Jo­sé Sal­ga­do-Bor­ges:

OftalPro - - INQUÉRITO -

Quan­do te­nho que dar uma má no­tí­cia a um do­en­te pro­cu­ro, fun­da­men­tal­men­te se se tra­tar de um pro­ble­ma uni­la­te­ral, re­al­çar que o do­en­te po­de­rá fa­zer a sua vi­da quo­ti­di­a­na com uma vi­são uni­la­te­ral e sal­va­guar­dar (no ca­so de se tra­tar de pa­to­lo­gia que pos­sa afe­tar o olho adel­fo) o en­vol­vi­men­to do ou­tro olho re­cor­ren­do ao tra­ta­men­to ade­qua­do e ao re­cur­so a uma pro­te­ção mais acen­tu­a­da e ade­qua­da do olho que vê. sua saú­de fí­si­ca e men­tal, a sua ati­tu­de em re­la­ção a uma pos­sí­vel re­cu­pe­ra­ção, a sua mo­ti­va­ção pa­ra ade­rir ao es­que­ma te­ra­pêu­ti­co, bem co­mo a sua re­la­ção com o mé­di­co. Há vá­ri­os as­pe­tos a ter em con­ta. De­ve­mos co­me­çar por pre­pa­rar os as­pe­tos fí­si­cos: co­mu­ni­car más no­tí­ci­as pre­sen­ci­al­men­te e nun­ca por te­le­fo­ne, ado­tar uma pos­tu­ra re­la­xa­da e res­pei­tar a pri­va­ci­da­de do do­en­te e fa­mí­lia. De­ve­mos des­co­brir o que o do­en­te já sa­be so­bre o seu pro­ble­ma e as su­as ex­pec­ta­ti­vas fa­ce ao im­pac­to da do­en­ça e do fu­tu­ro, mas tam­bém per­ce­ber o que ele quer sa­ber, de mo­do a con­vi­dá-lo à par­ti­lha de in­for­ma­ção. É im­por­tan­te com­ple­tar a in­for­ma­ção que o do­en­te já co­nhe­ce, for­ne­cen­do a in­for­ma­ção por eta­pas com lin­gua­gem apro­pri­a­da, per­ce­tí­vel e po­si­ti­va, ten­do o cui­da­do de res­pon­der às emo­ções do do­en­te. Por fim, não se de­ve des­cu­rar o pla­ne­a­men­to do se­gui­men­to. JB: Acho que te­mos de nos co­lo­car no lu­gar da pes­soa que a re­ce­be e ex­pli­car tu­do mui­to bem.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.