“Apos­ta na of­tal­mo­lo­gia por­tu­gue­sa”

Pau­lo Tor­res (mé­di­co oftalmologista),

OftalPro - - PRIMEIRA PÁGINA -

Pau­lo Tor­res foi pre­si­den­te da So­ci­e­da­de Por­tu­gue­sa de Of­tal­mo­lo­gia (SPO) no bié­nio 2013-2014. Al­guns me­ses após o tér­mi­no do seu man­da­to, qui­se­mos sa­ber as me­tas al­can­ça­das e o ba­lan­ço de to­do o tra­ba­lho de­sen­vol­vi­do. Pa­ra­le­la­men­te, con­ver­sá­mos so­bre a sua de­di­ca­ção à of­tal­mo­lo­gia e apro­fun­dá­mos as ra­zões que o le­va­ram a con­cre­ti­zar du­as mis­sões hu­ma­ni­tá­ri­as em Áfri­ca. A con­clu­são a re­ti­rar da nos­sa con­ver­sa é só uma: a pai­xão por cu­rar e a von­ta­de de aju­dar o pró­xi­mo, se­ja em Por­tu­gal ou no lon­gín­quo con­ti­nen­te africano, es­tá no ADN des­te mé­di­co oftalmologista por­tu­en­se.

Of­talP­ro: Que ba­lan­ço faz da sua pas­sa­gem pe­la pre­si­dên­cia da So­ci­e­da­de Por­tu­gue­sa de Of­tal­mo­lo­gia?

Pau­lo Tor­res: Acho que o ba­lan­ço fi­nal de­ve­ria ser fei­to pe­los só­ci­os da SPO. Con­tu­do, pen­so que a mai­o­ria apre­ci­ou es­te man­da­to. O tra­ba­lho des­tes dois anos foi es­ti­mu­lan­te e mui­to gra­ti­fi­can­te. Além dis­so, ti­ve a opor­tu­ni­da­de de co­nhe­cer e de con­vi­ver com gran­de par­te dos co­le­gas. E apren­di mui­to... apren­di co­mo mé­di­co oftalmologista e apren­di co­mo ho­mem, na ges­tão de pro­ces­sos e na con­du­ção de pes­so­as... en­fim, gos­tei mui­to! Sin­to-me re­a­li­za­do.

OF: Em re­la­ção ao tra­ba­lho que de­sen­vol­veu nes­tes dois úl­ti­mos anos, o que des­ta­ca?

PT: Des­ta­co es­sen­ci­al­men­te qua­tro pon­tos. Fi­ze­mos uma apos­ta for­te nos jo­vens, ou se­ja, nos in­ter­nos e na­que­les que aca­ba­ram a es­pe­ci­a­li­da­de há cin­co anos ou me­nos. Re­a­li­zou-se na ci­da­de do Por­to, em ju­lho do ano pas­sa­do, o 1º Eu­ro­pe­an Me­e­ting of Young Ophthal­mo­lo­gists. In­cre­men­tá­mos a “glo­ba­li­za­ção” da of­tal­mo­lo­gia na­ci­o­nal e da pró­pria So­ci­e­da­de Por­tu­gue­sa de Of­tal­mo­lo­gia, tan­to atra­vés da par­ti­ci­pa­ção de co­le­gas em múl­ti­plos con­gres­sos in­ter­na­ci­o­nais, co­mo tam­bém pe­la re­a­li­za­ção con­jun­ta de sim­pó­si­os com ou­tras so­ci­e­da­des ci­en­tí­fi­cas. Em re­la­ção à re­vis­ta “Of­tal­mo­lo­gia” da SPO, de­mos um pas­so fun­da­men­tal no cam­po ci­en­tí­fi­co: a ini­ci­a­ção à sua in­de­xa­ção. Por úl­ti­mo, criá­mos uma mai­or união den­tro da So­ci­e­da­de, atra­vés da re­a­li­za­ção de pa­les­tras e de even­tos, e ain­da uma mai­or aproximação à po­pu­la­ção em ge­ral, com cam­pa­nhas de sen­si­bi­li­za­ção e aler­tas em re­la­ção a vá­ri­as pa­to­lo­gi­as.

OF: É che­fe da Sec­ção de Cór­nea e Su­per­fí­cie Ocu­lar do Ser­vi­ço de Of­tal­mo­lo­gia do Hos­pi­tal San­to António do Cen­tro Hos­pi­ta­lar do Por­to. Porquê a li­ga­ção a es­ta área?

Quan­do co­me­cei a tra­ba­lhar na of­tal­mo­lo­gia, ti­nha um gos­to particular pe­la área da in­fla­ma­ção ocu­lar. Foi es­se in­te­res­se que me le­vou, em 1994, até à Uni­ver­si­da­de de Ames­ter­dão pa­ra re­a­li­zar um dou­to­ra­men­to nes­sa área. O ob­je­ti­vo do es­tu­do era ava­li­ar me­ca­nis­mos fi­si­o­pa­to­ló­gi­cos da fa­lên­cia e, em particular, da re­jei­ção imu­no­ló­gi­ca de en­xer­tos de cór­nea no ra­ti­nho. Em 1998, de­pois de ter­mi­nar a te­se de dou­to­ra­men­to, re­gres­sei ao Hos­pi­tal San­to António e, a con­vi­te do dr. António Pei­xo­to, fa­le­ci­do re­cen­te­men­te, e do dr. Rui Pinto, in­gres­sei na Sec­ção de Cór­nea e Su­per­fí­cie Ocu­lar. Apro­vei­to es­te es­pa­ço pa­ra agra­de­cer os fun­da­men­tais en­si­na­men­tos da­dos pe­los dois. Atu­al­men­te, te­nho a meu car­go a di­re­ção da Sec­ção e do Pro­gra­ma de Trans­plan­te de Cór­nea do HSA-CHP.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.