ÓTI­CA E PIN­TU­RA,

Opticapro - - Primeira Página -

Téc­ni­co de óti­ca ocu­lar desde “me­ni­no”, Jo­sé Ve­lo­so des­co­briu na pin­tu­ra uma ou­tra for­ma de se ex­pres­sar. En­ce­tou es­te ca­mi­nho há cer­ca de 10 anos e já expôs vá­ri­os dos seus tra­ba­lhos. Dis­se-nos, em en­tre­vis­ta, que a pin­tu­ra é li­ber­ta­ção, é a fu­são de sen­ti­men­tos, a ex­pe­ri­men­ta­ção de sen­sa­ções. Va­le a pe­na ver e “ab­sor­ver” a tin­ta das su­as te­las. “A pin­tu­ra de Jo­sé Ve­lo­so es­tá pró­xi­ma do abs­tra­ci­o­nis­mo, já que não es­ta­be­le­ce uma re­la­ção ime­di­a­ta en­tre as for­mas e as co­res, co­mo é apa­ná­gio des­ta cor­ren­te de ar­te mo­der­na. A sua pa­le­ta cro­má­ti­ca é de uma den­sa so­bri­e­da­de es­ti­lís­ti­ca, qua­se a to­car o mi­ni­ma­lis­mo, no­tó­ria nos cin­zen­tos dos fun­dos, vi­o­len­ta­men­te cor­ta­da por man­chas de co­res for­tes que lhe dão uma no­tá­vel ex­pres­si­vi­da­de em con­tra­pon­to com os con­tor­nos ne­gros que es­tão na te­la pa­ra su­bli­nha­rem a abs­tra­ção ges­tu­al do dis­cur­so. É uma pin­tu­ra apos­ta­da em pro­vo­car in­qui­e­ta­ção, em obri­gar o olhar a se fi­xar e a re­fle­tir pa­ra além da­qui­lo que ve­mos”. O tam­bém pin­tor Jo­sé Qu­ei­ro­ga des­cre­ve as­sim as obras do ami­go Jo­sé Ve­lo­so. Es­te ar­tis­ta plás­ti­co já não con­se­gue vi­ver sem a pin­tu­ra e acon­se­lha to­dos os co­le­gas a te­rem um hob­bie. “As pes­so­as de­vem vi­ver

pa­ra além do tra­ba­lho, de­vem ex­pres­sar a sua for­ma de es­tar e de ser nou­tra área, se­ja ar­te ou des­por­to. Is­to pro­por­ci­o­na-nos uma ati­tu­de di­fe­ren­te pa­ra en­fren­tar o dia-adia de tra­ba­lho”, afir­mou-nos Jo­sé Ve­lo­so.

Quem é Jo­sé Ve­lo­so?

Nas­ceu em 1969, no Por­to. Ape­sar de ter co­me­ça­do a tra­ba­lhar na área da óti­ca mais ce­do, é téc­ni­co de óti­ca ocu­lar desde 1989, ten­do pas­sa­do por du­as óti­cas por­tu­en­ses. Em 1996, con­cluiu com su­ces­so um cur­so in­ten­si­vo de vi­tri­nis­mo, mi­nis­tra­do pe­la es­co­la pro­fis­si­o­nal Ce­na­tex. “A par­tir daí, ad­qui­ri um gos­to enor­me por es­ta área e tu­do o que en­vol­ve a de­co­ra­ção”, afir­mou Jo­sé Ve­lo­so. Dois anos de­pois, tra­du­ziu es­sa pai­xão pa­ra a pin­tu­ra con­tem­po­râ­nea. En­tre 2013 e 2014, fre­quen­tou as ofi­ci­nas li­vres de pin­tu­ra da Ár­vo­re - Co­o­pe­ra­ti­va de Ati­vi­da­des Ar­tís­ti­cas, sob a ori­en­ta­ção de Al­ber­to Pés­si­mo. Desde que des­co­briu es­ta pai­xão, tem de­di­ca­do gran­de par­te dos tem­pos li­vres à pin­tu­ra, “co­mo for­ma de ex­pres­sar os pen­sa­men­tos e sen­ti­men­tos”. Co­mo fon­te de ins­pi­ra­ção, sur­gem os ar­tis­tas Jú­lio Po­mar, Rogério Ri­bei­ro, Vieira da Silva, Jú­lio Re­sen­de, Luís Fei­to, António Ma­ce­do, Mário Bis­marck, Moita Ma­ce­do, Sá No­guei­ra, Andy Warhol, Bo­ni­fá­cio e Mi­quel Bar­ce­ló. Foi em 2007 que fez a sua pri­mei­ra ex­po­si­ção, no Art Ca­fé, em Er­me­sin­de. Já em 2010, par­ti­ci­pou nu­ma ex­po­si­ção co­le­ti­va na Ga­le­ria Cor Es­pon­tâ­nea. Desde 2011 que tem man­ti­do al­guns tra­ba­lhos ex­pos­tos per­ma­nen­te­men­te, no es­pa­ço Ma­nu­el Di­as De­co­ra­ção de In­te­ri­o­res, na ci­da­de do Por­to. Em 2012, os seus qua­dros es­ti­ve­ram na ex­po­si­ção “Con­tem­po­ra­nei­da­des”, na ga­le­ria Por­to com Ar­te. No ano pas­sa­do, es­te­ve

pre­sen­te na ex­po­si­ção co­le­ti­va 26 po­e­mas 26 pin­tu­ras, uma ho­me­na­gem a António Ar­naut. A ex­po­si­ção mais re­cen­te de Jo­sé Ve­lo­so – Fu­si­on at in exhi­bi­ti­on - es­te­ve pa­ten­te até ao fi­nal de ja­nei­ro de 2015 no Eu­ros­tars Rio Douro Hotel & Spa, em Cas­te­lo de Paiva, e con­tou com de­ze­nas de visitantes e aman­tes des­ta ar­te. Es­ta mos­tra foi cri­a­da em con­jun­to com a co­le­ga Teh (Con­cei­ção Ale­xan­dre), daí a no­men­cla­tu­ra usa­da: fu­são. “O que es­ta ex­po­si­ção tem de cu­ri­o­so não é o fac­to de dois ami­gos pin­to­res se te­rem pro­pos­to a apre­sen­tar os seus tra­ba­lhos em con­jun­to, tal co­mo dois ca­mi­nhos pa­ra­le­los que se tri­lham em bus­ca da be­le­za sem nun­ca se en­con­tra­rem. É mais, no nos­so en­ten­der, o fac­to de ma­te­ri­a­li­za­rem es­se en­con­tro em al­gu­mas ex­pe­ri­ên­ci­as de aproximação e in­te­ra­ção aos dis­tin­tos con­ce­tu­a­lis­mos das su­as par­ti­cu­la­res for­mas de res­pi­rar, de sen­tir e de pro­du­zir a ar­te. Nes­ta ex­po­si­ção, te­mos três tra­ba­lhos em que é no­tó­rio es­sa aproximação e, ob­vi­a­men­te, tam­bém es­se afastamento. Fa­la­mos de aproximação e afastamento, já que ca­da um dos pin­to­res, na pres­ta­ção que ofe­re­cem aos tra­ba­lhos de par­ce­ria, man­tém inal­te­ra­da o seu cu­nho pes­so­al”, acres­cen­tou Jo­sé Qu­ei­ro­ga.

Teh (Con­cei­ção Ale­xan­dre) e Jo­sé Ve­lo­so

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.