“O mer­ca­do por­tu­guês é di­nâ­mi­co e em cons­tan­te evo­lu­ção”

Opticapro - - Primeira Página - Ma­nu­el Ri­chart,

Óp­ti­caP­ro: Quais são os pi­la­res da mar­ca? Ma­nu­el Ri­chart:

O pro­fis­si­o­na­lis­mo, a fle­xi­bi­li­da­de, a po­li­va­lên­cia, bem co­mo a res­pon­sa­bi­li­da­de e o res­pei­to, são va­lo­res mui­to im­por­tan­tes pa­ra nós, mas des­ta­co a ino­va­ção, trans­pa­rên­cia nos pre­ços, in­for­ma­ção ao cli­en­te, dis­po­ni­bi­li­da­de e um de­sen­vol­vi­men­to con­tí­nuo. Es­tes são os va­lo­res so­bre os quais a Vi­si­on­lab as­sen­ta pa­ra con­ti­nu­ar a cres­cer. Apos­ta­mos em ofe­re­cer aos nos­sos cli­en­tes as úl­ti­mas ino­va­ções em óti­ca com o fim de me­lho­rar a sua qua­li­da­de vi­su­al e o con­for­to. Além do mais, so­mos o úni­co gru­po de óti­ca com fa­bri­ca­ção pró­pria de len­tes of­tál­mi­cas com cer­ti­fi­ca­do.

Qual a im­por­tân­cia do mer­ca­do por­tu­guês nes­ta em­pre­sa es­pa­nho­la? MR:

Em pri­mei­ro lu­gar de­vo re­fe­rir que a em­pre­sa Vi­si­on­lab nas­ceu com uma vo­ca­ção in­ter­na­ci­o­nal. Sen­do a óti­ca uma ne­ces­si­da­de de saú­de pri­má­ria, a Vi­si­on­lab ten­tou igual­men­te pre­en­cher em Por­tu­gal es­sa ver­ten­te. Ofe­re­ce­mos ser­vi­ços de op­to­me­tria, me­di­ção da ten­são in­tra­o­cu­lar e ser­vi­ço de adap­ta­ção de len­tes de con­tac­to, in­do ao en­con­tro da pro­cu­ra dos nos­sos cli­en­tes, es­pa­nhóis ou por­tu­gue­ses. Por ou­tro la­do, a nos­sa es­tra­té­gia pas­sa por uma lo­ca­li­za­ção cen­tral na lo­ca­li­za­ção das nos­sas lo­jas, co­mo é o ca­so da Ave­ni­da da Li­ber­da­de em Lis­boa ou Rua Sá da Ban­dei­ra no Por­to.

Quais os pro­du­tos Vi­si­on­lab que os por­tu­gue­ses pro­cu­ram mais? MR:

Sem dú­vi­da, as len­tes pro­gres­si­vas Kü­mer 4k. São len­tes de du­pla fa­ce per­so­na­li­za­da

Em re­la­ção ao mer­ca­do es­pa­nhol, há mui­ta di­fe­ren­ça? O que se po­de me­lho­rar em Por­tu­gal? MR:

Não exis­tem mui­tas di­fe­ren­ças en­tres os dois. O mer­ca­do por­tu­guês é di­nâ­mi­co e em cons­tan­te evo­lu­ção. Num mun­do glo­ba­li­za­do ca­da vez exis­tem me­nos di­fe­ren­ças en­tre as ne­ces­si­da­des das pes­so­as e nun­ca de­ve­mos es­que­cer que no nos­so se­tor de ati­vi­da­de ofe­re­ce­mos so­lu­ções pa­ra uma ne­ces­si­da­de. Em Por­tu­gal tra­ba­lha-se mui­to e bem.

A di­fe­ren­ça da Vi­si­on­lab em re­la­ção às con­cor­ren­tes es­tá nos de­ta­lhes, na ex­pe­ri­ên­cia acu­mu­la­da, ou na con­fi­an­ça jun­to dos cli­en­tes? MR:

Es­tá nos pre­ços ajus­ta­dos, qua­li­da­de as­se­gu­ra­da e fa­bri­ca­ção pró­pria. Se ti­ves­se que re­su­mir a fór­mu­la da Vi­si­on­lab no mun­do da óti­ca, pos­so di­zer que não se tra­ta só de fa­zer bem, mas sim de uma for­ma di­fe­ren­te. Con­ta­mos com as úl­ti­mas ino­va­ções óti­cas e com pre­ços ape­la­ti­vos. Es­te é o se­gre­do do su­ces­so.

