MI­DO 2015,

Opticapro - - Primeira Página -

A Mi­do nun­ca de­si­lu­de! Ma­ra­vi­lha to­dos os que a vi­si­tam, com o que de me­lhor e mais ino­va­dor se tem fei­to na óti­ca mun­di­al. En­tre os di­as 28 de fe­ve­rei­ro e 2 de mar­ço, o re­cin­to Rho-Pe­ro da Fi­e­ra­mi­la­no re­ce­beu mi­lha­res de pro­fis­si­o­nais de to­do o glo­bo, atraí­dos pe­las no­vi­da­des de ‘eyewe­ar’ des­ta 45ª fei­ra ita­li­a­na. Es­te ano, 49.000 pro­fis­si­o­nais (56% de fo­ra de Itá­lia) vi­si­ta­ram a Mi­do, um cres­ci­men­to de mais de 8,7% em com­pa­ra­ção com 2014. O es­pa­ço da ex­po­si­ção co­mer­ci­al cres­ceu tam­bém, na or­dem dos 10%, con­tan­do com 150 no­vas em­pre­sas. Pa­ra Ci­ril­lo Mar­co­lin, pre­si­den­te da Mi­do e da An­fao (As­so­ci­a­ção Na­ci­o­nal Fa­bri­can­te de Ar­ti­gos Óti­cos, em por­tu­guês), “es­ta evo­lu­ção dei­xa-nos or­gu­lho­sos e si­gi­ni­fi­ca que ca­mi­nha­mos na di­re­ção cer­ta. Afir­ma­mo-nos, sem dú­vi­da, co­mo a mai­or mos­tra de óti­ca a ní­vel mun­di­al. Além dis­so, com a for­ça ine­ren­te aos pro­du­tos ‘ma­de in Italy’ – com o va­lor das ex­por­ta­ções a mar­car um re­cor­de ab­so­lu­to em 2014 – e com uma mai­or área de ex­po­si­ção mi­la­ne­sa, po­de­mos es­tar con­fi­an­tes em re­la­ção ao fu­tu­ro, pois sa­be­mos que ofe­re­ce­mos bons in­di­ca­do­res pa­ra dei­xar a re­ces­são glo­bal pa­ra trás”.

Mi­do com no­va es­tru­tu­ra

Pa­ra além do no­vo lo­gó­ti­po e das cam­pa­nhas pu­bli­ci­tá­ri­as di­fe­ren­ci­a­das, a 45ª edi­ção da Mi­do mos­trou tam­bém no­vas idei­as na es­tru­tu­ra do es­pa­ço, pa­ra tor­nar a vi­si­ta à ex­po­si­ção ain­da mais fa­ci­li­ta­da e pre­vi­sí­vel. Em pri­mei­ro lu­gar, a lo­ca­li­za­ção dos pa­vi­lhões, mais pró­xi­mos do metro, pos­si­bi­li­tou uma en­tra­da mais rá­pi­da pa­ra os pro­fis­si­o­nais. O pró­prio ‘layout’ da fei­ra foi re­de­se­nha­do e os pa­vi­lhões ado­ta­ram uma es­tru­tu­ra se­me­lhan­te, com o ob­je­ti­vo de pro­por­ci­o­nar uma “vi­a­gem” mais sim­pli­fi­ca­da e mul­ti-

sen­so­ri­al. “Qui­se­mos tor­nar a vi­si­ta mais prá­ti­ca, mais fun­ci­o­nal, e dar vi­si­bi­li­da­de aos pro­du­tos em ex­po­si­ção”, afir­mou Gi­o­van­ni Vi­ta­lo­ni, vi­ce-pre­si­den­te da Mi­do e da An­fao. Os te­mas dos pa­vi­lhões, es­ses, man­ti­ve­ram­se iguais aos das edi­ções an­te­ri­o­res: De­sign Lab, Fashi­on Dis­trict, Len­ses, Mi­do Te­ch e Fair East Pa­vi­li­on. A no­vi­da­de foi o LabA­ca­demy, in­se­ri­do no pa­vi­lhão De­sign Lab, que fun­ci­o­nou co­mo uma in­cu­ba­do­ra de idei­as, um es­pa­ço es­pe­ci­al di­ri­gi­do a cri­a­ti­vos ta­len­to­sos e ‘de­sig­ners’ em iní­cio de car­rei­ra, que pas­sa­ram por um pro­ces­so de se­le­ção ri­go­ro­so e mar­ca­ram pre­sen­ça na Mi­do pe­la pri­mei­ra vez. Em to­dos es­tes es­pa­ços, os visitantes pu­de­ram co­nhe­cer as mais re­cen­tes ten­dên­ci­as da in­dús­tria óti­ca.

