Entrevista: Luís Vieira, Ocu­larEyeCa­re

Opticapro - - Sumário -

“A Ocu­larEyeCa­re é mais do que uma em­pre­sa, é uma fi­lo­so­fia de vi­da, uma bus­ca cons­tan­te pe­lo sa­ber e do­mí­nio da­qui­lo que con­si­de­ra uma ar­te: a Op­to­me­tria”. É es­ta a de­fi­ni­ção da­da pe­los for­ma­do­res da em­pre­sa, dis­po­ní­vel no seu ‘si­te’. Fa­lá­mos com um de­les, Luís Vieira, que nos re­ve­lou que “atu­a­li­zar e me­lho­rar a for­ma­ção dos pro­fis­si­o­nais da área, com vis­ta a pre­pa­rá-los con­ti­nu­a­men­te pa­ra os de­sa­fi­os do seu exer­cí­cio pro­fis­si­o­nal, é o gran­de ob­je­ti­vo da Ocu­larEyeCa­re”.

Óp­ti­caP­ro: An­tes de mais, o que é a Ocu­larEyeCa­re?

Luís Vieira: O pro­je­to já exis­te des­de 2007, em Avei­ro, e é fru­to de uma equi­pa de es­pe­ci­a­lis­tas da área que, ao lon­go dos úl­ti­mos anos, tem vin­do a uti­li­zar no­vas abor­da­gens, no­vas téc­ni­cas, re­cor­ren­do à tec­no­lo­gia de pon­ta no se­tor, pri­vi­le­gi­an­do o co­nhe­ci­men­to, a qua­li­da­de e o ri­gor. Con­ce­bi­da com vá­ri­os ob­je­ti­vos, a for­ma­ção é sem dú­vi­da o fo­co que es­te­ve na sua ori­gem, bem co­mo a ne­ces­si­da­de de ma­te­ri­a­li­zar uma ofer­ta pe­la qual es­ta área há mui­to es­pe­ra. Ou se­ja, a Ocu­larEyeCa­re as­sen­ta, so­bre­tu­do, na for­ma­ção de pro­fis­si­o­nais na área dos cuidados pri­má­ri­os de saú­de vi­su­al.

OP: Quem são exa­ta­men­te es­ses pro­fis­si­o­nais?

LV: Op­to­me­tris­tas, or­top­tis­tas, téc­ni­cos de óp­ti­ca ocu­lar, téc­ni­cos de ven­da, ges­to­res do ne­gó­cio da óp­ti­ca e, tam­bém, of­tal­mo­lo­gis­tas. Que­re­mos fa­ci­li­tar a prá­ti­ca diá­ria des­tes pro­fis­si­o­nais, do­tá-los de “fer­ra­men­tas” úteis pa­ra o seu tra­ba­lho.

OP: E co­mo fun­ci­o­nam os vos­sos cur­sos?

LV: En­quan­to em­pre­sa cer­ti­fi­ca­da pe­la DGERT co­mo en­ti­da­de for­ma­do­ra na área, te­mos de­fi­ni­do um con­jun­to de pro­to­co­los, nas áre­as téc­ni­ca, re­cur­sos hu­ma­nos e de pro­ce­di­men­to, que cum­pri­mos e que nos aju­dam a man­ter al­tos pa­drões de qua­li­da­de que de res­to são per­ce­tí­veis pe­lo mer­ca­do. Con­se­gui­mos as­sim dar con­ti­nui­da­de ao tra­ba­lho dos úl­ti­mos se­te anos, co­mo en­ti­da­de de re­fe­rên­cia na for­ma­ção de pro­fis­si­o­nais dos cuidados pri­má­ri­os de saú­de vi­su­al e Óp­ti­ca. Co­mo exem­plo, os re­cém-li­cen­ci­a­dos em Op­to­me­tria, qu­an­do ter­mi­nam a sua for­ma­ção aca­dé­mi­ca, sen­tem al­gu­mas la­cu­nas em re­la­ção à ver­ten­te prá­ti­ca. Com a im­ple­men­ta­ção do Pro­ces­so de Bo­lo­nha, es­tes alu­nos pas­sa­ram a ter me­nos au­las prá­ti­cas du­ran­te a sua for­ma­ção. Exis­te aqui um ‘gap' mui­to gran­de en­tre o ‘knowhow' que eles têm e a di­fi­cul­da­de na exe­cu­ção prá­ti­ca, no con­tac­to com o pa­ci­en­te. Pas­sá­mos en­tão a acom­pa­nhar es­tes re­cém-li­cen­ci­a­dos, quer os fi­na­lis­tas de li­cen­ci­a­tu­ra, quer os de mes­tra­do. Pa­ra além dis­so, de­sen­vol­ve­mos a pri­mei­ra pós-gra­du­a­ção cem por cen­to por­tu­gue­sa na área da Op­to­me­tria clí­ni­ca, em par­ce­ria com a Uni­ver­si­da­de da Bei­ra In­te­ri­or (UBI). Pas­sá­mos tam­bém a pres­tar uma mai­or aten­ção ao uni­ver­so Óp­ti­ca. Ou se­ja, de que adi­an­ta ter­mos ex­ce­len­tes pro­fis­si­o­nais no ga­bi­ne­te/con­sul­tó­rio se a aqui­si­ção da te­ra­pêu­ti­ca é mal exe­cu­ta­da? De­ci­di­mos, por is­so, de­sen­vol­ver for­ma­ções es­pe­cí­fi­cas pa­ra os téc­ni­cos de óp­ti­ca ocu­lar e pa­ra as pes­so­as que es­tão no ‘front of­fi­ce' da óp­ti­ca e tra­tam das ven­das. Com es­ta re­ci­cla­gem de co­nhe­ci­men­tos, to­dos ga­nham: a Óp­ti­ca e o con­su­mi­dor fi­nal.