A cri­se sen­tiu-se na em­pre­sa, ou, pe­lo con­trá­rio, trou­xe no­vas opor­tu­ni­da­de de ne­gó­cio? MR:

Não gos­to de fa­lar de cri­se ou de no­vas opor­tu­ni­da­des de ne­gó­cio. Pre­fi­ro fa­lar de pes­so­as, das su­as di­fi­cul­da­des e co­mo as po­de­mos aju­dar. Atra­ves­sa­mos um pe­río­do di­fí­cil em am­bos os paí­ses on­de a Vi­si­on­lab ope­ra, pe­lo que a nos­sa mis­são é adap­tar a nos­sa ofer­ta às no­vas si­tu­a­ções.

Co­mo é pos­sí­vel as­so­ci­ar ino­va­ção a pre­ços ape­la­ti­vos? MR:

Co­mo só te­mos qua­tro lo­jas em Por­tu­gal, os re­cur­sos são por ine­rên­cia mais re­du­zi­dos, o que nos per­mi­te bai­xar os pon­tos de dis­tri­bui­ção, ga­ran­tin­do ao cli­en­te o me­lhor pre­ço pos­sí­vel.

Es­tá pre­vis­ta a aber­tu­ra de mais al­gum es­pa­ço da Vi­si­on­lab a bre­ve pra­zo? MR:

Em 2017 qu­e­re­mos abrir mais uma lo­ja em Por­tu­gal, tal­vez em Lis­boa, ou no Por­to. Mas com as ca­rac­te­rís­ti­cas que pro­cu­ra­mos, não é fá­cil. No cen­tro da ci­da­de, ou num cen­tro co­mer­ci­al, ar­ran­jar uma su­per­fí­cie com 300 m2, é com­pli­ca­do.

Há quan­tos anos vi­ve em Por­tu­gal? Quais as prin­ci­pais di­fe­ren­ças cul­tu­rais en­tre o seu país e o nos­so? Qual a sua opi­nião pe­ran­te o di­ta­do por­tu­guês “de Es­pa­nha nem bom ven­to, nem bom ca­sa­men­to”? MR:

Es­tou a vi­ver em Por­tu­gal há 17 anos e nes­te tem­po pude ve­ri­fi­car que não exis­tem gran­des di­fe­ren­ças cul­tu­rais en­tre Es­pa­nha e Por­tu­gal, co­mo no prin­cí­pio po­de­ria pa­re­cer. Sou da ci­da­de de Ali­can­te, uma lo­ca­li­da­de a Es­te da Pe­nín­su­la Ibé­ri­ca, e pos­so as­se­gu­rar que en­con­trei em Por­tu­gal cos­tu­mes mui­to si­mi­la­res aos nos­sos, co­mo as for­mas de co­zi­nhar os pei­xes, o gos­to por go­zar as es­pla­na­das e a ce­le­bra­ção das fes­tas po­pu­la­res.

Ima­gi­na-se a vi­ver em Por­tu­gal da­qui a ou­tros 17 anos? MR:

Sem dú­vi­da. Gos­to mui­to de Lis­boa, ado­ro vi­ver aqui. Es­tá na al­tu­ra de os por­tu­gue­ses dei­xa­rem de se la­men­tar e pas­sa­rem a pri­vi­le­gi­ar as qua­li­da­des e po­ten­ci­a­li­da­des do país. Ca­da vez há mais tu­ris­tas em Por­tu­gal e por al­gu­ma ra­zão se­rá, não?!

O Op­ti­calweb sur­ge no se­tor da óti­ca co­mo uma al­ter­na­ti­va às apli­ca­ções já exis­ten­tes, dan­do res­pos­ta à ne­ces­si­da­de sen­ti­da no se­tor em con­cen­trar a in­for­ma­ção nu­ma só pla­ta­for­ma em tem­po re­al. O que no iní­cio se­ria ape­nas um soft­ware de ges­tão pa­ra a área das óti­cas, nos di­as de ho­je é uma das apli­ca­ções mais com­ple­tas nes­ta área de ne­gó­cio. A ver­sa­ti­li­da­de da apli­ca­ção é um dos pon­tos for­tes des­ta so­lu­ção. Po­der con­cen­trar nu­ma só pla­ta­for­ma, a fa­tu­ra­ção e a ges­tão de uma em­pre­sa com vá­ri­as fi­li­ais, em tem­po re­al, tor­nou es­ta apli­ca­ção na es­co­lha acer­ta­da. A fun­ci­o­na­li­da­de de in­te­gra­ção ele­tró­ni­ca traz mais uma im­por­tan­te ino­va­ção a es­ta que é a pri­mei­ra apli­ca­ção on­li­ne pa­ra a área das óti­cas. Com es­ta fun­ci­o­na­li­da­de os gru­pos de óti­cas que pos­su­em em­pre­sas dis­tin­tas vão po­der es­tar li­ga­das, par­ti­lhan­do in­for­ma­ção re­la­ti­va­men­te aos ar­ti­gos. Des­ta for­ma, ape­nas a se­de pre­ci­sa de re­gis­tar a in­for­ma­ção, sen­do a mes­ma atu­a­li­za­da nas res­tan­tes fi­li­ais au­to­ma­ti­ca­men­te, sem a ne­ces­si­da­de de in­ter­ven­ção dos uti­li­za­do­res. A tro­ca de do­cu­men­tos de fa­tu­ra­ção tam­bém sai fa­ci­li­ta­da com dis­po­ni­bi­li­za­ção do EDI (In­ter­câm­bio Ele­tró­ni­co de Da­dos). Es­ta fun­ci­o­na­li­da­de per­mi­te a co­mu­ni­ca­ção au­to­má­ti­ca de do­cu­men­tos de ven­das e com­pras, en­tre as vá­ri­as em­pre­sas que uti­li­zam o Op­ti­calweb. Com um sim­ples cli­que é pos­sí­vel trans­por to­da a in­for­ma­ção con­ti­da nu­ma fa­tu­ra evi­tan­do, des­ta for­ma, o lan­ça­men­to ma­nu­al do do­cu­men­to, que por ve­zes po­de de­mo­rar ho­ras.

