“Te­mos de mo­bi­li­zar mais pes­so­as”

Car­los Alves, Ins­ti­tu­to Vi­su­al Luíz de Ca­mões,

Opticapro - - Primeira Página -

Óp­ti­caP­ro: Porquê de­ci­diu lan­çar es­ta pe­ti­ção pú­bli­ca?

Car­los Alves: Por­que sin­to in­dig­na­ção. Por­que sin­to uma es­pé­cie de qua­se ver­go­nha alheia. Por­que me sin­to de mãos ata­das con­tra um ne­gó­cio pa­ra­le­lo sem rei nem ro­que. Por­que as pes­so­as são efe­ti­va­men­te le­sa­das di­a­ri­a­men­te. Por­que se não com­pra­mos col­chões nas sa­pa­ta­ri­as, se não com­pra­mos car­ne nas li­vra­ri­as, se não com­pra­mos sa­pa­tos nas pas­te­la­ri­as, ou te­le­mó­veis nos ta­lhos, por­que po­de­mos com­prar ócu­los de sol e/ou gra­du­a­dos em qui­os­ques, far­má­ci­as, ba­za­res ori­en­tais (vul­go chi­ne­ses), hi­per­mer­ca­dos/ supermercados, pa­pe­la­ri­as, bou­ti­ques, re­lo­jo­a­ri­as, lo­jas de rou­pa, gran­des ar­ma­zéns, lo­jas de ele­tró­ni­ca, re­vis­tas (que ven­dem ócu­los por “ape­nas” mais “X” eu­ros)?

OP: Que ‘ fe­ed­back’ tem ob­ti­do por par­te de ou­tros pro­fis­si­o­nais da óti­ca?

CA: Te­nho ti­do apoio e mo­bi­li­za­ção, mas só de al­guns pro­fis­si­o­nais. De­sig­na­da­men­te por­que sou um dos ad­mi­nis­tra­do­res da pá­gi­na de fa­ce­bo­ok Mal­ta da Óp­ti­ca, on­de es­ta pe­ti­ção foi pri­mei­ra­men­te di­vul­ga­da, pá­gi­na que con­ta com mais de 2.500 pro­fis­si­o­nais do se­tor. E ago­ra, aten­te nis­to: tem mais de 2.500 mem­bros e a pe­ti­ção só tem 700 e tal as­si­na­tu­ras (es­tra­nho!). Um dos te­mas mais de­ba­ti­dos lá é jus­ta­men­te es­te, en­tre ou­tros tam­bém de re­le­va­da im­por­tân­cia e gra­vi­da­de. Sa­be­mos di­a­ri­a­men­te de cen­te­nas de ca­sos que são re­por­ta­dos aos hos­pi­tais e/ou con­sul­tó­ri­os de of­tal­mo­lo­gia, por se­rem usa­dos ócu­los de sol sem pro­te­ção con­tra rai­os ul­tra-vi­o­le­ta ( UV). Há ain­da ca­sos de cor­re­ção de di­op­tri­as de­sa­jus­ta­das que cau­sam eme­tro­pi­as cró­ni­cas sem pos­si­bi­li­da­de de re­cu­pe­ra­ção. No ca­so dos ócu­los de sol, não bas­ta que os mes­mos te­nham pro­te­ção UV. Mui­tos de­les apre­sen­tam “len­tes” fei­tas em “vi­dro mar­te­la­do” chei­as de im­per­fei­ções e aber­ra­ções com as­tig­ma­tis­mos não con­tro­la­dos, apre­sen­tan­do até vá­ri­as gra­du­a­ções na mes­ma “len­te” e que de­ve­ria ser neu­tra.

OP: E acha que a As­sem­bleia da Re­pú­bli­ca irá ou­vir-vos?

CA: Is­to só se­rá de­ba­ti­do e le­gis­la­do se lá che­gar. Se ti­ver as as­si­na­tu­ras ne­ces­sá­ri­as pa­ra o efei­to. Se efe­ti­va­men­te is­to che­gar ao co­nhe­ci­men­to do ci­da­dão ci­vil, se o “po­vo” re­al­men­te sen­tir que es­tá a ser en­ga­na­do e a co­mer ga­to por le­bre.

OP: Na sua opi­nião, de que for­ma é que es­ta li­vre cir­cu­la­ção e ven­da de ócu­los po­de ser tra­va­da?

CA: Só com le­gis­la­ção e fis­ca­li­za­ção. Que­ria di­zer “mais” aper­ta­da, mas ela nem “aper­ta­da” che­ga a ser. E re­pa­re, já ti­ve mais fis­cais no úl­ti­mo ano a ve­ri­fi­ca­rem a mi­nha fa­tu­ra­ção, do que fis­cais da ASAE a sa­ber se os meus ócu­los pré-gra­du­a­dos es­tão den­tro da lei. Há al­guns anos saiu uma nor­ma­ti­va eu­ro­peia pa­ra ócu­los pré-gra­du­a­dos em que proí­be as óti­cas de ven­der ócu­los pré-gra­du­a­dos, com di­op­tri­as in­fe­ri­o­res a +1.00 dp e su­pe­ri­o­res a +3.50 dp, mas es­tes en­con­tram­se à ven­da em qual­quer “ba­zar ori­en­tal”, se me fa­ço en­ten­der. É cu­ri­o­so que, no dia em que lan­cei es­ta pe­ti­ção, uma ami­ga que tra­ba­lha nu­ma co­nhe­ci­da ca­deia de lo­jas de ven­da de re­ló­gi­os, es­cre­veu-me em for­ma

