Uti­li­za­do­res de lentes de con­ta­to pre­ci­sam de cui­da­dos re­do­bra­dos

OftalPro - - NOTÍCIAS -

In­ves­ti­ga­do­res no­va-ior­qui­nos ave­ri­gua­ram re­cen­te­men­te que a di­ver­si­da­de bac­te­ri­a­na pre­sen­te nos olhos de por­ta­do­res de lentes de con­tac­to po­de ser “em de­ma­sia”. Os ci­en­tis­tas da Uni­ver­si­da­de de No­va Ior­que com­pa­ram no tex­to do jor­nal mBio que a quan­ti­da­de de mi­cro-or­ga­nis­mos nes­tes uti­li­za­do­res é se­me­lhan­te ao mi­cro­bi­o­ma da pe­le. Li­sa Park, of­tal­mo­lo­gis­ta na­que­la ins­ti­tui­ção aca­dé­mi­ca, li­de­rou um gru­po que ana­li­sou os olhos de 20 vo­lun­tá­ri­os, dos quais no­ve usa­vam lentes de con­tac­to e 11 não. Me­di­an­te ex­tra­ções de amos­tras em al­go­dão, cons­ta­ta­ram que os por­ta­do­res de lentes ti­nha mais subs­tân­ci­as de es­pé­ci­es da pe­le nos olhos que os não por­ta­do­res. “Ao co­lo­car um agen­te es­tra­nho na su­per­fí­cie ocu­lar, po­de­mos es­tar a in­tro­du­zir agen­tes pa­to­gé­ni­cos no olho”, dis­se Park. No en­tan­to, o es­tu­do não de­mar­ca a pre­sen­ça de ADN no olho co­mo in­di­ca­dor in­con­tes­tá­vel de mi­cró­bi­os, co­mo tam­bém se es­se ADN é vi­vo. Tam­bém não in­di­ca se es­se con­tá­gio po­de ter co­mo ori­gem o de­do do uti­li­za­dor, co­mo vá­ri­os es­tu­dos já vi­e­ram com­pro­var.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.