OP: Qu­an­to tem­po du­ram as for­ma­ções?

LV: De­pen­de dos mó­du­los e do pú­bli­co­al­vo. Os re­cém-li­cen­ci­a­dos es­tão con­nos­co três me­ses con­se­cu­ti­vos, em ho­rá­rio la­bo­ral (cin­co di­as por se­ma­na, oi­to ho­ras por dia). É um cur­so mui­to in­ten­so, com ava­li­a­ção de um ca­so clí­ni­co no fi­nal. Os cur­sos pa­ra as pes­so­as que vêm de fo­ra du­ram 30 di­as, tam­bém em ho­rá­rio la­bo­ral. De­pois, te­mos os cur­sos téc­ni­cos que du­ram um fim de

se­ma­na e de­cor­rem uma vez por mês. São os cha­ma­dos “cur­sos ba­se” de al­gu­mas áre­as.

OP: Co­mo as­sim, “cur­sos ba­se”?

LV: As nos­sas for­ma­ções são de atu­a­li­za­ção de co­nhe­ci­men­tos, fun­ci­o­nam co­mo um com­ple­men­to. Nun­ca ti­ve­mos in­te­res­se em abrir cur­sos pa­ra pes­so­as que não per­ten­cem ao mun­do da Óp­ti­ca, que não co­nhe­cem na­da da área. O que fi­ze­mos, até ago­ra, foi do­tar al­guns pro­fis­si­o­nais de mais ca­pa­ci­da­des. Há óp­ti­cas que nos con­tac­tam re­gu­lar­men­te, no sen­ti­do de po­ten­ci­ar um no­vo co­la­bo­ra­dor. Is­to é, de­pois de o con­tra­ta­rem, pre­ten­dem que ad­qui­ra lo­go mais co­nhe­ci­men­to. Res­pon­de­mos, as­sim, às ne­ces­si­da­des do mer­ca­do.

OP: As em­pre­sas tam­bém so­li­ci­tam os vos­sos ser­vi­ços?

LV: Sim. Te­mos um con­tac­to for­te com o te­ci­do em­pre­sa­ri­al, par­ti­cu­lar­men­te com os la­bo­ra­tó­ri­os da área da vi­são. So­mos con­tra­ta­dos pa­ra de­sen­vol­ver­mos in­ter­na­men­te a for­ma­ção so­li­ci­ta­da, por me­di­da, de acor­do com o ‘tar­get' que te­mos à fren­te. So­mos tam­bém so­li­ci­ta­dos por gru­pos de óp­ti­ca, que nos pe­dem pa­ra ava­li­ar­mos o mer­ca­do e, pos­te­ri­or­men­te, es­ta­be­le­cer­mos o con­teú­do por­gra­má­ti­co que va­mos co­lo­car em prá­ti­ca com es­ses pro­fis­si­o­nais. Im­ple­men­ta­mos pro­to­co­los que os fa­çam fa­lar a mes­ma lin­gua­gem, que per­mi­ta à em­pre­sa uma mai­or ren­ta­bi­li­da­de e que pos­si­bi­li­te um bom aten­di­men­to aos pa­ci­en­tes. O ser­vi­ço faz to­da a di­fe­ren­ça, por­que o pro­du­to, es­se, es­tá ba­na­li­za­do.

