Opi­nião: A im­por­tân­cia da ima­gem, Mi­guel Al­ves

Opticapro - - Sumário - Des­pe­ço-me com ami­za­de, Até bre­ve! Mi­guel Al­ves Con­tac­tos: brand­new­mar­ke­ting@ou­tlo­ok.com Es­te ar­ti­go foi es­cri­to sem o re­cur­so ao no­vo acor­do or­to­grá­fi­co

A ima­gem que pro­jec­ta­mos pas­sa uma men­sa­gem. In­flu­en­cia o que nos ro­deia até mes­mo os nos­sos cli­en­tes… Vi­ve­mos, ac­tu­al­men­te, nu­ma era pro­fun­da­men­te mar­ca­da pe­la co­mu­ni­ca­ção e pe­la ima­gem. Es­tes são os dois fac­to­res que mais con­tri­bu­em pa­ra o (in)su­ces­so das re­la­ções do quo­ti­di­a­no, qu­er se­jam es­tas de ca­rác­ter pessoal ou pro­fis­si­o­nal. Não qu­e­ro di­zer com is­to que no pas­sa­do a co­mu­ni­ca­ção e a ima­gem não eram im­por­tan­tes. Cla­ro que eram, mas o mun­do pa­re­ce ro­dar mais ve­loz­men­te, ago­ra. Tu­do acon­te­ce mui­to rá­pi­do. As con­ver­sas, as en­tre­vis­tas de em­pre­go, os ne­gó­ci­os, as con­quis­tas amo­ro­sas. Ho­je, o pri­mei­ro con­tac­to tem mui­to mai­or im­pac­to, por cul­pa do fre­ne­sim que se ins­ta­lou nas nos­sas vi­das. Pou­cos são aque­les que nos pri­mei­ros 30 se­gun­dos após co­nhe­ce­rem al­guém, não tra­çam lo­go um per­fil e te­cem con­si­de­ra­ções mu­das no in­te­ri­or do sub­cons­ci­en­te, cri­an­do um pre­con­cei­to di­fí­cil de anu­lar. Mais do que nun­ca a ex­pres­são “não há uma se­gun­da opor­tu­ni­da­de de cau­sar uma boa pri­mei­ra im­pres­são” fez mais sen­ti­do. Qu­em não cau­sa uma boa pri­mei­ra im­pres­são, fa­cil­men­te es­tá fo­ra do jo­go. Nes­te no­vo am­bi­en­te, fo­mo-nos tor­nan­do pro­du­tos. Mas, pro­du­tos do pon­to de vis­ta po­si­ti­vo e prá­ti­co e não pe­jo­ra­ti­vo. Pro­du­tos da na­tu­re­za, com qua­li­da­des úni­cas e pró­pri­as, di­fí­ceis de re­pli­car. Pro­du­tos ina­ca­ba­dos mas em cons­tan­te trans­for­ma­ção e com um po­ten­ci­al de cres­ci­men­to ex­tra­or­di­ná­rio. Por es­te mo­ti­vo, creio que é re­le­van­te acei­tar­mo-nos co­mo pro­du­tos, ob­ser­var­mos o nos­so in­te­ri­or e de­se­nhar­mos uma es­tra­té­gia de mar­ke­ting pessoal. Com is­to, es­tou em crer que po­de­re­mos ofe­re­cer ao mun­do uma me­lhor ver­são de nós, fa­zen­do fre­quen­te­men­te as ac­tu­a­li­za­ções ne­ces­sá­ri­as. No en­tan­to, aler­to que o me­lho­ra­men­to do pro­du­to de­ve ser fei­to de acor­do com a nos­sa eco­lo­gia, ou se­ja, com os nos­sos va­lo­res e a nos­sa na­tu­re­za. Um pro­du­to que não se res­pei­ta é um pro­du­to dé­bil, de má qua­li­da­de e fa­cil­men­te subs­ti­tuí­vel.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.