“I am what I we­ar”

Pa­ra aque­les que vi­vem a mo­da a 100%, o slo­gan “I am what I we­ar” tor­na-se uma ver­da­de ab­so­lu­ta. E, pro­va­vel­men­te, com ra­zão. Ho­je em dia, mais do que nun­ca, as pes­so­as per­ce­bem que op­tar por um ‘look’ em de­tri­men­to de ou­tro é uma ver­da­dei­ra de­cla­ra­ção de es­ti­lo. E, pa­ra com­por um de­ter­mi­na­do vi­su­al, os ócu­los são uma pe­ça fun­da­men­tal. Nes­te sen­ti­do, as cen­te­nas de ‘stands’ que com­pu­se­ram es­ta edi­ção da Mi­do mos­tra­ram as ten­dên­ci­as que vão mar­car o ano de 2015. Desde as ar­ma­ções ‘ur­ban chic’, em que pre­do­mi­nam as li­nhas sim­ples e ele­gan­tes pa­ra um vi­su­al in­tem­po­ral, às mais “re­bel­des e sel­va­gens”, pas­san­do pe­los ‘cat-eye’ e for­ma­tos ‘over­si­ze’, a mos­tra ita­li­a­na con­se­guiu agra­dar a to­dos. Mes­mo pa­ra os es­pí­ri­tos mais ex­tra­va­gan­tes, mui­tos fo­ram os ‘stands’ que re­ve­la­ram as pro­pos­tas “fo­ra da cai­xa”. Os jo­gos de co­res e o uso de ma­te­ri­ais ino­va­do­res ul­tra­pas­sa­ram as fron­tei­ras da ima­gi­na­ção e cri­a­ram ver­da­dei­ras obras de ar­te em ócu­los. Na pró­xi­ma edi­ção da Mi­do - de 27 a 29 de fe­ve­rei­ro de 2016 - sur­gi­rão com cer­te­za no­vas ten­dên­ci­as que pro­me­tem ar­re­ba­tar o pú­bli­co vi­si­tan­te.

Pre­mi­ar a ori­gi­na­li­da­de

O Bes­tand vol­tou à Mi­do pa­ra pre­mi­ar o es­pa­ço mais ca­ti­van­te, ori­gi­nal e “co­mu­ni­ca­ti­vo” em ter­mos de ele­gân­cia, in­te­ra­ção com o pú­bli­co, es­té­ti­ca, de­ta­lhes, con­for­to e vi­si­bi­li­da­de do pro­du­to. O ven­ce­dor da 45ª fei­ra, se­le­ci­o­na­do pe­los visitantes, foi o ‘stand’ da Black­fin. Es­te ano, a or­ga­ni­za­ção da Mi­do lan­çou tam­bém o Bes­to­re, uma com­pe­ti­ção in­ter­na­ci­o­nal pa­ra dis­tin­guir a me­lhor óti­ca do mundo, em re­la­ção ao ‘de­sign’ do es­pa­ço e à ex­pe­ri­ên­cia de ven­da/com­pra, ten­do em con­ta fa­to­res co­mo mar­ke­ting e comunicação. Foi a óti­ca Leid­mann, de Mu­ni­que, que re­ce­beu es­te ga­lar­dão, atri­buí­do por um pai­nel in­ter­na­ci­o­nal de es­pe­ci­a­lis­tas em ‘eyewe­ar’, mar­ke­ting e vi­tri­nis­mo. Em se­gun­do lu­gar fi­cou a No­va Óp­ti­ca, de Gui­ma­rães, cu­jo tra­ba­lho de de­co­ra­ção é da au­to­ria da equi­pa de ar­qui­te­tos Ti­a­go Tsou e António Al­ber­to Cos­ta. Es­ta dis­tin­ção é um or­gu­lho pa­ra o se­tor óti­co por­tu­guês.