OP: De que for­ma as pes­so­as po­dem che­gar até vós, ins­cre­ve­rem-se nas for­ma­ções?

LV: No nos­so ‘si­te' (www.ocu­lareyeca­re.pt), os pro­fis­si­o­nais po­dem ace­der aos cur­sos que lan­ça­mos. Te­mos, aliás, uma ex­ce­len­te pla­ta­for­ma de e-le­ar­ning, on­de po­dem ver inú­me­ras op­ções, dis­cu­tir ca­sos... tem fun­ci­o­na­do mui­to bem, quer em Por­tu­gal, quer nos Paí­ses de Lín­gua Ofi­ci­al Por­tu­gue­sa, com quem te­mos tra­ba­lha­do. Há dois

anos, por exem­plo, re­ce­be­mos alu­nos do Bra­sil, que nos co­nhe­ce­ram pe­la in­ter­net.

OP: É vos­sa in­ten­ção in­ter­na­ci­o­na­li­zar a Ocu­larEyeCa­re?

LV: Já te­mos ins­ta­la­ções em Lu­an­da, An­go­la. Nu­ma pri­mei­ra fa­se, fo­mos con­vi­da­dos pa­ra apoi­ar - atra­vés da or­ga­ni­za­ção não go­ver­na­men­tal In­ter­na­ti­o­nal Cen­tre for Eye Ca­re Edu­ca­ti­on, ho­je Bri­en Hol­den Vi­si­on Ins­ti­tu­te - o pri­mei­ro, e úni­co, cur­so su­pe­ri­or de Op­to­me­tria em Mo­çam­bi­que, le­ci­o­na­do na Uni­ver­si­da­de de Lú­rio, em Nam­pu­la. Na al­tu­ra, des­lo­cá­mos um mem­bro da nos­sa equi­pa pa­ra lá e a tra­du­ção da ge­ne­ra­li­da­de dos con­teú­dos da li­cen­ci­a­tu­ra, bem co­mo o de­sen­vol­vi­men­to de ou­tros con­teú­dos, foi fei­ta em Avei­ro. Há qua­tro anos, lan­çá­mos as pri­mei­ras se­men­tes de um pro­je­to pró­prio em An­go­la. Anu­al­men­te, al­guns alu­nos an­go­la­nos des­lo­ca­vam-se a Por­tu­gal. Pro­cu­ra­vam-nos pa­ra po­ten­ci­ar o seu ‘know- how' na área da Óp­ti­ca. Os re­sul­ta­dos fo­ram tão po­si­ti­vos, e a pro­cu­ra tão gran­de, que aca­bá­mos por inau­gu­rar a Ocu­larEyeCa­re An­go­la, em­pre­sa an­go­la­na. Ho­je, já é uma re­a­li­da­de, já te­mos uma es­tru­tu­ra e uma equi­pa re­si­den­te que dá apoio ao se­tor pri­va­do da Óp­ti­ca, na área da for­ma­ção de qu­a­dros, co­mo na con­sul­to­ria de im­ple­men­ta­ção de pro­je­tos. Tam­bém no se­tor pú­bli­co, atra­vés de es­tru­tu­ras do Es­ta­do, es­ta­mos já a apor­tar co­nhe­ci­men­to a pro­fis­si­o­nais da área da saú­de com in­ter­ven­ção es­pe­cí­fi­ca na saú­de vi­su­al. Des­ta for­ma, te­mos dois pó­los: Avei­ro e Lu­an­da.

OP: Por fim, qual é a vos­sa fi­lo­so­fia?

LV: Te­mos as nos­sas fer­ra­men­tas e o nos­so mé­to­do. En­si­na­mos a nos­sa área, aque­la que exer­ce­mos di­a­ri­a­men­te. To­dos os pro­fis­so­nais da Ocu­larEyeCa­re, sem ex­ce­ção, pa­ra além de de­sen­vol­ve­rem os con­teú­dos es­cri­tos, tra­ba­lham di­a­ri­a­men­te co­mo op­to­me­tris­tas. São pes­so­as que es­tão no ter­re­no e es­te fa­tor é mui­to im­por­tan­te. É uma mais-va­lia pa­ra to­dos os que “es­tu­dam” con­nos­co.

Luís Vieira

Luís Vieira (op­to­me­tris­ta), En­dri­na Fer­rer (téc­ni­ca de óp­ti­ca ocu­lar),

Filipa San­tos (op­to­me­tris­ta) e Mi­ca­e­la Reis (op­to­me­tris­ta)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.