O Gru­po Op­ti­vi­são ele­geu um no­vo con­se­lho de ad­mi­nis­tra­ção, que pas­sa a con­tar com a ex­pe­ri­ên­cia e co­nhe­ci­men­to dos ad­mi­nis­tra­do­res da co­mis­são exe­cu­ti­va do Gru­po Brodheim. A in­te­grar o no­vo con­se­lho de ad­mi­nis­tra­ção do gru­po es­ta­rão as­sim Ro­nald Da­vid Brodheim, co­mo pre­si­den­te, e Ana Isa­bel de Cas­tro Pi­nho e An­dré Ca­ei­ro Ri­co Brodheim, co­mo vo­gais. Fo­ram elei­tos até ao fi­nal do pre­sen­te man­da­to, mês de mar­ço do ano de 2017, al­tu­ra em que se­rão apre­sen­ta­das no­vas lis­tas pa­ra o pró­xi­mo man­da­to de qua­tro anos. A al­te­ra­ção des­te ór­gão tem co­mo mis­são o de­sen­vol­vi­men­to de um no­vo pla­no fi­nan­cei­ro, co­mer­ci­al e es­tra­té­gi­co pa­ra a Op­ti­vi­são, as­sim co­mo a ga­ran­tia de par­ti­ci­pa­ção de pro­fis­si­o­nais com a ex­pe­ri­ên­cia e ca­pa­ci­da­de de de­sen­vol­tu­ra na ges­tão de ne­gó­cio do se­tor da óti­ca, nas su­as vá­ri­as for­mas de dis­tri­bui­ção.

A Sa­la Estremoz do Ho­tel D. Inês, em Coim­bra, foi o es­pa­ço es­co­lhi­do pa­ra o sho­wro­om que a Es­si­lor Por­tu­gal or­ga­ni­zou a 12 de ou­tu­bro, pre­ci­sa­men­te um dia an­tes do Dia Mun­di­al da Vi­são. Pa­ra além do fa­bri­co de len­tes of­tál­mi­cas, o co­re bu­si­ness da em­pre­sa, a Es­si­lor co­mer­ci­a­li­za ar­ma­ções e ins­tru­men­tos. À Óp­ti­caP­ro, Ri­car­do Ca­de­te, o di­re­tor de ven­das, fa­lou so­bre­tu­do das gran­des no­vi­da­des em equi­pa­men­tos. “Nor­mal­men­te fa­ze­mos es­ta ini­ci­a­ti­va du­as ve­zes por ano, pa­ra apre­sen­tar as co­le­ções de ar­ma­ções e len­tes aos nos­sos cli­en­tes.

