Re­por­ta­gem: Associativismo na Óp­ti­ca

Em qual­quer se­tor de ati­vi­da­de, fa­la-se mui­to na ques­tão da união e de­su­nião, das as­so­ci­a­ções e par­ce­ri­as, dos gru­pos eco­nó­mi­cos, da con­cor­rên­cia, en­tre ou­tros as­pe­tos “po­lí­ti­cos” e comerciais sub­ja­cen­tes. E no ca­so da Óp­ti­ca (com to­das as áre­as con­tí­guas

Opticapro - - Sumário -

Pa­ra o pri­mei­ro pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção de Pro­fis­si­o­nais Li­cen­ci­a­dos de Op­to­me­tria (APLO), a Óp­ti­ca ten­de a ser um se­tor “de­su­ni­do”. Al­guns anos de­pois de ter­mi­nar o cur­so de Op­to­me­tria, Mi­guel Ro­cha - jun­ta­men­te com ou­tros co­le­gas - im­ple­men­tou a as­so­ci­a­ção, sur­gin­do as­sim em 1998, com o ob­je­ti­vo de cri­ar uma or­ga­ni­za­ção in­de­pen­den­te que re­pre­sen­tas­se os op­to­me­tris­tas li­cen­ci­a­dos, que pro­mo­ves­se e ze­las­se pe­la Op­to­me­tria, en­quan­to pro­fis­são dos cuidados de saú­de pri­má­ri­os pa­ra a vi­são, e que fos­se o ga­ran­te da ex­ce­lên­cia na pres­ta­ção de cuidados op­to­mé­tri­cos. “Po­rém, lo­go na al­tu­ra, no­ta­vam-se pou­cas par­ce­ri­as. No fun­do, to­dos que­ri­am fa­zer al­gu­ma coi­sa, mas nin­guém fa­zia na­da. Ain­da ho­je, se é pre­ci­so tra­tar de al­gum te­ma ou de re­sol­ver al­go na Óp­ti­ca, apa­re­cem sem­pre as mes­mas pes­so­as. Es­te se­tor tem mi­lha­res de pro­fis­si­o­nais, mas são sem­pre os mes­mos (pou­cos) que apa­re­cem e dis­cu­tem os pro­ble­mas... é um pro­ble­ma da Óp­ti­ca”, con­fes­sou-nos em entrevista. O res­pon­sá­vel, que es­te­ve à fren­te dos des­ti­nos da APLO du­ran­te três anos, dis­se ain­da que, “com tan­tas as­so­ci­a­ções e gru­pos óp­ti­cos exis­ten­tes em Por­tu­gal, é im­pos­sí­vel exis­ti­rem par­ce­ri­as. Há as­so­ci­a­ções que não con­se­guem ver­se co­mo par­cei­ras de ne­gó­cio. No­to que são gru­pos que só exis­tem por­que co­li­dem uns com os ou­tros. Na mi­nha opi­nião, a dis­per­são de as­so­ci­a­ções não é boa, en­fra­que­ce­nos. A união de­ve­ria vin­gar”. Qu­an­to ao sur­gi­men­to ca­da vez mai­or de gru­pos de óp­ti­ca e for­ne­ce­do­res, Mi­guel Ro­cha re­ve­lou que “não pre­ci­sa­mos da con­cor­rên­cia pa­ra ‘dar ca­bo' do ne­gó­cio. Nós pró­pri­os, den­tro de ‘ca­sa', tra­ta­mos dis­so, quer se­ja da for­ma co­mo aten­de­mos os nos­sos cli­en­tes, quer em re­la­ção às op­ções que fa­ze­mos no que con­cer­ne a for­ne­ce­do­res, ma­te­ri­ais e pro­du­tos que es­co­lhe­mos”. Acres­cen­tou ain­da, em jei­to de de­sa­ba­fo, que, nos seus es­ta­be­le­ci­men­tos, não tra­ta “com en­ti­da­des ou for­ne­ce­do­res que nos seus sub-sis­te­mas de saú­de não acei­tam pres­cri­ções de op­to­me­tris­tas nos con­vé­ni­os de com­par­ti­ci­pa­ções de pró­te­ses ocu­la­res, len­tes, etc.. Nes­te sen­ti­do, des­de que o mer­ca­do elé­tri­co foi li­be­ra­li­za­do, as nos­sas óp­ti­cas dei­xa­ram de ter a ele­tri­ci­da­de for­ne­ci­da pe­la EDP (as­sim co­mo na mi­nha ha­bi­ta­ção), e dei­xá­mos de tra­ba­lhar com en­ti­da­des co­mo o Ba­nif e a Cai­xa Ge­ral de De­pó­si­tos, pe­los mes­mos mo­ti­vos. A ques­tão que se co­lo­ca: se­rá que to­dos os óp­ti­cos se quei­xam e al­guém faz al­gu­ma coi­sa?”.

