Entrevista: Nu­no Pedro, As­tu­to Soft­ware

Opticapro - - Sumário -

A As­tu­to Soft­ware é uma em­pre­sa de Vi­seu vol­ta­da pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to de pro­gra­mas e in­for­má­ti­ca, pa­ra a ver­ten­te do co­mér­cio. O seu mais re­cen­te pro­je­to é o Es­pe­lho As­tu­to, uma apli­ca­ção ex­clu­si­va pa­ra o mer­ca­do da Óp­ti­ca que, en­tre mui­tas ou­tras fun­ções, aju­da o uti­li­za­dor na es­co­lha de ócu­los e no tes­te de len­tes de con­tac­to co­lo­ri­das. Fun­ci­o­nal 24 ho­ras e apli­cá­vel a ecrãs ‘tou­ch’ em pe­des­tais ou me­sas de aten­di­men­to, pro­me­te ser uma fer­ra­men­ta de tra­ba­lho útil. A Óp­ti­caP­ro fa­lou com Nu­no Pedro, o res­pon­sá­vel pe­la em­pre­sa, que ex­pli­cou ao cer­to em que con­sis­te es­ta tec­no­lo­gia.

Óp­ti­caP­ro: Co­mo ca­rac­te­ri­za o Es­pe­lho As­tu­to? Nu­no Pedro:

Sim­pli­ci­da­de é, in­dis­cu­ti­vel­men­te, a pa­la­vra de or­dem, des­de as fun­ci­o­na­li­da­des da apli­ca­ção até à ins­ta­la­ção. É uma apli­ca­ção ab­so­lu­ta­men­te au­tó­no­ma. O sis­te­ma ‘wi­re­less' per­mi­te um aces­so re­mo­to, tam­bém sim­pli­fi­ca­do.

OP: Porquê a ên­fa­se na sim­pli­ci­da­de? NP:

No­tá­mos um “pro­ble­ma”, não no­vo pa­ra nós. É o fac­to de ter­mos equi­pa­men­tos que, mui­tas ve­zes, pos­su­em va­lên­ci­as que aca­bam por não ser uti­li­za­das, da­da a sua com­ple­xi­da­de. É por es­te mo­ti­vo que já man­da­mos os nos­sos pro­du­tos pa­ra o cli­en­te com uma “ba­te­ria” de so­lu­ções, que faz com que o sis­te­ma fi­que lo­go dis­po­ní­vel.

OP: Co­mo fun­ci­o­na a pu­bli­ci­da­de no Es­pe­lho As­tu­to?

NP: Pa­ra quem qui­ser cri­ar uma cam­pa­nha, pro­duz-se to­do o pro­je­to no Es­pe­lho. Nós já for­ne­ce­mos um con­jun­to de ima­gens de mar­cas trans­ver­sais a to­do o se­tor da Óp­ti­ca, tra­ba­lha­das em al­ta re­so­lu­ção ‘Full HD', co­mo tam­bém al­guns fil­mes. Por exem­plo, po­de­mos fa­zer uma pas­sa­gem de ‘sli­des', mui­to sim­ples de ope­rar sem ser ne­ces­sá­rio, co­mo cos­tu­mo di­zer, ir ti­rar um cur­so a Es­pa­nha. Bas­ta ter nu­ma ‘pen', dois ou três to­ques com o de­do no ecrã e tem lo­go uma cam­pa­nha a ro­dar. Se qui­ser­mos al­go mais avan­ça­do, tam­bém po­de­mos ir mais lon­ge.

OP: De que for­ma o Es­pe­lho As­tu­to po­de aju­dar na es­co­lha de ócu­los? NP:

Exis­tem dois seg­men­tos mui­to bem re­sol­vi­dos pe­la apli­ca­ção. O pri­mei­ro diz res­pei­to àque­las pes­so­as com al­tas gra­du­a­ções. Co­mo tal, pa­ra ex­pe­ri­men­ta­rem os ócu­los, ti­ram os que usam e dei­xam de ver tão bem. O que acon­te­ce é que le­vam al­guém que as aju­da na es­co­lha da ar­ma­ção. O ou­tro seg­men­to, mais avan­ça­do e in­for­ma­do, mas com um se­não, é que exis­tem mui­tas pes­so­as que ti­ram fo­to­gra­fi­as com o te­le­mó­vel, iPad,

‘ta­blet'... que­rem ver co­mo fi­cam os ócu­los. Os óp­ti­cos con­fir­ma­ram-me que é uma si­tu­a­ção re­cor­ren­te. Po­rém, são dis­po­si­ti­vos ex­ter­nos à lo­ja, uma in­va­são da pri­va­ci­da­de. Com o Es­pe­lho As­tu­to não é bem as­sim. Pa­ra co­me­çar, exis­te uma re­la­ção in­trín­se­ca à óp­ti­ca e, por ou­tro la­do, o ‘soft­ware' po­de ser uti­li­za­do per­fei­ta­men­te pe­lo cli­en­te fi­nal, de for­ma au­tó­no­ma. Uti­li­za o apa­re­lho da lo­ja e há um con­tro­lo das fo­to­gra­fi­as pa­ra am­bas as par­tes.

OP: A As­tu­to Soft­ware abriu um no­vo cen­tro de as­sis­tên­cia em Coimbra, em no­vem­bro do ano pas­sa­do. Porquê? NP:

Te­ve a ver com uma ne­ces­si­da­de de au­men­tar a ca­pa­ci­da­de de as­sis­tên­cia téc­ni­ca. Por um la­do, que­re­mos ter ca­pa­ci­da­de de res­pos­ta pa­ra to­dos es­tes pe­di­dos e, por ou­tro, pre­ten­de­mos es­tar mais per­to de zo­nas ge­o­grá­fi­cas di­fe­ren­tes. Com is­so, re­sol­ve­mos os pro­ble­mas de âm­bi­to mais re­gi­o­nal, co­mo tam­bém do pon­to de vis­ta do tem­po de res­pos­ta aos nos­sos cli­en­tes. Is­to per­mi­te-nos ba­lan­ce­ar os pe­di­dos en­tre os cen­tros e, com is­so, ser­mos mais efi­ci­en­tes.

OP: Co­mo é que fun­ci­o­na o ser­vi­ço de cli­en­tes? NP:

Sim­ples! Após o con­tac­to, é de­sen­ca­de­a­do um pro­ces­so que nos per­mi­te afe­rir da ur­gên­cia e, com is­so, res­pon­der em con­for­mi­da­de. Es­tá no nos­so ADN a cul­tu­ra de as­sis­tên­cia. Ho­je, o con­cei­to de uti­li­za­ção da fer­ra­men­ta de ges­tão pou­co tem a ver com a as­sis­tên­cia de há 15 anos atrás. Exis­te uma exi­gên­cia mui­to mai­or, por­que o mer­ca­do com­pe­ti­ti­vo em que vi­ve­mos a is­so obri­ga.

Nu­no Pedro

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.