usar. Ide­al pa­ra os pro­fis­si­o­nais que têm pou­co es­pa­ço na óti­ca ou que têm mais do que uma lo­ja, é tam­bém in­di­ca­da pa­ra qu­em não quer gas­tar mui­to di­nhei­ro, mas quer ter um equi­pa­men­to de gran­de qua­li­da­de. Is­to per­mi­te-nos dar uma fer­ra­men­ta de va­lor acres­cen­ta­do aos óti­cos, pa­ra se­rem eles a con­tro­lar to­do o pro­ces­so an­tes de en­tre­ga­rem os ócu­los aos con­su­mi­do­res. Eles con­se­guem as­sim pres­tar na lo­ja o me­lhor ser­vi­ço aos cli­en­tes”, as­su­miu Ri­car­do Ca­de­te. A Es­si­lor Por­tu­gal tem um ser­vi­ço pós-ven­da com­pos­to por seis téc­ni­cos pa­ra pro­por­ci­o­nar um ser­vi­ço de ex­ce­lên­cia e qua­li­da­de ao óti­co. Tem co­mo ob­je­ti­vo ga­ran­tir uma res­pos­ta em 24 ho­ras em si­tu­a­ções ur­gen­tes. A Es­si­lor Por­tu­gal apre­sen­tou mais dois equi­pa­men­tos que cri­am di­fe­ren­ci­a­ção nas óti­cas: Vi­si­of­fi­ce e Nau­ti­lus. O Vi­si­of­fi­ce é o pri­mei­ro sis­te­ma de me­di­ção, rá­pi­do e pre­ci­so, que atra­vés de uma úni­ca ima­gem ob­tém to­dos os pa­râ­me­tros ne­ces­sá­ri­os pa­ra res­pon­der às exi­gên­ci­as cres­cen­tes de per­so­na­li­za­ção das len­tes of­tál­mi­cas. To­dos os ân­gu­los e dis­tân­ci­as são ana­li­sa­dos em tem­po re­al, o que pos­si­bi­li­ta iden­ti­fi­car a po­si­ção na­tu­ral da ca­be­ça, a po­si­ção dos olhos, as in­for­ma­ções so­bre a ar­ma­ção e os pa­râ­me­tros re­la­ti­vos ao com­por­ta­men­to vi­su­al. Já o Nau­ti­lus diz res­pei­to à tec­no­lo­gia de re­a­li­da­de vir­tu­al au­men­ta­da. Ou se­ja, es­tes ócu­los 3D fo­ram cri­a­dos pa­ra aju­dar os cli­en­tes a ver e a tes­tar vir­tu­al­men­te as vá­ri­as so­lu­ções pa­ra as len­tes pres­cri­tas pe­lo mé­di­co, se­jam elas pro­gre­si­vas, mo­no­fo­cais ou po­la­ri­za­das. En­qua­dra-se na no­va ge­ra­ção de fer­ra­men­tas de de­mons­tra­ção de len­tes em ócu­los, fun­ci­o­nan­do por meio de um smartpho­ne ou de um ta­blet.

é que con­se­gui li­dar com a cri­se. A mi­nha óti­ca já tem 30 anos, foi fun­da­da pe­lo meu pai, e o gran­de pi­lar sem­pre foi a sa­tis­fa­ção dos cli­en­tes”. As­so­ci­a­do da CECOP há 13 anos, de­fen­de o cor­po­ra­ti­vis­mo pa­ra en­fren­tar no­vos de­sa­fi­os e di­fi­cul­da­des. “A CECOP só nos traz be­ne­fí­ci­os. No meu ca­so abriu-nos o le­que de for­ne­ce­do­res, trou­xe-nos van­ta­gens nas ven­das, deu-nos a co­nhe­cer no­vos pro­du­tos. E, cla­ro, es­tes en­con­tros são mui­to agra­dá­veis pe­lo con­ví­vio e tro­ca de idei­as”. Jor­ge Ru­bio e Je­an de Con­ta­des, di­re­tor-ge­ral e di­re­tor eu­ro­peu da CECOP, não po­di­am es­tar mais sa­tis­fei­tos no fi­nal do even­to. To­das as ex­pec­ta­ti­vas ti­nham si­do cum­pri­das e su­pe­ra­das, fun­da­men­tal­men­te pe­la enor­me afluên­cia dos as­so­ci­a­dos por­tu­gue­ses, pra­ti­ca­men­te 50%. “Por­tu­gal é um mer­ca­do es­tra­té­gi­co e mui­to im­por­tan­te pa­ra nós”, re­fe­riu Jor­ge Ru­bio. “Foi fan­tás­ti­co co­me­mo­rar na Fi­guei­ra da Foz o nos­so 20º ani­ver­sá­rio jun­to dos nos­sos par­cei­ros por­tu­gue­ses. Es­tes en­con­tros são sem­pre im­por­tan­tes pa­ra que óti­cas de di­fe­ren­tes pon­tos do país se unam e fa­lem en­tre si dos seus su­ces­sos e di­fi­cul­da­des, que mui­tas ve­zes são iguais. Por ou­tro la­do, ten­ta­mos com as vá­ri­as pa­les­tras que se iden­ti­fi­quem os ob­je­ti­vos pa­ra o fu­tu­ro, ao ní­vel dos for­ne­ce­do­res co­mo dos pró­pri­os cli­en­tes”. Por­tu­gal tem ape­nas 110 dos 3500 as­so­ci­a­dos da CECOP no mun­do in­tei­ro mas, pa­ra o seu di­re­tor-ge­ral, a qua­li­da­de é mais im­por­tan­te que a quan­ti­da­de. “Em Por­tu­gal ve­mos uma enor­me evo­lu­ção na op­to­me­tria; o op­to­me­tris­ta por­tu­guês é uma pes­soa mui­to bem for­ma­da, que va­lo­ri­za mui­to o seu tra­ba­lho de for­ma a agra­dar e a fi­de­li­zar o seu cli­en­te. O con­cei­to de saú­de vi­su­al é mui­to cui­da­do aqui, ao con­trá­rio de ou­tros paí­ses”. Je­an de Con­ta­des sa­li­en­ta a im­por­tân­cia da cri­a­ção de um coun­try ma­na­ger em ter­ras lu­sas co­mo a prin­ci­pal no­vi­da­de num even­to que clas­si­fi­ca co­mo “enor­me su­ces­so”. No fu­tu­ro is­so fa­rá to­da a di­fe­ren­ça na pre­sen­ça da CECOP em Por­tu­gal, ga­ran­te. “Com o Da­vid te­re­mos uma es­tru­tu­ra mais pre­sen­ci­al e pró­xi­ma dos nos­sos as­so­ci­a­dos e for­ne­ce­do­res, que mui­tas ve­zes se quei­xa­vam de não te­rem um re­pre­sen­tan­te por­tu­guês com qu­em fa­la­rem di­re­ta­men­te”. De­pois da ter­cei­ra con­fe­rên­cia do dia, em jei­to de des­pe­di­da, Je­an lan­çou o de­sa­fio pa­ra o pró­xi­mo ano: “Es­pe­ro que em 2017 te­nha­mos mais do que me­ta­de dos as­so­ci­a­dos pre­sen­tes. Is­so se­rá um re­co­nhe­ci­men­to pe­lo tra­ba­lho de to­dos, além de con­fi­an­ça e res­pon­sa­bi­li­da­de. Aci­ma de tu­do, um si­nal que a CECOP tem um con­cei­to “glo­cal”: es­tru­tu­ra glo­bal com atuações mui­to lo­ca­li­za­das”.