“Sou de­fen­sor do associativismo”

Por ou­tro la­do, Edu­ar­do Tei­xei­ra acre­di­ta que, “em ter­mos das as­so­ci­a­ções que re­pre­sen­tam os di­fe­ren­tes in­te­res­ses na área da Óp­ti­ca, não ve­jo que exis­ta um nú­me­ro ex­ces­si­vo. Se vir­mos o que se pas­sa nou­tros paí­ses eu­ro­peus têm até mais as­so­ci­a­ções/or­ga­ni­za­ções do que nós. Em Por­tu­gal, exis­te uma as­so­ci­a­ção pa­tro­nal, que re­pre­sen­ta os in­te­res­ses de em­pre­sá­ri­os/em­pre­sas do co­mér­cio da Óp­ti­ca a re­ta­lho, a As­so­ci­a­ção Na­ci­o­nal dos Óp­ti­cos (ANO). Há uma as­so­ci­a­ção que tem co­mo ob­je­ti­vo a união de to­dos os pro­fis­si­o­nais da Óp­ti­ca a re­ta­lho, que é a União Pro­fis­si­o­nal dos Óp­ti­cos Op­to­me­tris­tas Por­tu­gue­ses (UPOOP). E exis­te uma as­so­ci­a­ção que se cons­ti­tuiu pa­ra re­pre­sen­tar os op­to­me­tris­tas li­cen­ci­a­dos, que tra­ba­lham mai­o­ri­ta­ri­a­men­te

