II In­ter­na­ti­o­nal Con­fe­ren­ce on Ap­pli­ca­ti­ons of Op­tics and Pho­to­nics 2014

Opticapro - - Sumário -

Já pas­sa­ram três anos des­de a pri­mei­ra edi­ção, em Bra­ga, que al­can­çou su­ces­so ime­di­a­to gra­ças à par­ti­cu­la­ri­da­de da te­má­ti­ca tra­ta­da. A apos­ta na pro­mo­ção da par­ti­lha de co­nhe­ci­men­tos, em es­pe­ci­al com a Sum­mer Scho­ol e a par­ce­ria com a con­fe­rên­cia RIAO/ OPTILAS, con­vi­da­dos pa­les­tran­tes de re­no­me in­ter­na­ci­o­nal e um pro­gra­ma so­ci­al de destaque, foi com­ple­ta­men­te ga­nha. Aper­fei­ço­ou-se a fór­mu­la em Avei­ro e, sem sur­pre­sas, a II In­ter­na­ti­o­nal Con­fe­ren­ce on Ap­pli­ca­ti­ons of Op­tics and Pho­to­nics (AOP) foi no­va­men­te uma vi­tó­ria pa­ra a or­ga­ni­za­ção, es­pe­lha­da nos cer­ca de 210 con­gres­sis­tas pre­sen­tes nes­tes cin­co di­as.

A or­ga­ni­za­ção as­su­me em ple­no a fun­ção de pro­mo­ver a Óp­ti­ca e a Fo­tó­ni­ca por to­do o mun­do, a par­tir de Por­tu­gal. Mais re­cen­te­men­te, no Me­liá Ria Ho­tel & Spa, com vá­ri­as ses­sões ci­en­tí­fi­cas de 12 mi­nu­tos e ou­tras de con­vi­da­dos de 20 mi­nu­tos. O gran­de destaque re­caiu nas se­te pa­les­tras ple­ná­ri­as. Man­te­ve-se o for­ma­to de dois mo­men­tos des­tes em ca­da dia (de ma­nhã e de tar­de), de 45 mi­nu­tos, on­de um pro­fis­si­o­nal de ele­va­do re­co­nhe­ci­men­to in­ter­na­ci­o­nal de­sen­vol­veu um tó­pi­co da sua es­pe­ci­a­li­da­de. Ao to­do fo­ram 24 con­vi­da­dos in­ter­na­ci­o­nais, re­co­nhe­ci­dos pe­lo seu tra­ba­lho de ex­ce­lên­cia, sen­do que en­tre to­dos os par­ti­ci­pan­tes es­ti­ve­ram re­pre­sen­ta­dos 39 paí­ses, des­de Ja­pão, Es­pa­nha, Es­ta­dos Uni­dos da Amé­ri­ca, Colôm­bia, Sué­cia, Áfri­ca do Sul, México, Ale­ma­nha, Bra­sil, Tu­ní­sia, Emi­ra­dos Ára­bes Uni­dos e Suíça, en­tre ou­tros. Em to­das as apre­sen­ta­ções, hou­ve tem­po pa­ra per­gun­tas da pla­teia e res­pos­tas dos ora­do­res. Além das pa­les­tras, foi pos­sí­vel as­sis­tir a uma sé­rie de ‘pos­ters’ e co­mu­ni­ca­ções li­vres, co­mo tam­bém aten­der a al­guns cur­sos. Fo­ram os mo­men­tos em que os es­tu­dan­tes mais par­ti­ci­pa­ram, on­de pu­de­ram apre­sen­tar-se à in­dús­tria com os seus tra­ba­lhos ci­en­tí­fi­cos. Os me­lho­res fo­ram su­jei­tos a pré­mi­os, atri­buí­dos pe­lo In­ter­na­ti­o­nal So­ci­ety for Op­tics and Pho­to­nics (SPIE) (três pré­mi­os), pe­lo Op­ti­cal So­ci­ety of Ame­ri­ca (OSA) Stu­dent Chap­ter da Uni­ver­si­da­de de Avei­ro (dois pré­mi­os), pe­lo SPIE Stu­dent Chap­ter da Uni­ver­si­da­de do Por­to (um pré­mio) e pe­la So­ci­e­da­de Por­tu­gue­sa de Óp­ti­ca e Fo­tó­ni­ca (SPOF) (um pré­mio de me­lhor te­se de doutoramento em Por­tu­gal em 2013 e du­as men­ções hon­ro­sas). Qu­an­to às em­pre­sas ex­po­si­to­ras, en­car­re­ga­ram-se de apre­sen­tar os mais re­cen­tes pro­du­tos, des­de equi­pa­men­to téc­ni­co a ma­te­ri­al de la­bo­ra­tó­rio. Além da ver­ten­te mais ci­en­tí­fi­ca, es­te ti­po de con­fe­rên­ci­as dá a pos­si­bi­li­da­de de os par­ti­ci­pan­tes es­ta­be­le­ce­rem fa­cil­men­te con­tac­tos e cri­a­rem la­ços de ami­za­de. Pa­ra tal, a or­ga­ni­za­ção pro­mo­veu um pro­gra­ma so­ci­al úni­co, des­de lo­go com uma re­ce­ção in­for­mal, pau­ta­da pe­la gas­tro­no­mia por­tu­gue­sa com lei­tão, es­pu­man­te, ba­ca­lhau e do­ces de abó­bo­ra. Os

