“A of­tal­mo­lo­gia é uma es­pe­ci­a­li­da­de apai­xo­nan­te”

Ru­fi­no Sil­va mé­di­co of­tal­mo­lo­gis­ta,

OftalPro - - PRI­MEI­RA PÁ­GI­NA -

“Po­der fa­zer al­go de no­vo no dia a dia, que pos­sa con­tri­buir pa­ra me­lho­rar o mun­do à mi­nha vol­ta, co­mo ser hu­ma­no e co­mo es­pe­ci­a­lis­ta de­di­ca­do à re­ti­na, é o que me mo­ve”. É as­sim que Ru­fi­no Sil­va, mé­di­co of­tal­mo­lo­gis­ta há 25 anos, des­cre­ve o “po­der” que tem em mãos. Fi­que a co­nhe­cê-lo um pou­co me­lhor na en­tre­vis­ta que se se­gue.

Of­talP­ro: Porquê a sua de­di­ca­ção à of­tal­mo­lo­gia? E à área da re­ti­na, em par­ti­cu­lar?

Ru­fi­no Sil­va: A es­co­lha da of­tal­mo­lo­gia re­sul­ta de uma sé­rie de fa­to­res pre­sen­tes em 1987, quan­do após o fa­mo­so e eter­no exa­me “o Har­ri­son” fi­cá­mos 2.500 mé­di­cos a es­co­lher ape­nas 500 va­gas. A of­tal­mo­lo­gia em Coim­bra era uma das mi­nhas op­ções e, fe­liz­men­te, foi pos­sí­vel se­le­ci­o­ná-la. Tor­nei-me of­tal­mo­lo­gis­ta no Ser­vi­ço de Of­tal­mo­lo­gia dos Hos­pi­tais da Uni­ver­si­da­de de Coim­bra, ago­ra Cen­tro Hos­pi­ta­lar e Uni­ver­si­tá­rio de Coim­bra (CHUC). OF: E a es­co­lha da área da re­ti­na? RS: A re­ti­na sem­pre foi uma área no­bre nes­te Ser­vi­ço, com fi­gu­ras ím­pa­res co­mo o Prof. Cunha-Vaz e o Prof. Jo­sé Rui Fa­ria de Abreu, que mui­to in­flu­en­ci­a­ram o meu des­ti­no. A área da re­ti­na tem si­do aque­la que mais de­sen­vol­vi­men­to tem so­fri­do nos úl­ti­mos anos den­tro da of­tal­mo­lo­gia e é aque­la que mais se irá de­sen­vol­ver nos pró­xi­mos anos. No­vas mo­lé­cu­las e no­vos pro­ce­di­men­tos es­tão a sur­gir pe­ri­o­di­ca­men­te, me­lho­ran­do ex­po­nen­ci­al­men­te a ca­pa­ci­da­de que ago­ra te­mos de tra­var a pro­gres­são e me­lho­rar o prog­nós­ti­co de nu­me­ro­sas pa­to­lo­gi­as da re­ti­na po­ten­ci­al­men­te cau­sa­do­ras de ce­guei­ra.

OF: Em que lo­cais exer­ce a sua ati­vi­da­de clí­ni­ca? E a in­ves­ti­ga­ção? RS: A mi­nha ati­vi­da­de clí­ni­ca de­sen­vol­ve-se es­sen­ci­al­men­te no Cen­tro de Res­pon­sa­bi­li­da­de

In­te­gra­do de Of­tal­mo­lo­gia (CRIO) do CHUC e no Es­pa­ço Mé­di­co de Coim­bra. Já a in­ves­ti­ga­ção na área da re­ti­na de­sen­vol­ve-se no CRIO do CHUC, na As­so­ci­a­ção pa­ra a In­ves­ti­ga­ção Bi­o­mé­di­ca e Ino­va­ção em Luz e Ima­gem (AI­BI­LI) e no Ins­ti­tu­to de Ima­gem Bi­o­mé­di­ca e Ci­ên­ci­as da Vi­da (IBI­LI). A pro­xi­mi­da­de des­tas ins­ti­tui­ções tor­na pos­sí­vel apro­vei­tar uma sé­rie de si­ner­gi­as que nos per­mi­tem as­so­ci­ar à clí­ni­ca uma com­po­nen­te de in­ves­ti­ga­ção es­tru­tu­ra­da na área da re­ti­na e ge­ra­do­ra de um gran­de nú­me­ro de pu­bli­ca­ções.