na Óp­ti­ca a re­ta­lho, mas não só, e que tem co­mo mis­são a re­gu­la­men­ta­ção da pro­fis­são de Op­to­me­tria e a de­fe­sa dos in­te­res­ses da po­pu­la­ção a cuidados vi­su­ais de qua­li­da­de e pres­ta­dos a tem­po útil, que é APLO. Ten­do em con­si­de­ra­ção es­ta si­tu­a­ção, pos­so di­zer que ain­da exis­te es­pa­ço pa­ra cri­a­ção de mais as­so­ci­a­ções. Por exem­plo, a exis­tên­cia de um sin­di­ca­to pa­ra os tra­ba­lha­do­res do se­tor. Ou, por exem­plo, no ca­so da Op­to­me­tria, uma so­ci­e­da­de ci­en­tí­fi­ca, ape­sar de a APLO per­ten­cer à So­ci­e­da­de Por­tu­gue­sa pa­ra a In­ves­ti­ga­ção e De­sen­vol­vi­men­to em Óp­ti­ca e Fo­tó­ni­ca (SPOF), que é uma so­ci­e­da­de ci­en­tí­fi­ca na área da Óp­ti­ca (Fí­si­ca) e Fo­tó­ni­ca. Es­tou em crer que, quer num ca­so quer nou­tro, os pro­fis­si­o­nais sen­ti­rão ne­ces­si­da­de de se or­ga­ni­za­rem nes­te ti­po de as­so­ci­a­ções que ago­ra não exis­tem. O an­te­ri­or pre­si­den­te da APLO as­su­miu à nos­sa entrevista que é um de­fen­sor do associativismo e do tra­ba­lho co­le­ti­vo na per­se­cus­são de ob­je­ti­vos co­muns. “As van­ta­gens pa­ra a so­ci­e­da­de de uma or­ga­ni­za­ção co­le­ti­va em de­tri­men­to do iso­la­men­to e do in­di­vi­du­a­lis­mo são ób­vi­as. Mas, em con­cre­to e fa­lan­do da ex­pe­ri­ên­cia re­cen­te na APLO, creio que a de­ci­são de um gru­po de pes­so­as com uma vi­são co­mum pa­ra a nos­sa pro­fis­são em se or­ga­ni­za­rem nu­ma as­so­ci­a­ção trou­xe van­ta­gens ób­vi­as pa­ra o se­tor. Ho­je, a Op­to­me­tria é mais co­nhe­ci­da e re­co­nhe­ci­da pe­lo pú­bli­co que sa­be, ape­sar de tu­do, on­de po­de en­con­trar os cuidados vi­su­ais que me­lhor ser­vem os seus in­te­res­ses. A Op­to­me­tria foi co­lo­ca­da na agen­da dos de­ci­so­res po­lí­ti­cos e os avan­ços no ob­je­ti­vo prin­ci­pal da re­gu­la­men­ta­ção são ób­vi­os e sem qual­quer mar­gem pa­ra dú­vi­da”. Edu­ar­do Tei­xei­ra te­ve, du­ran­te oi­to anos, a res­pon­sa­bi­li­da­de de as­su­mir a ta­re­fa de di­ri­gir a APLO com os res­tan­tes co­le­gas do seu ór­gão exe­cu­ti­vo. “É, de fac­to, uma as­so­ci­a­ção di­nâ­mi­ca e jo­vem com for­te ca­rac­te­rís­ti­ca de­mo­crá­ti­ca, on­de os seus as­so­ci­a­dos têm a opor­tu­ni­da­de per­ma­nen­te de de­fi­nir o rumo que que­rem pa­ra a mes­ma. Ao lon­gos dos seus 15 anos, tem vin­do a cres­cer e a afir­mar o seu pa­pel na de­fe­sa da Op­to­me­tria, dos op­to­me­tris­tas e do di­rei­to dos ci­da­dão a cuidados de saú­de vi­su­al de ex­ce­lên­cia em Por­tu­gal”. Por tu­do is­to, o res­pon­sá­vel acre­di­ta na união des­tes pro­fis­si­o­nais. “Ve­jo, no ca­so dos op­to­me­tris­tas, mui­ta união em tor­no dos ob­je­ti­vos e da vi­são que a APLO pre­co­ni­za. Não ve­jo qual­quer de­su­nião nes­te sen­ti­do. Na Óp­ti­ca exis­tem vá­ri­os pro­fis­si­o­nais com ob­je­ti­vos dis­tin­tos e, co­mo tal, não po­de­mos ‘unir' in­te­res­ses que são por ve­zes in­com­pa­tí­veis. Vol­tan­do aos op­to­me­tris­tas, ve­jo ca­da vez mais co­le­gas na APLO a as­so­ci­a­rem­se e a par­ti­ci­pa­rem nas su­as ini­ci­a­ti­vas, o que con­tra­ria es­ta ideia de de­su­nião”.

“A se­pa­ra­ção en­tre in­te­res­ses pro­fis­si­o­nais e comerciais não cria di­vi­são”

Os gru­pos de Óp­ti­ca sur­gem na pers­pe­ti­va de ob­ter mai­o­res van­ta­gens eco­nó­mi­cas, já as as­so­ci­a­ções são uma ex­pres­são de­mo­crá­ti­ca da von­ta­de dos ci­da­dãos e têm nor­mal­men­te