O ob­je­ti­vo do even­to foi pro­mo­ver e fo­men­tar a prá­ti­ca da con­tac­to­lo­gia e, apro­vei­tan­do o re­gres­so às au­las, con­vi­dar as es­co­las vi­zi­nhas pa­ra uma au­la di­fe­ren­te, apre­sen­tan­do a op­to­me­tria co­mo uma pos­sí­vel área pa­ra pros­se­guir car­rei­ra. Nes­te con­tex­to, no dia 28 de se­tem­bro, Ana Car­va­lho da Baus­ch & Lomb apre­sen­tou à tur­ma de saú­de do Ins­ti­tu­to Vaz Ser­ra (IVS) a for­ma de con­se­guir uma mai­or li­ber­da­de vi­su­al, re­al­çan­do os cui­da­dos a ter com len­tes de con­tac­to, quais as su­as es­pe­ci­fi­ci­da­des e to­dos os con­cei­tos bá­si­cos re­la­ci­o­na­dos com as len­tes de con­tac­to. O dia se­guin­te foi de­di­ca­do à op­to­me­tria, mais pro­pri­a­men­te aos de­fei­tos re­fra­ti­vos. João Vi­cen­te, só­cio-ge­ren­te da Op­ti­ca­lia Ser­tã, elu­ci­dou os fi­na­lis­tas da área de ci­ên­ci­as da Es­co­la Se­cun­dá­ria da Ser­tã so­bre a for­ma co­mo os nos­sos olhos ve­em. Os pre­sen­tes ti­ve­ram ain­da a opor­tu­ni­da­de pa­ra vi­si­tar a ofi­ci­na da lo­ja, on­de pu­de­ram ve­ri­fi­car co­mo é fei­to to­do o pro­ces­so de cor­te e mon­ta­gem de uma len­te of­tál­mi­ca. Pa­ra as­si­na­lar o fim do even­to foi ser­vi­do um pe­que­no cock­tail pe­la Es­co­la Tec­no­ló­gi­ca e Pro­fis­si­o­nal da Zo­na do Pi­nhal acom­pa­nha­do pe­los ‘ blu­es e rock and roll’ de Mar­tins&Mar­tins, num con­cer­to in­ti­mis­ta e sau­do­sis­ta.