OF: De­di­ca-se tam­bém à for­ma­ção, en­quan­to do­cen­te da Fa­cul­da­de de Me­di-

ci­na da Uni­ver­si­da­de de Coim­bra. Co­mo ava­lia a for­ma­ção/in­ves­ti­ga­ção em of­tal­mo­lo­gia que se pra­ti­ca em Por­tu­gal? Po­de equi­pa­rar-se à de ou­tros paí­ses?

RS: A for­ma­ção que se pra­ti­ca em Por­tu­gal na área da of­tal­mo­lo­gia é das me­lho­res a ní­vel mun­di­al. Os nos­sos of­tal­mo­lo­gis­tas são al­ta­men­te com­pe­ti­ti­vos com as com­pe­tên­ci­as ad­qui­ri­das e, in­fe­liz­men­te (por­que per­de­mos re­cur­sos hu­ma­nos va­li­o­sís­si­mos), con­se­guem co­lo­ca­ção mui­to fá­cil no es­tran­gei­ro. A in­ves­ti­ga­ção que fa­ze­mos es­tá ao ní­vel do que me­lhor se faz em to­do o mun­do. Te­mos, por exem­plo, pro­je­tos con­jun­tos com os gran­des cen­tros eu­ro­peus e

ame­ri­ca­nos. As gran­des la­cu­nas que te­mos re­sul­tam da fal­ta de dis­po­ni­bi­li­da­de em ter­mos de tem­po, da fal­ta de es­tru­tu­ras de apoio à in­ves­ti­ga­ção clí­ni­ca em of­tal­mo­lo­gia, da não in­tro­du­ção da in­ves­ti­ga­ção co­mo al­go “den­tro” da prá­ti­ca clí­ni­ca diá­ria, fa­zen­do par­te do horário nor­mal de tra­ba­lho e da não uti­li­za­ção de ba­ses de da­dos.

OF: Que men­sa­gem gos­ta­ria de dei­xar a to­dos os nos­sos lei­to­res, seus co­le­gas de pro­fis­são?

RS: A of­tal­mo­lo­gia é uma es­pe­ci­a­li­da­de apai­xo­nan­te, em cons­tan­te evo­lu­ção. Co­mo em qual­quer área da me­di­ci­na, aqui te­mos tam­bém a ma­ra­vi­lho­sa ca­pa­ci­da­de de mu­dar a vi­da das pes­so­as pa­ra me­lhor. A cons­tan­te ino­va­ção na of­tal­mo­lo­gia, e em es­pe­ci­al na re­ti­na, exi­ge uma per­ma­nen­te atu­a­li­za­ção. A pos­si­bi­li­da­de que te­mos de jun­tar à prá­ti­ca clí­ni­ca a in­ves­ti­ga­ção faz de nós me­lho­res mé­di­cos, com me­nos cer­te­zas, mais hu­mil­des, mas, ao mes­mo tem­po, mais ri­go­ro­sos e efi­ci­en­tes.

OF: O que o mo­ve na vi­da e na pro­fis­são?

RS: Po­der fa­zer al­go de no­vo no dia a dia, que pos­sa con­tri­buir pa­ra me­lho­rar o mun­do à mi­nha vol­ta, co­mo ser hu­ma­no e co­mo mé­di­co of­tal­mo­lo­gis­ta de­di­ca­do à re­ti­na.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.