“O de­sa­fio é cres­cer, sem­pre”

Fer­nan­do Vaz (mé­di­co of­tal­mo­lo­gis­ta),

OftalPro - - PRIMEIRA PÁGINA -

Fer­nan­do Vaz é di­re­tor do Ser­vi­ço de Of­tal­mo­lo­gia do Hos­pi­tal de Bra­ga e co­or­de­na­dor do De­par­ta­men­to de Of­tal­mo­lo­gia do ins­ti­tu­to­cuf e do hos­pi­tal­cuf Por­to. De­di­ca-se à área do seg­men­to an­te­ri­or e pos­sui uma gran­de ex­pe­ri­ên­cia em ci­rur­gia re­fra­ti­va. Em con­ver­sa com a Of­talP­ro, afir­mou que o seu mai­or de­sa­fio é cres­cer, sem­pre com no­vos pro­je­tos.

Of­talP­ro: Porquê a sua en­tre­ga à área do seg­men­to an­te­ri­or?

Fer­nan­do Vaz: Co­mo em tu­do na vi­da, há pes­so­as que nos in­flu­en­ci­am. Na al­tu­ra de co­me­çar o in­ter­na­to, re­sol­vi fa­zê-lo no Hos­pi­tal de San­to An­tó­nio - ape­sar de ter fre­quen­ta­do o cur­so no Hos­pi­tal São João - por cau­sa do dou­tor Qu­ei­rós Ma­ri­nho e do pres­tí­gio que ele e o seu Ser­vi­ço ti­nham na área da of­tal­mo­lo­gia. De­pois, ti­ve o pri­vi­lé­gio de ter co­mo ori­en­ta­dor de in­ter­na­to o pro­fes­sor An­tó­nio Ma­ri­nho, que era e é uma fi­gu­ra na­ci­o­nal e in­ter­na­ci­o­nal na área da ci­rur­gia da mi­o­pia. Apren­di mui­to com ele e com ou­tros co­le­gas, por­que no San­to An­tó­nio ha­via uma es­co­la de ci­rur­gia re­fra­ti­va. Fui fa­zen­do as­sim o meu percurso e apre­ci­an­do ca­da vez mais es­te ra­mo. Mui­to de­vi­do, tam­bém, à gran­de ta­xa de sa­tis­fa­ção que es­ta ci­rur­gia acar­re­ta. As ci­rur­gi­as de mi­o­pia são mui­to se­gu­ras e pre­di­ti­vas. Li­da­mos nor­mal­men­te com pes­so­as fe­li­zes, o que é mui­to gra­ti­fi­can­te.

OF: Tem mi­lha­res de ci­rur­gi­as de mi­o­pia re­li­za­das ao lon­go dos úl­ti­mos 20 anos. O que mu­dou des­de a nú­me­ro um até ago­ra?

FV: Des­de que co­me­cei o in­ter­na­to de of­tal­mo­lo­gia, em 1992, a ci­rur­gia de mi­o­pia so­freu bas­tan­tes mu­dan­ças, mas o es­sen­ci­al man­tém-se inal­te­ra­do. O fa­tor de­ci­si­vo pa­ra o su­ces­so des­ta ci­rur­gia é a ava­li­a­ção pré­via à ci­rur­gia, se­le­ci­o­nar qu­em po­de­mos e co­mo va­mos ope­rar. Ou se­ja, há pes­so­as que po­dem sub­me­ter-se a es­ta ci­rur­gia e ou­tras que não, por vá­ri­os mo­ti­vos. No en­tan­to, nes­tes úl­ti­mos anos, a tec­no­lo­gia evo­luiu de uma for­ma ver­ti­gi­no­sa. Dis­po­mos de no­vos de­se­nhos em len­tes, de ‘softwa­res’ mais evo­luí­dos, de la­sers mais rá­pi­dos... e es­tas no­vas fer­ra­men­tas que te­mos ho­je à nos­sa dis­po­si­ção são mui­to mais so­fis­ti­ca­das e mo­der­nas, tan­to ao ní­vel da se­le­ção de do­en­tes co­mo em re­la­ção à pre­vi­são do su­ces­so da ci­rur­gia.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.