pre­sen­tes e tam­bém por um ví­deo sur­pre­sa que os co­la­bo­ra­do­res da Óp­ti­ca Cen­tral de Abran­tes apre­sen­ta­ram du­ran­te o jan­tar. “O es­for­ço e de­di­ca­ção que co­lo­cá­mos nes­te pro­je­to tem si­do mui­to gra­ti­fi­can­te e a co­me­mo­ra­ção dos 20 anos foi a opor­tu­ni­da­de de agra­de­cer, pes­so­al­men­te, à gran­de equi­pa que par­ti­lha con­nos­co o dia a dia, as­sim co­mo aos nos­sos par­cei­ros e, es­sen­ci­al­men­te, aos nos­sos cli­en­tes que, de cer­ta for­ma, tam­bém se fi­ze­ram re­pre­sen­tar”, re­fe­re He­le­na Nó­bre­ga, res­pon­sá­vel pe­la Óp­ti­ca Cen­tral de Abran­tes. Com um gran­de fo­co no cres­ci­men­to e con­so­li­da­ção da em­pre­sa, a Óp­ti­ca Cen­tral de Abran­tes lan­çou um no­vo pro­je­to, ma­te­ri­a­li­za­do na aber­tu­ra de uma lo­ja no Cen­tro de Lis­boa: O Ins­ti­tu­top­ti­co Du­que D’ Ávi­la, que dis­po­ni­bi­li­za os ser­vi­ços de of­tal­mo­lo­gia, op­to­me­tria, of­tal­mo­lo­gia e con­tac­to­lo­gia. “A aber­tu­ra do Ins­ti­tu­top­ti­co Du­que D’Ávi­la sur­giu de for­ma na­tu­ral, co­mo uma no­va opor­tu­ni­da­de de cres­ci­men­to pa­ra a Óp­ti­ca Cen­tral de Abran­tes. Foi uma apos­ta num mer­ca­do di­fe­ren­te... Acre­di­ta­mos que é um pro­je­to di­fe­ren­ci­a­dor e que nos aju­da­rá a de­sen­vol­ver a nos­sa vi­são de ne­gó­cio se­gun­do no­vas pers­pe­ti­vas. É, sem dú­vi­da, um pro­je­to que nos fa­rá evo­luir”, re­fe­re Nel­son Nu­nes, tam­bém res­pon­sá­vel pe­la Óp­ti­ca Cen­tral de Abran­tes. A Óp­ti­ca Cen­tral de Abran­tes, com se­de em Abran­tes, con­ta com 11 óti­cas, de­sen­vol­ven­do um con­cei­to de óti­ca tra­di­ci­o­nal e, si­mul­ta­ne­a­men­te, ino­va­do­ra, com uma for­te apos­ta no ser­vi­ço pres­ta­do ao cli­en­te, as­sen­te em ele­va­dos pa­drões de ex­ce­lên­cia, qua­li­da­de, res­pon­sa­bi­li­da­de, trans­pa­rên­cia e éti­ca pro­fis­si­o­nal. “A Óp­ti­ca Cen­tral de Abran­tes é um gran­de exem­plo do Gru­po Ins­ti­tu­top­ti­co, gru­po 100% na­ci­o­nal de óti­cas, que tem sa­bi­do cres­cer de uma for­ma sus­ten­tá­vel e co­e­ren­te. Acom­pa­nha­mos de per­to e com mui­to or­gu­lho o seu per­cur­so e só po­de­mos ex­pres­sar os nos­sos sin­ce­ros pa­ra­béns pe­lo ani­ver­sá­rio e tam­bém pe­la au­dá­cia de avan­çar pa­ra no­vos mer­ca­dos, não te­mos dú­vi­das que po­de­rão ir mui­to mais lon­ge”, re­fe­re Ve­ra Ve­lo­sa, ge­ren­te e res­pon­sá­vel pe­la área de Só­ci­os e Re­cur­sos Hu­ma­nos do Ins­ti­tu­top­ti­co.

“A Ofe­tal Óp­ti­cas es­tá no Ins­ti­tu­top­ti­co há mui­tos anos por­que acre­di­ta­mos que, nes­te mer­ca­do com­pe­ti­ti­vo, se nos jun­tar­mos a ou­tros co­le­gas e a ou­tras for­mas de ver as opor­tu­ni­da­des e os de­sa­fi­os se­re­mos sem­pre mais for­tes. E o Ins­ti­tu­top­ti­co pri­vi­le­gia es­sa in­te­ra­ção en­tre os óti­cos e com to­dos de­sen­vol­ve es­tra­té­gi­as que nos per­mi­tem de­sen­vol­ver e cres­cer o nos­so ne­gó­cio”, re­fe­rem An­ge­li­na Co­to­vio e He­le­na Sil­va, res­pon­sá­veis pe­la Ofe­tal Óp­ti­cas. A Ofe­tal Óp­ti­cas re­ge-se por prin­cí­pi­os e va­lo­res cu­jo o ob­je­ti­vo prin­ci­pal é pres­tar um ser­vi­ço de ex­ce­lên­cia, es­ta­be­le­cen­do uma re­la­ção éti­ca e de con­fi­an­ça com os cli­en­tes, as­se­gu­ran­do a sa­tis­fa­ção dos seus cli­en­tes. “A Ofe­tal Óp­ti­cas é mais um dos nos­sos óti­cos que é en­ca­ra­do co­mo uma re­fe­rên­cia com bas­tan­te pres­tí­gio no mer­ca­do na­ci­o­nal. Mui­to nos or­gu­lha a aber­tu­ra des­ta sua no­va lo­ja que vem pers­pe­ti­var a ca­pa­ci­da­de que as óti­cas in­se­ri­das no mer­ca­do tra­di­ci­o­nal têm de rein­ven­tar os seus ne­gó­ci­os e pro­gre­di­rem num se­tor tão com­pe­ti­ti­vo co­mo o da óti­ca”, ex­pli­ca Ve­ra Ve­lo­sa. A Ofe­tal Óp­ti­cas foi fun­da­da em 1974 por dois ir­mãos, An­ge­li­na Co­to­vio e Ma­nu­el Blan­co Do­min­guez, e des­de en­tão pres­ta ser­vi­ços nas áre­as da óti­ca, op­to­me­tria con­tac­to­lo­gia e of­tal­mo­lo­gia, man­ten­do uma cons­tan­te atu­a­li­za­ção de no­vas tec­no­lo­gi­as vi­san­do o bem ser­vir de to­dos os cli­en­tes. É com­pos­ta por uma equi­pa di­nâ­mi­ca e mul­ti­dis­ci­pli­nar de 19 co­la­bo­ra­do­res que re­ce­bem for­ma­ção es­pe­cí­fi­ca e con­tí­nua, de for­ma a tra­ba­lhar com o má­xi­mo em­pe­nho, pro­cu­ran­do a per­fei­ção e con­se­quen­te evo­lu­ção da qua­li­da­de dos seus pro­du­tos e ser­vi­ços.

