SG:

OftalPro - - ENTREV ISTA -

Que men­sa­gem gos­ta­ri­am de dei­xar aos nos­sos lei­to­res?

Dei­xa­mos du­as men­sa­gens de da­dos re­co­lhi­dos jun­to de clí­ni­cas e na pre­o­cu­pa­ção da po­pu­la­ção em ge­ral pa­ra re­fle­xão de to­dos nós co­mo si­nais de uma gran­de e pro­fun­da mu­dan­ça de há­bi­tos e com­por­ta­men­tos. Pri­mei­ro sem investimento, se­ja ele fi­nan­cei­ro ou em dis­po­ni­bi­li­da­de, não é pos­sí­vel acom­pa­nhar a con­cor­rên­cia ou as­su­mir o pa­pel de pi­o­nei­ro e po­der li­de­rar. O su­ces­so de uma clí­ni­ca cons­trói-se em ca­da dia com pro­fis­si­o­nais de­di­ca­dos e pró­xi­mos dos pa­ci­en­tes, ob­ser­van­do-os co­mo pes­so­as e não co­mo ins­tru­men­to co­mer­ci­al. Sa­ber on­de in­ves­tir não é ha­bi­li­da­de pa­ra to­dos, mas uma vo­ca­ção pa­ra al­guns, e as clí­ni­cas re­co­nhe­cem que pre­ci­sam. Por úl­ti­mo, as pes­so­as aguar­dam sem­pre a cor­te­sia de uma res­pos­ta atem­pa­da­men­te das clí­ni­cas quan­do as­su­mem o com­pro­mis­so de a dar ou não, se­ja no ca­so de uma can­di­da­tu­ra es­pon­tâ­nea pa­ra em­pre­go, na so­li­ci­ta­ção de ta­be­la de pre­ços, um es­cla­re­ci­men­to, su­ges­tão ou re­cla­ma­ção, mar­ca­ção de reu­nião ou al­gu­ma aten­ção particular ao seu ca­so. O re­sul­ta­do do si­lên­cio des­tes pro­fis­si­o­nais é ab­sor­vi­do pe­los ci­da­dãos re­gis­tan­do-se a ima­gem to­tal de des­pre­zo, pou­co pro­fis­si­o­na­lis­mo. Se as­sim são em coi­sas in­sig­ni­fi­can­tes na sua prá­ti­ca clí­ni­ca, co­mo se­rão em re­la­ção aos de­mais? São pe­que­nos de­ta­lhes, é ver­da­de, mas de­ta­lhes im­por­tan­tes que con­tri­bu­em pa­ra a publicidade da clí­ni­ca, aju­dam a cons­truir uma ima­gem ge­ral po­si­ti­va ou ne­ga­ti­va con­for­me o tra­ta­men­to que se dá a ca­da cir­cuns­tân­cia con­cre­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.