Se­ma­na Mun­di­al do Glau­co­ma

OftalPro - - PRIMEIRA PÁGINA -

En­tre os di­as 6 e 12 de mar­ço de 2016 as­si­na­lou-se a Se­ma­na Mun­di­al do Glau­co­ma (World Glau­co­ma We­ek). Tra­ta-se de uma ini­ci­a­ti­va glo­bal con­jun­ta da As­so­ci­a­ção Mun­di­al do Glau­co­ma (WGA) e da As­so­ci­a­ção Mun­di­al de Do­en­tes com Glau­co­ma (WGPA), pa­ra cri­ar cons­ci­ên­cia so­bre o glau­co­ma, o que pro­vo­ca à vi­são, co­mo po­de afe­tar as pes­so­as e co­mo di­ag­nos­ti­car a tra­tar a do­en­ça.

Oglau­co­ma afe­ta 67 mi­lhões de pes­so­as em to­do o mun­do, sen­do que o tra­ta­men­to da do­en­ça nu­tre mai­or efei­to se for di­ag­nos­ti­ca­da pre­co­ce­men­te. Mas, me­ta­de dos do­en­tes nem sem­pre tem cons­ci­ên­cia que so­fre de glau­co­ma, pe­lo que mais de 30 mi­lhões de pes­so­as es­tão a per­der a vi­são len­ta­men­te sem te­rem es­sa cons­ci­ên­cia, o que po­de mes­mo pro­vo­car a ce­guei­ra, daí a no­men­cla­tu­ra “la­drão si­len­ci­o­so da vi­são”. “O glau­co­ma po­de per­ma­ne­cer si­len­ci­o­so e, por­tan­to, não di­ag­nos­ti­ca­do du­ran­te anos até a vi­são se co­me­çar a de­te­ri­o­rar, lo­go os exa­mes re­gu­la­res à vi­são são a úni­ca for­ma de de­te­tar es­ta do­en­ça ocu­lar ce­do o su­fi­ci­en­te pa­ra ser de­vi­da­men­te tra­ta­da”, diz Jo­sé Mou­ra Pe­rei­ra, of­tal­mo­lo­gis­ta no Cen­tro Hos­pi­ta­lar e Uni­ver­si­tá­rio de Coim­bra e co­or­de­na­dor do Gru­po Por­tu­guês do Glau­co­ma. “Não exis­te, ho­je, uma cu­ra pa­ra o glau­co­ma, mas com um tra­ta­men­to efi­caz é pos­sí­vel atra­sar a sua pro­gres­são. Uma pres­são ocu­lar ele­va­da é o fa­tor de ris­co, so­bre o qual se po­de atu­ar, mais im­por­tan­te pa­ra o glau­co­ma. Por­tan­to, man­ter a pres­são ocu­lar sob con­tro­lo é a cha­ve pa­ra aju­dar os pa­ci­en­tes de glau­co­ma a pre­ser­var a sua vi­são”, con­cluiu o pro­fis­si­o­nal. Os tra­ta­men­tos in­clu­em go­tas ocu­la­res, me­di­ca­men­tos orais, co­mo tam­bém ci­rur­gi­as. Por­ta­do­res de di­a­be­tes, hi­per­ten­são ar­te­ri­al, do­en­ças car­día­cas, mais ido­sos, afro­des­cen­tes com mais de 40 anos, des­cen­den­tes asiá­ti­cos (glu­a­co­ma de ân­gu­lo fe­cha­do), e ex-con­su­mi­do­res de es­te­rói­des, de­vem con­sul­tar um es­pe­ci­a­lis­ta pois têm ris­co acres­ci­do de con­trair glau­co­ma.

Ras­trei­os

As uni­da­des CUF Por­to e Ibe­rof­tal – Clí­ni­ca Of­tal­mo­ló­gi­ca de Bra­ga re­a­li­za­ram vá­ri­os ras­trei­os ao lo­go de to­da a se­ma­na. “Ao to­do, nas três uni­da­des, fi­ze­mos um to­tal de 246 ras­trei­os e de­te­tá­mos 26 ca­sos com al­te­ra­ções. O ras­treio con­sis­tiu na re­a­li­za­ção de re­ti­no­gra­fia op­tos e me­di­ção de ten­são ocu­lar, por par­te de um téc­ni­co de or­tó­ti­ca, bem co­mo dis­tri­bui­ção de in­for­ma­ção ao do­en­te acer­ca des­ta pa­to­lo­gia. Por fim, to­dos os exa­mes fo­ram ana­li­sa­dos por um mé­di­co es­pe­ci­a­lis­ta em glau­co­ma”. Os ras­trei­os de­cor­re­ram na Clí­ni­ca de Bra­ga en­tre 7 e 12 de mar­ço, a 7 e 8 no Hos­pi­tal CUF Por­to e a 10 e 11 no Ins­ti­tu­to CUF Por­to, on­de a equi­pa da Of­talP­ro te­ve a opor­tu­ni­da­de de mar­car pre­sen­ça e con­ver­sar com An­tó­nio Fa­ze­res, um dos or­top­tis­tas res­pon­sá­veis pe­los ras­trei­os.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.