É pos­sí­vel re­ver­ter sin­to­mas de au­tis­mo na fa­se adul­ta? Es­tu­do diz que sim.

OftalPro - - NOTÍCIAS -

Um es­tu­do em que par­ti­ci­pou o Cen­tro de Neu­ro­ci­ên­ci­as e Bi­o­lo­gia Ce­lu­lar (CNC) da Uni­ver­si­da­de de Coim­bra (UC), pu­bli­ca­do na con­cei­tu­a­da “Na­tu­re”, re­ve­la que é pos­sí­vel re­ver­ter al­guns com­por­ta­men­tos li­ga­dos ao au­tis­mo, na fa­se adul­ta. Uma equi­pa de ci­en­tis­tas nor­te-ame­ri­ca­nos e uma por­tu­gue­sa, Pa­trí­cia Monteiro, in­ves­ti­ga­ram o ge­ne Shank3, um dos ge­nes im­pli­ca­dos no au­tis­mo, pa­to­lo­gia sem cu­ra que afe­ta cer­ca de 70 mi­lhões de pes­so­as em to­do o mun­do. Em Por­tu­gal es­ti­ma-se que a pre­va­lên­cia se­ja de 1 ca­so em ca­da 1000 cri­an­ças em ida­de es­co­lar. Ape­sar da ori­gem do au­tis­mo ser bas­tan­te va­riá­vel, o ge­ne Shank3 es­tá as­so­ci­a­do a uma for­ma mo­no­gé­ni­ca da pa­to­lo­gia. Quan­do sur­ge uma mu­ta­ção, a pro­teí­na re­sul­tan­te des­te ge­ne - que fun­ci­o­na co­mo um “an­dai­me” que dá aces­so à co­mu­ni­ca­ção en­tre neu­ró­ni­os - dei­xa de su­por­tar a es­tru­tu­ra, cau­san­do da­nos no cir­cui­to neu­ro­nal. Sen­do o au­tis­mo uma do­en­ça neu­rop- si­quiá­tri­ca que com­pro­me­te o nor­mal de­sen­vol­vi­men­to da cri­an­ça e que per­ma­ne­ce du­ran­te to­da a vi­da, a equi­pa, atra­vés de uma abor­da­gem pi­o­nei­ra, quis per­ce­ber se va­lia a pe­na apos­tar em te­ra­pi­as di­re­ci­o­na­das pa­ra a fa­se adul­ta dos do­en­tes. Ex­pe­ri­ên­ci­as re­a­li­za­das du­ran­te qua­tro anos em ra­ti­nhos adul­tos su­jei­tos à mu­ta­ção do ge­ne mos­tra­ram, pe­la pri­mei­ra vez, ser pos­sí­vel re­ver­ter dois dos prin­ci­pais sin­to­mas do au­tis­mo: au­sên­cia de in­te­ra­ção so­ci­al e com­por­ta­men­tos re­pe­ti­ti­vos. Ou se­ja, os in­ves­ti­ga­do­res con­se­gui­ram con­ser­tar o “an­dai­me” e res­ta­be­le­cer a co­mu­ni­ca­ção na es­tru­tu­ra “du­ran­te a fa­se de vi­da adul­ta des­ses ra­ti­nhos, de­mons­tran­do que é pos­sí­vel re­ver­ter as al­te­ra­ções bi­oquí­mi­cas, pro­ble­mas de co­mu­ni­ca­ção neu­ro­nal e mes­mo me­lho­rar as in­te­ra­ções so­ci­ais e com­por­ta­men­tos re­pe­ti­ti­vos”, des­cre­ve Pa­trí­cia Monteiro, que par­ti­ci­pou no es­tu­do ao abri­go do Pro­gra­ma Dou­to­ral em Bi­o­lo­gia Ex­pe- ri­men­tal e Bi­o­me­di­ci­na do CNC em par­ce­ria com o MIT (Mas­sa­chu­setts Ins­ti­tu­te of Te­ch­no­logy). Es­ta des­co­ber­ta “abre por­tas pa­ra a cri­a­ção dos pri­mei­ros me­di­ca­men­tos efi­ca­zes no tra­ta­men­to da do­en­ça. Es­tes re­sul­ta­dos in­di­cam que, em­bo­ra o au­tis­mo se­ja uma per­tur­ba­ção do de­sen­vol­vi­men­to, é pos­sí­vel in­ter­vir na sua fa­se adul­ta”, afir­ma a co­au­to­ra do es­tu­do li­de­ra­do pe­lo MIT. “Ain­da que es­tas ex­pe­ri­ên­ci­as em ra­ti­nhos não te­nham apli­ca­ção di­re­ta nos hu­ma­nos”, Pa­trí­cia Monteiro re­al­ça que o es­tu­do “aju­da a com­pre­en­der o con­jun­to de al­te­ra­ções bi­o­ló­gi­cas pre­sen­tes no au­tis­mo e abre por­tas pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to de no­vas es­tra­té­gi­as te­ra­pêu­ti­cas, co­mo por exem­plo es­tra­té­gi­as di­re­ci­o­na­das pa­ra a me­lho­ria de cer­tas al­te­ra­ções com­por­ta­men­tais pas­sí­veis de se­rem re­ver­ti­das em fa­se adul­ta e não pa­ra o qua­dro de al­te­ra­ções com­por­ta­men­tais do au­tis­mo co­mo um to­do”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.