OF: PT:

OftalPro - - ENTREVISTA DE CAPA -

Co­mo fun­ci­o­na es­te Pro­gra­ma?

Ob­ser­va­mos e es­tu­da­mos os do­en­tes que são re­fe­ren­ci­a­dos pa­ra a Sec­ção por ou­tras con­sul­tas do nos­so Ser­vi­ço e de ou­tras ins­ti­tui­ções hos­pi­ta­la­res, de­ci­di­mos qual o ti­po de trans­plan­te a se­rem sub­me­ti­dos, in­tro­du­zi­mo-los em di­fe­ren­tes lis­tas de es­pe­ra que são ge­ri­das de acor­do com o tem­po de ins­cri­ção, ti­po de pa­to­lo­gia e ur­gên­cia clí­ni­ca dos di­ver­sos ca­sos. Re­a­li­za­mos vá­ri­os ti­pos de ci­rur­gia e fa­ze­mos de­pois to­do o ‘fol­low-up’. Te­mos um ban­co de olhos aco­pla­do, on­de es­tão ar­ma­ze­na­das as cór­ne­as da­do­ras de ca­dá­ver, sen­do es­tas sem­pre es­tu­da­das no que res­pei­ta à sua vi­a­bi­li­da­de ce­lu­lar, trans­pa­rên­cia e se­gu­ran­ça mi­cro­bi­o­ló­gi­ca. Nes­ta Sec­ção tra­ba­lham co­mi­go o dr. Luís Oli­vei­ra e o dr. Mi­guel Gomes.

Mu­dan­do com­ple­ta­men­te de as­sun­to, o que po­de re­ve­lar-nos so­bre a sua “vi­a­gem so­li­dá­ria” a Áfri­ca?

es­se que te­ve iní­cio em me­a­dos de 2011. Es­tá ago­ra em fa­se de fi­na­li­za­ção. Fo­ram cons­truí­das 12 sa­las de au­las, uma co­zi­nha, uma can­ti­na, ca­sas de ba­nho, es­pa­ço mu­ra­do e zo­nas de cul­ti­vo com hor­tas. O Hos­pi­tal San­to António tam­bém quis aju­dar: con­tri­buiu com 45 com­pu­ta­do­res que fo­ram trans­por­ta­dos de uma for­ma gra­ci­o­sa pe­la GALP, aos quais agra­de­ço mais uma vez o apoio.

Co­mo se lem­brou de abra­çar es­te de­sa­fio, que na­da tem a ver com of­tal­mo­lo­gia?

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.