Ot­ti­club: in­dús­tria e ci­ên­cia de mão da­da

E co­mo a Mi­do não vi­ve só de ócu­los, ou ma­qui­na­ria, o Ot­ti­club vol­tou a apre­sen­tar con­fe­rên­ci­as, se­mi­ná­ri­os, cur­sos e ‘workshops’. Pro­vi­den­ci­ar co­nhe­ci­men­to e cur­sos prá­ti­cos so­bre as úl­ti­mas no­vi­da­des na área da óti­ca e da of­tal­mo­lo­gia foi sem­pre uma das pri­o­ri­da­des des­te cer­ta­me. Es­ti­ve­ram em ci­ma da me­sa te­mas re­la­ci­o­na­dos com a glo­ba­li­za­ção e tra­di­ção da óti­ca, ócu­los e len­tes, es­tra­té­gi­as di­gi­tais, o fu­tu­ro do re­ta­lho, en­tre ou­tros mais ci­en­tí­fi­cos alu­si­vos à vi­são e a cer­tos pro­ble­mas ocu­la­res. O pre­si­den­te da Mi­do, Ci­ril­lo Mar­co­lin, e o pre­si­den­te da Sil­mo, Phi­lip­pe La­font, uni­ram­se no se­gun­do dia da Mi­do, no Ot­ti­club, pa­ra

apre­sen­ta­rem os re­sul­ta­dos do “Op­ti­cal Mo­ni­tor”. Tra­ta-se de um es­tu­do ela­bo­ra­do pe­la con­sul­to­ra Gfk, em par­ce­ria com a Mi­do e a Sil­mo, no sen­ti­do de ana­li­sar o de­sen­vol­vi­men­to do mer­ca­do óti­co em al­guns dos prin­ci­pais paí­ses eu­ro­peus: Itá­lia, Fran­ça, Ale­ma­nha, Es­pa­nha e Rei­no Uni­do. Es­ta in­ves­ti­ga­ção se­rá re­pe­ti­da e atu­a­li­za­da a ca­da seis me­ses e apre­sen­ta­da nas du­as fei­ras.

Con­fe­rên­cia de Im­pren­sa “Pré-Mi­do”

A 27 de fe­ve­rei­ro de­cor­reu a con­fe­rên­cia de im­pren­sa de lan­ça­men­to da Mi­do 2015 que reu­niu mei­os de comunicação social de vá­ri­os paí­ses, in­cluin­do a Óp­ti­caP­ro. Es­ta ses­são con­tou com a pre­sen­ça de Ci­ril­lo Mar­co­lin e de Gi­o­van­ni Vi­ta­lo­ni e, ain­da, de Car­lo Ca­len­da, mi­nis­tro ita­li­a­no li­ga­do ao de­sen­vol­vi­men­to eco­nó­mi­co. O Mi­nis­té­rio da Eco­no­mia pro­ta­go­ni­zou um pro­je­to es­pe­ci­al pa­ra a Mi­do, de for­ma a apoi­ar um dos se­to­res mais re­pre­sen­ta­ti­vos de Itá­lia: a óti­ca. Com is­to em men­te, a ICE (Ita­li­an Trend Agency) or­ga­ni­zou uma vi­si­ta à fei­ra a 170 com­pra­do­res e jor­na­lis­tas, oriun­dos de 38 paí­ses. Nes­ta con­fe­rên­cia de im­pren­sa, hou­ve ain­da tem­po pa­ra a apre­sen­ta­ção do li­vro “Co­ol Sha­des, the His­tory and Me­a­ning of Sun­glas­ses”, da au­to­ria de Vanessa Brown, es­pe­ci­a­lis­ta em De­sign e Cul­tu­ra Vi­su­al pe­la Not­tingham Trent Uni­ver­sity. O pro­gra­ma con­ti­nu­ou du­ran­te a tar­de, com o ‘workshop’ “Ma­de in Italy Eyewe­ar”, por Roberto Lu­on­go, o di­re­tor ge­ral da ICE. À noi­te, to­dos os con­vi­da­dos in­ter­na­ci­o­nais fo­ram con­vi­da­dos pa­ra o even­to “Be­auty, the Ita­li­an Ma­gic”, uma “vi­a­gem atra­vés dos tem­pos e dos sen­ti­dos” que te­ve lu­gar no edi­fí­cio Mi­la­ni Con­gres­si (Mi.Co.).