de co­men­tá­rio o se­guin­te: “Des­cul­pa Car­los, não vou as­si­nar por­que, bre­ve­men­te, va­mos ter à ven­da em ex­clu­si­vo nas nos­sas lo­jas de re­ló­gi­os a mar­ca Di­ta” (pen­so que se­ja Di­ta Von Te­a­se ). Per­gun­to, uma mar­ca de ócu­los em ven­da ex­clu­si­va nu­ma re­lo­jo­a­ria?!?!?

OP: Qual se­rá o pró­xi­mo pas­so?

CA: Tu­do de­pen­de da evo­lu­ção. Efe­ti­va­men­te, po­de cres­cer ex­po­nen­ci­al­men­te e atin­gir o seu ob­je­ti­vo, co­mo po­de mor­rer na praia da­qui a dois ou três me­ses. Mes­mo que mor­ra, con­ti­nu­a­rei a fa­zer ba­ru­lho. Não pen­so fi­car de bra­ços cru­za­dos.

OP: Acha que a Óp­ti­caP­ro po­de aju­dar nes­ta “lu­ta”?

CA: Po­de e de­ve, já que es­tá vol­ta­da pa­ra o se­tor. Acho até que já es­tá a fa­zê-lo, por ter si­do a pri­mei­ra re­vis­ta a par­ti­lhar a pe­ti­ção de for­ma vo­lun­tá­ria no fa­ce­bo­ok. Mas pen­so que po­de­rá di­vul­gá-la na re­vis­ta, uma vez que ain­da exis­tem in­fo-re­sis­ten­tes no se­tor. Há qu­em tam­bém não se­ja fã de re­des so­ci­ais e, des­ta for­ma, pe­lo canal tra­di­ci­o­nal (re­vis­ta) po­de­rá che­gar a mais pes­so­as.

OP: É o que va­mos fa­zer. Que men­sa­gem gos­ta­ria de dei­xar aos nos­sos lei­to­res, seus co­le­gas de pro­fis­são?

CA: Gos­ta­ria que sen­tis­sem es­ta cau­sa co­mo se fos­se de­les. Gos­ta­ria de di­zer que, com pas­si­vi­da­de e la­xis­mo, não va­mos a la­do ne­nhum. Com in­di­fe­ren­ça con­ti­nu­a­re­mos a ver to­dos os co­mer­ci­an­tes de ba­zar a ven­de­rem ócu­los de sol e até ar­ma­ções nas lo­jas de rou­pa. Pen­so que is­so acon­te­ce já com a Za­ra e ou­tras mar­cas co­nhe­ci­das. Só com pal­ma­di­nhas nas cos­tas não va­mos a la­do ne­nhum. Te­mos de mo­bi­li­zar mais pes­so­as, e de den­tro pa­ra fo­ra. Na mi­nha lo­ja, te­nho um com­pu­ta­dor aber­to na pá­gi­na da pe­ti­ção... sem­pre que en­tra um cli­en­te, on­de ve­jo que te­nho hi­pó­te­se de abor­da­gem, con­vi­do- o a as­si­nar. Pre­ten­de­mos le­gis­la­ção e fis­ca­li­za­ção que proí­ba es­tes es­ta­be­le­ci­men­tos de co­mer­ci­a­li­za­rem es­te ti­po de ma­te­ri­al, uma vez que se en­con­tra to­tal­men­te fo­ra da sua área de ne­gó­cio e for­ma­ção pro­fis­si­o­nal. Sem le­gis­la­ção nem con­tro­lo por par­te das au­to­ri­da­des com­pe­ten­tes, tra­ta-se de um aten­ta­do à saú­de pú­bli­ca dos ci­da­dãos, que, in­cau­tos, são levados a co­me­ter er­ros ter­rí­veis e, mui­tas ve­zes, ir­re­ver­sí­veis. Ba­si­ca­men­te, é co­mo es­tar do­en­te e re­cor­rer a um aju­dan­te de ve­te­ri­ná­ria pa­ra re­ce­ber tra­ta­men­to (sem des­pri­mor pa­ra es­tes pro­fis­si­o­nais).

Car­los Alves

Car­los Alves nas­ceu há 42 anos em Mi­ran­de­la. Es­tu­dou hu­ma­ni­da­des e deu os pri­mei­ros pas­sos na óti­ca no ano de 1992, ao fa­zer umas fé­ri­as nu­ma óti­ca que pre­ci­sa­va de al­guém que do­mi­nas­se lín­guas, pois es­ta­va ins­ta­la­da nu­ma lo­ca­li­da­de de for­te pro­cu­ra tu­rís­ti­ca. “Em 1994 abra­cei de­fi­ni­ti­va­men­te a cau­sa, até ho­je. Fiz for­ma­ção pro­fis­si­o­nal em Es­pa­nha e sou óti­co in­de­pen­den­te des­de 2008, na zo­na de Lis­boa”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.