Re­por­ta­gem: “Vi­são de Ne­gó­cio”, even­to Al­con e Es­si­lor

Foi em maio que a AL­CON e a ES­SI­LOR se uni­ram para or­ga­ni­zar as jor­na­das “Vi­são de Ne­gó­cio”, um even­to que reu­niu apro­xi­ma­da­men­te 200 óti­cos, em Lisboa e no Por­to. O ob­je­ti­vo? “Dar a co­nhe­cer as úl­ti­mas ten­dên­ci­as na área de ges­tão, ven­das e mar­ke­ting, of

Opticapro - - Sumário -

A Fun­da­ção Portuguesa das Co­mu­ni­ca­ções, em Lisboa, e a Quin­ta da Bo­ei­ra, em Vila No­va de Gaia, aco­lhe­ram a 11 e 18 de maio, res­pe­ti­va­men­te, óti­cos de vá­ri­os pon­tos do país. O ba­lan­ço des­te “even­to ino­va­dor e pi­o­nei­ro foi ex­tre­ma­men­te po­si­ti­vo”, re­fe­ri­ram Gonçalo Bar­ral, di­re­tor ge­ral da Es­si­lor Por­tu­gal, e Ines Ma­teu, bu­si­ness unit ma­na­ger da Al­con Vi­si­on Ca­re, em entrevista à Óp­ti­caP­ro. A pri­mei­ra edi­ção

das jor­na­das “Vi­são de Ne­gó­cio” foi de fac­to um ver­da­dei­ro su­ces­so, não só nas pa­la­vras dos seus men­to­res, mas também na opi­nião dos óti­cos pre­sen­tes. De acor­do com o que a nos­sa equi­pa apu­rou, durante o even­to na ci­da­de In­vic­ta, “é uma ini­ci­a­ti­va a re­pe­tir, sem dú­vi­da al­gu­ma”. Os pro­fis­si­o­nais elo­gi­a­ram a qua­li­da­de dos pa­les­tran­tes e o ní­vel de ex­ce­lên­cia das apre­sen­ta­ções. Pedro Ri­bei­ro, di­re­tor da Rá­dio Co­mer­ci­al, Tomaz Mo­rais, es­pe­ci­a­lis­ta em li­de­ran­ça, mo­ti­va­ção, ges­tão de equi­pas e co­mu­ni­ca­ção, Fi­li­pe Car­re­ra, pro­fes­sor no IPAM, Pau­lo Vi­lhe­na, pre­si­den­te da Oak­mark, e Ti­a­go Al­ves, vi­ce-pre­si­den­te da Sci­en­ce4you, fo­ram os pro­ta­go­nis­tas das ses­sões e ca­ti­va­ram os pro­fis­si­o­nais do iní­cio ao fim. “O ob­je­ti­vo foi tra­zer aos óti­cos um pai­nel de ora­do­res que pu­des­se des­per­tar al­gu­mas idei­as e mos­trar os ca­mi­nhos que po­dem ser per­cor­ri­dos. Os pro­fis­si­o­nais de­vem ter con­fi­an­ça ne­les pró­pri­os e en­fren­tar o fu­tu­ro e as opor­tu­ni­da­des que se vão ge­ran­do. Te­mos a cer­te­za de que estes pa­les­tran­tes, ca­da um à sua ma­nei­ra e na sua área, trou­xe mui­tas idei­as e mui­tas for­mas de olhar para o ne­gó­cio. Es­ta­mos se­gu­ros de que os óti­cos aqui pre­sen­tes fo­ram cri­an­do idei­as nas su­as ca­be­ças que irão co­lo­car em prá­ti­ca no dia a dia, idei­as es­tas que vão ori­gi­nar um me­lhor ser­vi­ço aos usuá­ri­os de len­tes de con­tac­to e de len­tes of­tál­mi­cas”, as­su­miu Gonçalo Bar­ral.