cor­ri­gir di­gi­tal­men­te, que em vez de se con­cen­tra­rem nu­ma per­so­na­li­za­ção com­ple­ta das len­tes, te­rão que su­jei­tar ain­da al­gu­mas po­tên­ci­as do ‘de­sign’ a “cor­re­ções de com­pen­sa­ção”. A no­va tec­no­lo­gia de ba­se de cur­va­tu­ra va­riá­vel re­duz a ne­ces­si­da­de de cor­re­ção de com­pen­sa­ção, per­mi­tin­do o de­sen­vol­vi­men­to de mais ‘de­signs’ di­gi­tais pa­ra re­de­fi­nir e per­so­na­li­zar o ‘de­sign’ de ca­da olho in­di­vi­du­al­men­te.

A im­por­tân­cia de cor­res­pon­der a po­tên­cia da len­te à sua ba­se de cur­va­tu­ra ide­al

Quan­do a po­tên­cia da len­te é cor­res­pon­di­da com uma ba­se de cur­va­tu­ra ide­al, o uti­li­za­dor be­ne­fi­cia de uma vi­são ní­ti­da com o mí­ni­mo as­tig­ma­tis­mo oblí­quo. Quan­do a ba­se de cur­va­tu­ra sai dos pa­râ­me­tros con­si­de­ra­dos ide­ais pa­ra uma cer­ta po­tên­cia, o uti­li­za­dor di­mi­nui ver­ti­gi­no­sa­men­te a sua acui­da­de vi­su­al na zo­na fo­ra do cen­tro óti­co. Quan­to mais a ba­se de cur­va­tu­ra se afas­tar do que é cal­cu­la­do sen­do o ide­al, mais ra­pi­da­men­te vai exis­tir uma re­du­ção da acui­da­de vi­su­al fo­ra do cen­tro óti­co da len­te. Is­to tem im­pli­ca­ções acres­ci­das nas len­tes progressivas, por­que a zo­na de lei­tu­ra po­de ape­nas ser aces­sí­vel atra­vés de um ân­gu­lo oblí­quo. Se a ba­se de cur­va­tu­ra for mal cor­res­pon­di­da, o pa­ci­en­te po­de ex­pe­ri­en­ci­ar uma que­da abru­ta na acui­da­de vi­su­al da zo­na de lei­tu­ra. Uti­li­za­do­res com adi­ções al­tas são ain­da mais pro­pen­sos a sen­ti­rem es­tas li­mi­ta­ções. A Nu­cleo 4D® é cons­ti­tuí­da por três com­po­nen­tes es­sen­ci­ais: a pa­te­la Nu­cleo 4D® com a sua cur­va­tu­ra va­riá­vel, o cál­cu­lo do ‘de­sign’ da pres­cri­ção e os pa­râ­me­tros in­di­vi­du­ais do uti­li­za­dor. A cur­va­tu­ra úni­ca da pa­te­la da Nu­cleo 4D®, bem co­mo qual­quer pa­râ­me­tro in­di­vi­du­al de­se­ja­do, são usa­dos nos cál­cu­los do ‘de­sign’ da pres­cri­ção pa­ra oti­mi­zar a su­per­fí­cie di­gi­tal a fim de me­lho­rar a per­for­man­ce de len­te. Um es­tu­do com­pro­va que 100% dos uti­li­za­do­res re­la­tam que a zo­na de per­to da Nu­cleo 4D® é mais fá­cil de en­con­trar; 94% dos uti­li­za­do­res re­la­tam que a qua­li­da­de de vi­são de per­to na Nu­cleo 4D® é igual ou su­pe­ri­or que nas len­tes Fre­eF­rom con­ven­ci­o­nais e 83% dos uti­li­za­do­res re­la­tam que a adap­ta­ção à Nu­cleo 4D® é mais fá­cil. Com es­ta tec­no­lo­gia re­vo­lu­ci­o­ná­ria, que fun­de uma su­per­fí­cie fron­tal de cur­va­tu­ra va­riá­vel e uma su­per­fí­cie in­ter­na di­gi­tal­men­te me­lho­ra­da com os pa­râ­me­tros in­di­vi­du­ais do uti­li­za­dor, con­se­gue-se uma adap­ta­ção rá­pi­da e efi­caz, com um au­men­to de acui­da­de vi­su­al do uti­li­za­dor.

<

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.