con­gres­sis­tas pu­de­ram mais tar­de dar uma volta na gôn­do­la “Mo­li­cei­ro” pe­los 27 ca­nais da Ria de Avei­ro, en­quan­to eram ser­vi­dos ovos mo­les, tra­di­ci­o­nal igua­ria des­ta re­gião. O fim des­te pro­gra­ma foi fe­cha­do com cha­ve de ou­ro: um jan­tar nas afa­ma­das Ca­ves Ali­an­ça, com di­rei­to a uma vi­si­ta gui­a­da a es­tas ins­ta­la­ções e a um mo­men­to mu­si­cal, pro­por­ci­o­na­do pe­lo fa­do, opor­tu­ni­da­de pa­ra os con­vi­da­dos es­tran­gei­ros en­ten­de­ram o porquê de es­te es­ti­lo mu­si­cal ser con­si­de­ra­do pa­tri­mó­nio mun­di­al pe­la UNESCO. Os es­tu­dan­tes ti­ve­ram um dia pró­prio, mais in­for­mal – o chur­ras­co de 29 de maio.

“Es­ta con­fe­rên­cia in­se­re-se nu­ma di­nâ­mi­ca que a So­ci­e­da­de Por­tu­gue­sa de Óp­ti­ca e Fo­tó­ni­ca tem pre­mi­a­do des­de que foi cri­a­da: apro­xi­mar to­dos os co­le­gas por­tu­gue­ses da área, mas tam­bém in­se­rir na mes­ma equa­ção os co­lé­gi­os in­ter­na­ci­o­nais de al­to ní­vel”, dis­se-nos Ro­gé­rio No­guei­ra, vi­ce-pre­si­den­te da SPOF e da co­mis­são or­ga­ni­za­do­ra des­te even­to, jun­ta­men­te com Ma­nu­el Fi­li­pe Cos­ta, o pre­si­den­te. “O ob­je­ti­vo foi, as­sim, jun­tar pes­so­as de to­do o mun­do, de áre­as tão di­ver­sas des­de a op­to­me­tria, ci­rur­gia a la­ser, fi­bra óp­ti­ca, ho­lo­gra­fia, en­tre ou­tras”. As par­ce­ri­as com a SPIE, a OSA e a In­ter­na­ti­o­nal Com­mis­si­on for Op­tics (ICO) são exem­plo dis­so. Ta­ma­nha di­ver­si­da­de não ti­rou pro­ta­go­nis­mo a Por­tu­gal, ten­do em con­ta que foi a na­ci­o­na­li­da­de que apre­sen­tou mais au­to­res e co­au­to­res, à fren­te de Es­pa­nha e Bra­sil, res­pe­ti­va­men­te os ou­tros dois paí­ses com mais pro­fis­si­o­nais pre­sen­tes. “Fa­zia fal­ta, em Por­tu­gal, um even­to des­ta di­men­são pa­ra to­das as áre­as da Óp­ti­ca. Fa­zia fal­ta apro­xi­mar os co­le­gas, por­que, mui­tas ve­zes, as pes­so­as tra­ba­lham em áre­as que são di­fe­ren­tes, mas que po­di­am co­la­bo­rar em pon­tos co­muns. Os in­ves­ti­ga­do­res não po­dem vi­ver fe­cha­dos no seu ga­bi­ne­te ou la­bo­ra­tó­rio. A in­ves­ti­ga­ção não se faz a so­lo: faz-se em co­la­bo­ra­ção. Fa­zem-se par­ce­ri­as in­ter­na­ci­o­nais pa­ra con­se­guir com­ple­men­ta­ri­da­de de re­cur­sos ci­en­tí­fi­cos. Daí que te­nha­mos fei­to ques­tão de apro­xi­mar as em­pre­sas às pes­so­as, pa­ra se es­ta­be­le­cer in­te­ra­ção. Por­tu­gal tem ca­pa­ci­da­de pa­ra evo­luir, bas­ta ter ima­gi­na­ção e as par­ce­ri­as cer­tas”, ex­pli­cou o res­pon­sá­vel. Um ou­tro fo­co sub­ja­cen­te à con­fe­rên­cia foi o de gui­ar os jo­vens as­pi­ran­tes a es­tas áre­as ao es­cla­re­ci­men­to. “Os es­tu­dan­tes ter­mi­nam o cur­so e não têm uma no­ção ple­na do que é o mer­ca­do de tra­ba­lho. O ob­je­ti­vo das ses­sões de em­pre­en­de­do­ris­mo (ocor­re­ram no dia 29) é aju­dá-los a trans­for­mar co­nhe­ci­men­tos em pro­du­to e, tam­bém, pa­ten­te­ar idei­as. Foi por es­tes mo­ti­vos que con­vi­dá­mos pes­so­as es­pe­ci­a­lis­tas na área”, ex­pli­cou-nos Ro­gé­rio No­guei­ra. No ge­ral, “cor­reu tu­do con­for­me pla­ne­a­do”. O res­pon­sá­vel con­tou-nos que viu “mo­ti­va­ção e par­ti­ci­pa­ção ade­qua­da por par­te dos con­gres­sis­tas, que fa­zi­am per­gun­tas e es­ta­vam in­te­res­sa­dís­si­mos. Um mo­ti­vo de or­gu­lho pa­ra a or­ga­ni­za­ção”, con­fes­sou.

Es­ta edi­ção po­de es­tar ter­mi­na­da, mas, en­quan­to se es­pe­ra a pró­xi­ma, a Óp­ti­ca e a Fo­tó­ni­ca não pá­ram. Pa­ra 2015, es­tão re­ser­va­das ini­ci­a­ti­vas úni­cas por par­te da SPOF pa­ra to­do o país, na­que­le que se­rá o acla­ma­do Ano In­ter­na­ci­o­nal da Luz.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.