“QUE­RE­MOS CON­TI­NU­AR A ME­RE­CER A CON­FI­AN­ÇA DOS CLI­EN­TES”

JO­SÉ AL­BER­TO E MI­GUEL CAI­RES, AL­BER­TO OCU­LIS­TA

Opticapro - - Primeira Página -

“A es­tra­té­gia de cres­ci­men­to tem si­do sus­ten­ta­da atra­vés do tra­ba­lho diá­rio e de opor­tu­ni­da­des que vão sur­gin­do”.

“Que­re­mos con­ti­nu­ar a me­re­cer a con­fi­an­ça dos cli­en­tes”

Com ori­gem no Fun­chal, na ilha da Ma­dei­ra, o Gru­po Al­ber­to Ocu­lis­ta con­ta com uma his­tó­ria “ri­ca” no se­tor da Óp­ti­ca. A pro­pó­si­to da aber­tu­ra da mais re­cen­te lo­ja - na Fi­guei­ra da Foz - e da co­me­mo­ra­ção dos 30 anos da em­pre­sa, fo­mos ao en­con­tro de Jo­sé Al­ber­to e Mi­guel Cai­res, pai e fi­lho, am­bos re­pon­sá­veis pe­lo Gru­po. Nes­ta entrevista, es­pe­lham-nos os seus se­gre­dos pa­ra ta­ma­nho su­ces­so e afir­mam-nos que “não exis­te, nem nun­ca exis­tiu, qual­quer pla­no pa­ra saí­rem da Re­gião Au­tó­no­ma da Ma­dei­ra. Po­rém, es­ta­mos sem­pre aten­tos a even­tu­ais apos­tas que se­jam uma mais-va­lia pa­ra nós, as­sim co­mo pa­ra os nos­sos cli­en­tes”. A ex­pan­são pa­ra os Aço­res, Al­gar­ve, Mo­çam­bi­que e, mais re­cen­te­men­te, Fi­guei­ra da Foz, re­fle­te pre­ci­sa­men­te es­ta es­tra­té­gia.

Óp­ti­caP­ro: Ce­le­bra­ram re­cen­te­men­te 30 anos de exis­tên­cia. Qual é o se­gre­do pa­ra che­ga­rem a es­te pa­ta­mar chei­os de “saú­de”?

Jo­sé Al­ber­to Cai­res: O se­gre­do são os va­lo­res e os prin­cí­pi­os que ser­vi­ram de ali­cer­ce pa­ra to­do o tra­ba­lho de­sen­vol­vi­do nes­tas úl­ti­mas três dé­ca­das: éti­ca, trans­pa­rên­cia, qua­li­da­de, com­pro­mis­so, in­te­gri­da­de, efi­ci­ên­cia, ino­va­ção e sus­ten­ta­bi­li­da­de.

OP: Con­tem-nos a his­tó­ria do Gru­po Al­ber­to Ocu­lis­ta.

JAC: Tu­do começou nu­ma lo­ja mo­des­ta e de es­pa­ço mui­to re­du­zi­do. Aos pou­cos, e sem­pre pres­tan­do o me­lhor ser­vi­ço pos­sí­vel aos cli­en­tes que ti­nha na al­tu­ra, o cres­ci­men­to foi na­tu­ral e cons­tan­te nos anos que se se­gui­ram.

OP: Nes­te mo­men­to, pos­su­em lo­jas na Ma­dei­ra, Aço­res, Al­gar­ve e, há cer­ca de dois me­ses, abri­ram na Fi­guei­ra da Foz. É vos­so ob­je­ti­vo con­ti­nu­ar a cres­cer?

Mi­guel Cai­res: A es­tra­té­gia de cres­ci­men­to tem si­do sus­ten­ta­da atra­vés do tra­ba­lho diá­rio e de opor­tu­ni­da­des que vão sur­gin­do. Não exis­te, nem nun­ca exis­tiu, qual­quer pla­no pa­ra o Gru­po sair da Re­gião Au­tó­no­ma da Ma­dei­ra. Po­rém, es­ta­mos sem­pre aten­tos a even­tu­ais apos­tas que se­jam uma mais-va­lia pa­ra nós, as­sim co­mo pa­ra os nos­sos cli­en­tes.

OP: Tra­ba­lham com pú­bli­cos mui­tos dis­tin­tos, a ní­vel ge­o­grá­fi­co. Quais as mai­o­res di­fe­ren­ças que en­con­tram en­tre os cli­en­tes de ca­da re­gião?

MC: Cu­ri­o­sa­men­te, as di­fe­ren­ças são mui­to pou­cas. En­con­tra­mos sem­pre cli­en­tes com um grau de exi­gên­cia e sa­tis­fa­ção mui­to ele­va­dos, in­de­pen­den­te­men­te da sua re­gião. Os nos­sos cli­en­tes são da­que­les que vi­e­ram

pa­ra fi­car. São bem re­ce­bi­dos e ten­ta­mos dar­lhes tu­do o que pre­ci­sam, não só na par­te téc­ni­ca, mas tam­bém a ní­vel co­mer­ci­al.

OP: Têm tam­bém al­gu­mas óp­ti­cas em Mo­çam­bi­que. Que im­por­tân­cia as­su­me o mer­ca­do ex­ter­no pa­ra a vos­sa em­pre­sa?