A Hoya Vi­si­on Ca­re, com­pa­nhia cha­ve no mer­ca­do mun­di­al de len­tes of­tál­mi­cas, con­gra­tu­la-se em anun­ci­ar uma no­vi­da­de mun­di­al: Yu­ni­ku, os pri­mei­ros ócu­los 3D do mun­do fei­tos à me­di­da e con­ce­bi­dos na sua to­ta­li­da­de cen­tran­do-se nu­ma vi­são óti­ma pa­ra o usuá­rio. Yu­ni­ku é o re­sul­ta­do de uma ex­tra­or­di­ná­ria co­la­bo­ra­ção en­tre Ma­te­ri­a­li­se, for­ne­ce­dor lí­der de soft­ware de im­pres­são e ser­vi­ços 3D, e o es­tú­dio de de­sign Ho­et, pi­o­nei­ro em es­ti­los ino­va­do­res pa­ra ar­ma­ções de ócu­los. Os ócu­los 3D per­so­na­li­zá­veis, apre­sen­ta­dos re­cen­te­men­te, es­ti­ve­ram no­me­a­dos pa­ra o Sil­mo d’Or 2016 em Pa­ris, na ca­te­go­ria de Equi­pa­men­tos. As len­tes ou ar­ma­ções stan­dard po­dem ser per­so­na­li­za­das se­pa­ra­da­men­te mas ape­nas até um cer­to grau. A ar­ma­ção e

Es­te no­vo ca­tá­lo­go de len­tes Hoya in­clui a Ta­be­la Star, uma ta­be­la re­du­zi­da e mui­to mais sim­ples de ma­nu­se­ar. Nes­ta no­va pro­pos­ta en­con­tra­rá uma va­ri­e­da­de de pro­du­tos efi­ci­en­te em que se ex­pli­cam fa­cil­men­te os be­ne­fí­ci­os das len­tes, de­se­nhos, tra­ta­men­tos e ma­te­ri­ais. Hoya Star é uma pro­pos­ta in­te­gral de aju­da ao ne­gó­cio, fo­ca­li­za­da fun­da­men­tal­men­te no pro­ces­so de ven­da de for­ma a tor­ná-lo óti­mo pa­ra o usuá­rio fi­nal, co­mer­ci­a­li­zan­do o pro­du­to mais ade­qua­do em vir­tu­de do per­fil do usuá­rio as­sim co­mo do seu pro­ble­ma vi­su­al. A pro­pos­ta in­clui des­de a ela­bo­ra­ção de uma va­ri­e­da­de de len­tes até à co­mer­ci­a­li­za­ção, atra­vés de uma ta­be­la per­so­na­li­za­da ba­se­a­da em di­fe­ren­tes ti­po­lo­gi­as e per­fis de usuá­ri­os que per­mi­te uma cla­ra in­te­ra­ção com os mes­mos du­ran­te o pro­ces­so de ven­da. Tam­bém ofe­re­ce de­mons­tra­do­res, fer­ra­men­tas e ma­te­ri­al pa­ra o pon­to de ven­da que aju­da em to­dos os pas­sos co­mer­ci­ais. Co­mo fa­tor es­pe­ci­al de­sen­vol­veu- se uma for­ma­ção es­pe­cí­fi­ca pa­ra a uti­li­za­ção de to­dos os ele­men­tos da pro­pos­ta, as­sim co­mo um se­gui­men­to pe­rió­di­co das me­lho­ri­as em ven­das e em mix de pro­du­to. Sem dú­vi­da um apoio to­tal no ne­gó­cio do óti­co pa­ra com os seus cli­en­tes. A pro­pos­ta Star con­tri­bui­rá pa­ra a me­lho­ria ge­ral do mix de pro­du­to e das ven­das em ge­ral.