au­men­tar o nú­me­ro de con­tac­tos; au­men­tar a ta­xa de con­ver­são de con­tac­tos em cli­en­tes; au­men­tar o nú­me­ro mé­dio de tran­sa­ções/ ven­das; e au­men­tar o va­lor de ca­da ven­da. Se au­men­tar­mos as ven­das, au­men­ta­mos os lu­cros, o oxi­gé­nio das em­pre­sas. Ago­ra, ca­be aos ‘ven­ce­do­res’ sa­be­rem co­mo atin­gir o ob­je­ti­vo, en­quan­to os ‘per­de­do­res’ ques­ti­o­nam os porquês”. Con­cluiu com fra­se de ou­ro: “as res­pos­tas não es­tão re­ser­va­das para qu­em pre­ci­sa de­las, es­tão re­ser­va­das para qu­em co­lo­ca as per­gun­tas cer­tas”. De­pois da pau­sa para al­mo­ço, Tomaz Mo­rais brin­dou a pla­teia com a “A vi­são do ta­len­to”. Para o con­sul­tor da Fe­de­ra­ção Portuguesa de Râ­gue­bi, “o ta­len­to está no ca­rá­ter e nos va­lo­res de ca­da um, não está nas me­da­lhas. E is­to está ao al­can­ce de todos”. Acre­di­ta que o gran­de cam­peão é o que se le­van­ta mais rá­pi­do do que a pró­pria que­da, as­su­min­do a obri­ga­to­ri­e­da­de de ser ri­go­ro­so, exi­gen­te con­si­go pró­prio, acei­tan­do as res­pon­sa­bi­li­da­des de um pac­to emo­ci­o­nal que nin­guém tem co­ra­gem de que­brar. Acre­di­ta ainda mais no tra­ba­lho em equi­pa. “O ta­len­to so­zi­nho não va­le na­da. Mas, quan­do mos­tra­mos ao ou­tro o qu­an­to pre­ci­sa­mos de­le, va­le tu­do. De­ve­mos sa­ber pôr a equi­pa em co­mu­nhão e trei­nar para ser cam­peões. O se­gre­do é não de­sis­tir, pois o ta­len­to ini­be­se quan­do te­mos me­do de er­rar e, qu­em tem me­do, per­de o jo­go. As pes­so­as ta­len­to­sas são as que ten­tam sem­pre fa­zer o má­xi­mo, sem me­do de se adap­ta­rem ou de mu­da­rem. Além dis­so, o pa­pel do trei­na­dor é igual­men­te cru­ci­al. Os li­de­ra­dos (jo­ga­do­res) são o es­pe­lho do lí­der (trei­na­dor), em tu­do. Por is­so, um lí­der tem que ser também um edu­ca­dor. De­ve sa­ber pas­sar a men­sa­gem... e a bo­la”. “O no­me do Gu­ru é tra­ba­lho” foi o que Pedro Ri­bei­ro chamou à sua pa­les­tra. Nu­ma in­ter­ven­ção mar­ca­da pela boa dis­po­si­ção, fa­lou do per­cur­so da Rá­dio Co­mer­ci­al entre 2008 e 2016, fa­zen­do em si­mul­tâ­neo uma ana­lo­gia ao es­ta­do do país e do mun­do - es­pe­ci­al­men­te no que diz res­pei­to ao fu­te­bol - no mes­mo pe­río­do de tem­po. “Em 2008, quan­do ‘pe­guei’ na Rá­dio Co­mer­ci­al, o FCPor­to ti­nha aca­ba­do de ser tri­cam­peão. Oi­to anos de­pois, a história é mui­to di­fe­ren­te (ri­sos). Em 2008, a ad­mi­nis­tra­ção reu­niu com um novo aci­o­nis­ta e ‘exi­giu’ que a rá­dio fosse lí­der de au­di­ên­ci­as – na al­tu­ra es­tá­va­mos em ter­cei­ro lu­gar, a mui­tos pon­tos do se­gun­do e do pri­mei­ro. Ques­ti­o­na­ram-me co­mo pre­ten­dia mu­dar esta si­tu­a­ção e eu dis­se-lhes ape­nas que que­ria ser lí­der. Al­guns ri­ram-se e não acre­di­ta­ram. Sen­ti-me o Lei­ces­ter, nin­guém da­va na­da por eles e são os atu­ais cam­peões de In­gla­ter­ra”. Pedro Ri­bei­ro afir­mou que o se­gre­do é “acre­di­tar em nós, an­tes de toda a gen­te. O meu gran­de de­sa­fio foi cri­ar uma equi­pa que acre­di­tas­se co­mi­go, mo­ti­var es­sa equi­pa todos os di­as e ser re­si­li­en­te, mes­mo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.