SG:

OftalPro - - ENTREV ISTA -

A ges­tão da mai­o­ria das clí­ni­cas es­tá cen­tra­da no of­tal­mo­lo­gis­tas que, pa­ra além da sua prá­ti­ca, acu­mu­la fun­ções ad­mi­nis­tra­ti­vas, co­mer­ci­ais, apro­vi­si­o­na­men­to, mar­ke­ting, re­cur­sos hu­ma­nos... As opor­tu­ni­da­des de im­ple­men­tar no­vos ser­vi­ços, dar a co­nhe­cer o tra­ba­lho re­a­li­za­do den­tro e fo­ra da clí­ni­ca, ca­ti­var no­vos uten­tes, vai fi­can­do pa­ra se­gun­do pla­no. É, por is­so, im­por­tan­te a co­lo­ca­ção de um ges­tor que pen­se uma es­tra­té­gia de ne­gó­cio, se­ja vi­si­o­ná­rio na im­ple­men­ta­ção de no­vos ser­vi­ços e as­su­ma a ca­pa­ci­da­de de cor­ri­gir er­ros de per­cur­so atem­pa­da­men­te. Apos­ta­mos as­sim na co­lo­ca­ção de pro­fis­si­o­nais de saú­de na área das Te­ra­pêu­ti­cas Não Con­ven­ci­o­nais; na di­vul­ga­ção das clí­ni­cas num ‘si­te’ ins­ti­tu­ci­o­nal e nas re­des so­ci­ais; na for­ma­ção es­pe­ci­a­li­za­da em Ho­me­o­pa­tia em ge­ral e pa­ra odon­to­lo­gia; e na as­ses­so­ria ju­rí­di­ca nas de­ci­sões do dia a dia. Acre­di­ta­mos que, se exis­tir de­se­jo dos di­re­to­res clí­ni­cos em con­cen­trar-se ape­nas na sua prá­ti­ca clí­ni­ca de­le­gan­do fun­ções de ges­tão na Li­ber­ta­tis, é pos­sí­vel im­pul­si­o­nar as clí­ni­cas com tra­ba­lho ri­go­ro­so e com um bai­xo investimento.

O que po­de le­var as clí­ni­cas de of­tal­mo­lo­gia a es­co­lher a Li­ber­ta­tis?

do nos re­ce­bem, la­men­tam não ter con­tra­ta­do mais ce­do os nos­sos ser­vi­ços. Porquê per­der tem­po a pro­cu­rar, a in­ves­tir sem co­nhe­ci­men­to e ex­pe­ri­ên­cia, quan­do na Li­ber­ta­tis en­con­tra um par­cei­ro que se pre­o­cu­pa e se in­te­res­sa pe­lo seu pro­je­to?

Pre­ten­dem alar­gar a vos­sa ati­vi­da­de a ou­tros se­to­res?

Sér­gio Gomes

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.