JAC: Mo­çam­bi­que cons­ti­tui uma opor­tu­ni­da­de de ne­gó­cio. Uma opor­tu­ni­da­de de cres­cer e de di­ver­si­fi­car o nos­so mer­ca­do. Qu­an­do fo­mos pa­ra lá, há cer­ca de 14 anos, an­te­ci­pá­mos uma pos­sí­vel cri­se. Fo­mos com qua­li­da­de téc­ni­ca e co­me­çá­mos a fa­zer tra­ba­lhos que lá não se fa­zi­am. Foi por is­so que ti­ve­mos re­al­men­te su­ces­so.

OP: Mas acham que o fu­tu­ro do se­tor da óp­ti­ca pas­sa pe­la in­ter­na­ci­o­na­li­za­ção?

JAC: Os tem­pos não são eco­no­mi­ca­men­te fa­vo­rá­veis, de­vi­do à de­li­ca­da si­tu­a­ção do país. Des­ta for­ma, in­ves­tir nou­tra na­ção po­de re­pre­sen­tar a sus­ten­ta­bi­li­da­de da es­tru­tu­ra já exis­ten­te. Ten­do em con­ta que já te­mos um bom su­por­te em Ma­pu­to, te­mos con­se­gui­do ul­tra­pas­sar os úl­ti­mos de­sa­fi­os.

OP: Há cer­ca de um ano, pas­sa­ram a per­ten­cer ao gru­po Op­ti­ca­lia. Quais as mais-va­li­as des­ta par­ce­ria?

MC: Es­ta par­ce­ria “ofe­re­ce” um mai­or apoio ao ní­vel da co­mu­ni­ca­ção e do mar­ke­ting, per­mi­tin­do-nos ter uma ex­po­si­ção mais abran­gen­te dos nos­sos ser­vi­ços.

OP: Con­si­de­ram que o ca­mi­nho é no sen­ti­do de os óp­ti­cos in­de­pen­den­tes se jun­ta­rem a gran­des gru­pos de óp­ti­ca?

MC: Pen­sa­mos que sim. A Op­ti­ca­lia, por exem­plo, é um gru­po que ga­ran­te ex­ce­len­tes mar­cas in­ter­na­ci­o­nais ex­clu­si­vas e a um pre­ço atra­ti­vo. O es­tar pre­sen­te nos ‘media' é tam­bém mui­to im­por­tan­te,

al­go que se­ria di­fí­cil de re­a­li­zar sem es­tar as­so­ci­a­do a um gran­de gru­po.

OP: Afir­ma­ram, em entrevista ao Diá­rio de No­tí­ci­as da Ma­dei­ra, que o Gru­po Al­ber­to Ocu­lis­ta es­tá en­tre os três prin­ci­pais ‘players’ des­ta área de ati­vi­da­de a ní­vel na­ci­o­nal. O que sen­tem por es­ta­rem en­tre os me­lho­res de Por­tu­gal?

JAC: Sen­ti­mos a res­pon­sa­bi­li­da­de e o com­pro­mis­so de con­ti­nu­ar a ex­ce­der as ex­pec­ta­ti­vas de to­dos os nos­sos cli­en­tes. Sem­pre nos pau­tá­mos por uma po­lí­ti­ca com­ple­ta­men­te cen­tra­da no cli­en­te. E quer is­to di­zer que é o pró­prio cli­en­te que nos obri­ga a evo­luir.

OP: Já ago­ra, o que sig­ni­fi­cou pa­ra vo­cês o pré­mio atri­buí­do pe­la nos­sa re­vis­ta, em 2012?

MC: O pré­mio atri­buí­do por vós há cer­ca de dois anos, além de re­pre­sen­tar uma enor­me ale­gria e um gran­de or­gu­lho, é o re­co­nhe­ci­men­to e o re­sul­ta­do da sa­tis­fa­ção dos nos­sos cli­en­tes e da de­di­ca­ção dos nos­sos co­la­bo­ra­do­res. Es­ta dis­tin­ção de­ve­se, sem dú­vi­da, à qua­li­da­de do ser­vi­ço que prestamos com o Gru­po Al­ber­to Ocu­lis­ta.

OP: Que men­sa­gem gos­ta­ri­am de dei­xar aos vos­sos cli­en­tes e a to­dos os nos­sos lei­to­res, vos­sos co­le­gas de pro­fis­são?

JAC: Aos nos­sos cli­en­tes, que­re­mos agra­de­cer a con­fi­an­ça e a fi­de­li­da­de de­mons­tra­das ao lon­go des­tes 30 anos, apro­vei­tan­do es­ta opor­tu­ni­da­de pa­ra ex­pres­sar o sin­ce­ro de­se­jo e a fir­me de­ter­mi­na­ção de tu­do fa­zer pa­ra con­ti­nu­ar­mos me­re­ce­do­res des­ta con­fi­an­ça. A to­dos os co­le­gas, trans­mi­tir a men­sa­gem de que exer­çam o sua pro­fis­são com o ob­je­ti­vo de su­pe­ra­rem as ex­pec­ta­ti­vas dos cli­en­tes, mas sem­pre de for­ma le­al e dig­na. Com a saú­de vi­su­al não se brin­ca!

A equi­pa do Gru­po Al­ber­to Ocu­lis­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.