Cri­an­ças so­bre­vi­ven­tes de can­cro po­dem ter vi­são afe­ta­da

OftalPro - - NOTÍCIAS -

Um es­tu­do da Uni­ver­si­da­de de Lund, Sué­cia, re­ve­la que to­xi­nas de qui­mi­o­te­ra­pia co­mu­men­te usa­das nos tra­ta­men­tos afe­tam a vi­são de cri­an­ças. O im­pac­to ob­ser­va­do pe­los in­ves­ti­ga­do­res es­ta­va mai­o­ri­ta­ri­a­men­te pre­sen­te no sis­te­ma ner­vo­so cen­tral, is­to é, afe­tan­do a ca­pa­ci­da­de das cri­an­ças em se­guir ob­je­tos em mo­vi­men­to. “Ob­ser­va­mos que a mai­o­ria des­tes pa­ci­en­tes não con­se­guiu mo­ver os seus olhos de for­ma fluí­da e es­tá­vel, mas tre­mi­da e ir­re­gu­lar. Es­tes mo­vi­men­tos ocu­la­res di­fi­cul­tam o fo­co em si­tu­a­ções de trân­si­to, por exem­plo. Po­de cau­sar tam­bém do­res de ca­be­ça e en­jo­os”, dis­se Per-An­ders Frans­son, um dos in­ter­ve­ni­en­tes no es­tu­do. A in­ves­ti­ga­ção evol­veu 23 cri­an­ças so­bre­vi­ven­tes de can­cro, com ida­de atu­al na al­tu­ra do es­tu­do de en­tre 20 a 30 anos. Quan­do com­pa­ra­ram os re­sul­ta­dos a 25 pes­so­as sau­dá­veis com ida­de si­mi­lar, cons­ta­ta­ram que só um nú­me­ro re­du­zi­do de so­bre­vi­ven­tes não apre­sen­tou de­sor­dens vi­su­ais. O grau de gra­vi­da­de fi­cou as­so­ci­a­do aos pro­ble­mas cres­cen­tes as­so­ci­a­dos aos mo­vi­men­tos ocu­la­res pro­vo­ca­dos pe­la qui­mi­o­te­ra­pia, que já tem es­tu­dos com­pro­va­dos que sa­li­en­tam o seu efei­to no­ci­vo no cé­re­bro hu­ma­no. No en­tan­to, os in­ves­ti­ga­do­res não apu­ra­ram se os efei­tos se­cun­dá­ri­os se dis­si­pa­ram ao lon­go dos anos em al­guns dos vi­sa­dos, mas fi­cou cla­ro que a mai­o­ria ain­da so­fre de pro­ble­mas. A ida­de na qual as cri­an­ças fo­ram sub­me­ti­das pa­re­ce ser um fa­tor de pe­so, uma vez que as mais no­vas são as que apre­sen­tam mais fa­lhas as­so­ci­a­das, ten­do em con­ta que o cé­re­bro das mes­mas ain­da es­ta­va em de­sen­vol­vi­men­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.