ob­je­ti­vos cla­ros de de­fe­sa de in­te­res­ses de clas­ses. Na Óp­ti­ca exis­tem du­as as­so­ci­a­ções, que, con­for­me os seus es­ta­tu­tos in­di­cam, de­fen­dem os óp­ti­cos: ANO e UPOOP. Já a APLO, foi for­ma­da em de­fe­sa da éti­ca e qua­li­fi­ca­ção pro­fis­si­o­nal dos op­to­me­tris­tas. São pa­la­vras de Jor­ge Ro­cha da Sil­va, o atu­al pre­si­den­te da APLO, ao que acres­cen­ta que “não é pos­sí­vel, nem sau­dá­vel, de­fen­der efe­ti­va­men­te o in­te­res­se co­mer­ci­al do se­tor e o in­te­res­se pú­bli­co da pres­ta­ção de ser­vi­ços pro­fis­si­o­nais da área da saú­de. São in­te­res­ses an­ta­gó­ni­cos que ne­nhu­ma as­so­ci­a­ção vai con­se­guir ge­rir e, por­tan­to, es­tá vo­ta­da ao fra­cas­so. A se­pa­ra­ção dos in­te­res­ses pro­fis­si­o­nais dos comerciais le­va ao en­ten­di­men­to co­mum pe­lo in­te­res­se pú­bli­co e pe­la qua­li­da­de, não cria di­vi­são, cria com­pro­mis­sos. Só as­sim é pos­sí­vel evo­luir, quer o se­tor, quer a so­ci­e­da­de. A meu ver, o pro­ble­ma es­tá no cons­tan­te bom­bar­de­ar des­ta ideia hi­pó­cri­ta da ‘união' fa­lha­da... cria frus­tra­ção e apatia, e per­mi­te man­ter o ‘sta­tus quo'”. De acor­do com res­pon­sá­vel, “o associativismo é uma for­ma ati­va de par­ti­ci­pa­ção cí­vi­ca em de­mo­cra­cia. As as­so­ci­a­ções des­te, ou de qual­quer ou­tro se­tor, se­rão em nú­me­ro igual aos di­fe­ren­tes di­rei­tos e de­ve­res que um de­ter­mi­na­do gru­po de ci­da­dãos en­ten­da que de­fen­de o in­te­res­se do co­le­ti­vo. E o associativismo na APLO é ele­va­dís­si­mo. De­vo lem­brar que a pro­fis­são não es­tá re­gu­la­da e, co­mo tal, a ins­cri­ção na as­so­ci­a­ção não é com­pul­si­va. Por­tan­to, cer­ca de 70 por cen­to dos op­to­me­tris­tas al­gu­ma vez for­ma­dos pe­la Uni­ver­si­da­de do Mi­nho ou pe­la Uni­ver­si­da­de da Bei­ra In­te­ri­or de­ci­diu, li­vre­men­te, as­so­ci­ar-se e su­jei­tar-se a um có­di­go éti­co e de­on­to­ló­gi­co ri­go­ro­sís­si­mo, além da exi­gên­cia de con­ti­nu­a­rem a fa­zer for­ma­ção, tu­do is­to em de­fe­sa da Op­to­me­tria en­quan­to ci­ên­cia e pro­fis­são. Sem des­pri­mor pa­ra qual­quer ou­tra pro­fis­são, pen­so que os op­to­me­tris­tas da APLO de­mons­tram um sen­ti­do pro­fis­si­o­nal que é ra­ro. A au­to-re­gu­la­ção da Op­to­me­tria le­vou à ex­ce­lên­cia dos cuidados de saú­de pri­má­ri­os na área da vi­são”. De fac­to, e tal co­mo re­fe­re Jor­ge Ro­cha da Sil­va, a for­ça de uma as­so­ci­a­ção co­mo a APLO não se me­de ape­nas pe­lo nú­me­ro de as­so­ci­a­dos, mas tam­bém pe­las ações de­sen­vol­vi­das em prol de um ob­je­ti­vo co­le­ti­vo. “O nos­so ob­je­ti­vo prin­ci­pal é a re­gu­la­men­ta­ção da ati­vi­da­de pro­fis­si­o­nal de op­to­me­tris­ta. Na sequên­cia de vá­ri­as reu­niões da APLO com os gru­pos par­la­men­ta­res, sur­ge a apre­sen­ta­ção do pro­je­to de re­so­lu­ção 668/XII, que re­co­men­da ao Go­ver­no a re­gu­la­men­ta­ção da Op­to­me­tria. En­tre­gá­mos ao Go­ver­no, em audiências com vá­ri­os mi­nis­té­ri­os, o pri­mei­ro Pro­je­to de Lei pa­ra a Re­gu­la­men­ta­ção da Op­to­me­tria em Por­tu­gal, apro­va­do na mais par­ti­ci­pa­da As­sem­bleia Ge­ral de sem­pre em Coimbra. Is­to só vem de­mons­trar a for­ça do associativismo, ele fun­ci­o­na e es­tá vi­vo”.

Óp­ti­ca / Op­to­me­tria

Mi­guel Ro­cha

Edu­ar­do Tei­xei­ra

Jor­ge Ro­cha da Sil­va

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.