­sa”.

Of­talP­ro: Co­mo en­ca­rou a pre­si­dên­cia da So­ci­e­da­de Por­tu­gue­sa de Of­tal­mo­lo­gia (SPO)?

Ma­ria João Qua­dra­do: Os meus co­le­gas as­sim qui­se­ram. Acei­tei es­te con­vi­te co­mo um de­sa­fio. Sou uma mu­lher de de­sa­fi­os! E es­te é, sem dú­vi­da, um gran­de de­sa­fio. Pa­ra além de tu­do o que um mé­di­co oftalmologista faz, ser pre­si­den­te de uma so­ci­e­da­de des­te ní­vel é es­ti­mu­lan­te. Tra­ta-se de uma So­ci­e­da­de mui­to gran­de, que dá imen­so tra­ba­lho. Po­rém, há al­tu­ras na vi­da em que qu­e­re­mos – e de­ve­mos - fa­zer ou­tras coi­sas. Des­ta vez, com­pe­tia à zo­na Cen­tro ele­ger o pre­si­den­te da SPO. Fui con­tac­ta­da nes­se sen­ti­do. Pen­sei du­ran­te mui­to tem­po, qua­se um ano, e de­ci­di acei­tar o con­vi­te.

OF: Es­ta elei­ção acar­re­ta mui­tas mu­dan­ças.

MJQ: Com­ple­ta­men­te! A se­de da SPO é em Lis­boa e eu vi­vo e tra­ba­lho em Coim­bra. No en­tan­to, com as for­mas de comunicação de ho­je em dia, con­se­gui­mos tra­tar de mui­tos as­sun­tos por ‘email’ ou ‘sky­pe’. Não te­mos de es­tar sem­pre em Lis­boa. Quan­to à vi­da pes­so­al, es­te car­go mu­da imen­sas coi­sas, prin­ci­pal­men­te nes­ta fa­se ini­ci­al. Mui­to do meu tem­po particular é de­di­ca­do à SPO, já que o meu tra­ba­lho no hos­pi­tal con­ti­nua a ser o mes­mo.

OF: Que ob­je­ti­vos tem em men­te pa­ra a SPO?

MJQ: A SPO quer, nes­ta fa­se, mo­men­tos de di­na­mis­mo, mas tam­bém de se­re­ni­da­de e co­e­são. É es­ta

a nos­sa prin­ci­pal ban­dei­ra. Qu­e­re­mos di­na­mi­zar ca­da um dos gru­pos da SPO, al­go que tem es­ta­do um pou­co es­que­ci­do. A ideia se­rá cri­ar fó­runs de dis­cus­são so­bre pro­ble­mas que di­zem res­pei­to a ca­da uma das áre­as dos res­pe­ti­vos gru­pos. Além dis­so, pen­so que a Of­tal­mo­lo­gia, tal co­mo a saú­de em ge­ral, de­ve in­ves­tir na ci­ên­cia e na in­ves­ti­ga­ção, e a SPO de­ve apoi­ar o mais pos­sí­vel os of­tal­mo­lo­gis­tas nes­te cam­po. Um dos nos­sos ob­je­ti­vos é, por is­so, apoi­ar os of­tal­mo­lo­gis­tas com al­gu­mas bol­sas de dou­to­ra­men­to e, tam­bém, com um pré­mio de in­ves­ti­ga­ção, que se­rá atri­buí­do no nos­so con­gres­so na­ci­o­nal. Pre­ten­de­mos ain­da uma mai­or vi­si­bi­li­da­de in­ter­na­ci­o­nal da Of­tal­mo­lo­gia por­tu­gue­sa, pas­san­do por uma es­trei­ta co­la­bo­ra­ção ci­en­tí­fi­ca ibé­ri­ca, com a for­ma­ção de al­guns gru­pos ibé­ri­cos nas prin­ci­pais áre­as da Of­tal­mo­lo­gia. Mais, pre­ten­de­mos cri­ar a “Se­ma­na da Vi­são”, de for­ma a cons­ci­en­ci­a­li­zar a po­pu­la­ção em ge­ral pa­ra a saú­de vi­su­al. Ou se­ja, qu­e­re­mos apos­tar na comunicação pa­ra es­ta po­pu­la­ção e, cla­ro, pa­ra os só­ci­os da SPO. Nu­ma era em que as re­des so­ci­ais es­tão tão ex­pan­di­das, acho que é de apro­vei­tar es­sas fer­ra­men­tas (‘fa­ce­bo­ok’ e ‘si­te’ da SPO) e in­cre­men­tar a comunicação de de­ter­mi­na­dos even­tos, en­tre ou­tras ini­ci­a­ti­vas. Qu­e­re­mos se­guir es­ta li­nha de ori­en­ta­ção.

OF: Por fa­lar em comunicação, pre­ten­dem man­ter a li­nha editorial da re­vis­ta da SPO?

MJQ: Mais ou me­nos! Qu­e­re­mos mu­dar os mol­des da nos­sa re­vis­ta. Ela é tam­bém a ima­gem ci­en­tí­fi­ca da So­ci­e­da­de Por­tu­gue­sa de Of­tal­mo­lo­gia e é nos­so ob­je­ti­vo tor­ná-la ain­da mais aces­sí­vel aos só­ci­os. A ideia é cri­ar uma re­vis­ta com con­teú­dos mais di­re­ci­o­na­dos à prá­ti­ca clí­ni­ca diá­ria dos of­tal­mo­lo­gis­tas. Man­ten­do a in­ten­ção de in­de­xa­ção, se­rá im­por­tan­te par­ti­lhar tra­ba­lhos de fun­do e pro­to­co­los de ori­en­ta­ção so­bre de­ter­mi­na­das pa­to­lo­gi­as, de for­ma a que to­dos os of­tal­mo­lo­gis­tas ajam da mes­ma for­ma. A pu­bli­ca­ção des­tes pro­to­co­los é al­go que nos pro­te­ge a ní­vel le­gal. E acho que a re­vis­ta po­de­rá ser um pon­to de par­ti­da pa­ra cri­ar es­tas ‘gui­de­li­nes’.

OF: Fa­le-nos um pou­co do seu per­cur­so pro­fis­si­o­nal, an­tes da pre­si­dên­cia da SPO.

MJQ: Desde que ter­mi­nei o cur­so, tra­ba­lhei sem­pre no Cen­tro Hos­pi­ta­lar e Uni­ver­si­tá­rio de Coim­bra (CHUC). Foi lá que en­ce­tei o meu in­ter­na­to de Of­tal­mo­lo­gia e foi lá que fiz a es­pe­ci­a­li­da­de. Pa­ra além de as­sis­ten­te de Of­tal­mo­lo­gia do CHUC, sou che­fe da Sec­ção de Cór­nea e Ci­rur­gia Re­frac­ti­va, Che­fe da Uni­da­de de In­ter­na­men­to e Che­fe do Ban­co de Olhos. Re­a­li­zei es­tá­gi­os in­ter­na­ci­o­nais na área de cór­nea e da su­per­fí­cie ocu­lar no Cin­cin­na­ti Eye Ins­ti­tu­te (EUA), no L.V. Pra­sad Eye Ins­ti­tu­te (Hy­de­ra­bad, Ín­dia) e no Ban­co de Olhos de So­ro­ca­ba (São Pau­lo, Bra­sil). Per­ten­ço ao qua­dro de in­ves­ti­ga­do­res do IBILI (Ins­ti­tu­to Bi­o­mé­di­co de In­ves­ti­ga­ção de Luz e Ima­gem), em Coim­bra. Sou ain­da au­di­to­ra pa­ra a cer­ti­fi­ca­ção da qua­li­da­de, res­pon­sá­vel pe­la im­ple­men­ta­ção da Cer­ti­fi­ca­ção do Ban­co de Olhos dos CHUC, de acor­do com as Nor­ma ISO 9001:2008 e a Lei 12/2009.

OF: Que men­sa­gem gos­ta­ria de dei­xar aos nos­sos lei­to­res en­quan­to pre­si­den­te da SPO?

MJQ: É fun­da­men­tal o di­na­mis­mo e a co­e­são de to­dos os of­tal­mo­lo­gis­tas pa­ra a pro­gres­são da Of­tal­mo­lo­gia por­tu­gue­sa. Acho que é dis­so que pre­ci­sa­mos nes­te mo­men­to e é nis­so que va­mos apos­tar. O ca­ri­nho que te­nho re­ce­bi­do dos co­le­gas é nes­se sen­ti­do: o de ca­mi­nhar­mos jun­tos, na mes­ma di­re­ção!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.