De­pois do su­ces­so na Ex­poÓp­ti­ca, a apli­ca­ção Eye Mir­ror es­tá des­ti­na­da a con­ver­ter-se na es­tre­la tec­no­ló­gi­ca do gru­po Ci­o­ne. De­sen­vol­vi­do pa­ra iPad pe­la em­pre­sa fran­ce­sa ACEP, tra­ta-se de um pro­du­to ex­clu­si­vo, fei­to à me­di­da da co­o­pe­ra­ti­va, que en­vol­ve a ex­ten­são da tec­no­lo­gia das len­tes pro­gres­si­vas ao pon­to de ven­da. O Eye Mir­ror per­mi­te mos­trar e adap­tar cris­tais de úl­ti­ma ge­ra­ção, mar­can­do o cen­tro da len­te com uma ca­ne­ta, e in­clui to­da a ga­ma de len­tes mul­ti­fo­cais da Ci­o­ne. Os fa­mo­sos ócu­los do sé­cu­lo XIX, des­pro­vi­dos de has­tes, es­tão de vol­ta com a Ati­tóp­ti­ca. A em­pre­sa aca­ba de lan­çar no mer­ca­do por­tu­guês os “pin­ce-nez” das mar­cas Flex­see e Se­e­oo. A pri­mei­ra, com um pre­ço mí­ni­mo de 22 eu­ros (PVP), apre­sen­ta ócu­los em si­li­co­ne, com len­tes cer­ti­fi­ca­das que tam­bém po­de­rão ser gra­du­a­das. Dis­po­ní­veis em vá­ri­as co­res, são ex­tre­ma­men­te prá­ti­cos e fá­ceis de trans­por­tar. Já os ócu­los Se­e­oo, com pre­ços que co­me­çam nos 80 eu­ros (PVP), são fa­bri­ca­dos na Áus­tria com o má­xi­mo ri­gor óti­co. Os usuá­ri­os en­con­tram nes­tes “pin­ce-nez” o sen­ti­do prá­ti­co da vi­da, sem des­cu­rar ca­rac­te­rís­ti­cas co­mo clas­se e char­me. Os ócu­los de lei­tu­ra Se­e­oo pri­mam pe­la qua­li­da­de, de­sign, ino­va­ção e in­di­vi­du­a­li­da­de. Sai­ba mais na pá­gi­na de fa­ce­bo­ok Ati­top­ti­ca-pro-eyes.

Ago­ra que, ofi­ci­al­men­te, o ve­rão ter­mi­nou te­nho apro­vei­ta­do es­tes di­as de sol ou­to­nais pa­ra pôr a con­ver­sa em dia com al­guns ami­gos e cli­en­tes. Es­tan­do to­dos com uma cor de pe­le for­mi­dá­vel e uma dis­po­si­ção in­crí­vel, nem to­dos me têm da­do bo­as no­tí­ci­as. Há qu­em se sin­ta con­ten­te com as ven­das do pri­mei­ro se­mes­tre do ano, e qu­em não te­ve tão bons re­sul­ta­dos e que não pers­pec­ti­va me­lho­ri­as. Apro­fun­dan­do mais a con­ver­sa, aper­ce­bi-me que em am­bas as si­tu­a­ções foi im­ple­men­ta­do um pro­gra­ma de CRM. No en­tan­to, a ques­tão é que uns op­ta­ram por im­ple­men­tar a ver­são Cus­to­mer Re­la­ti­oship Ma­na­ge­ment* e ou­tros pre­fe­ri­ram Con­ti­nu­ar a Re­zar Mui­to. E é aqui que po­de­rá re­si­dir a di­fe­ren­ça en­tre ter bons ou me­nos bons re­sul­ta­dos. Não bas­ta ter um pro­du­to ade­qua­do ao per­fil do con­su­mi­dor, um pre­ço ex­cep­ci­o­nal, um pon­to de ven­da bem cui­da­do e uma co­mu­ni­ca­ção di­rec­ci­o­na­da e as­ser­ti­va. É fun­da­men­tal gerir a re­la­ção com os cli­en­tes ac­tu­ais (mes­mo fo­ra do con­tex­to da com­pra efec­ti­va) e com os po­ten­ci­ais pa­ra cri­ar li­ga­ção e fu­tu­ras ven­das. Pa­ra is­so, na mi­nha opi­nião, de­ve­mos co­me­çar com ac­ções sim­ples, co­mo olhar pa­ra a car­tei­ra de cli­en­tes exis­ten­tes, ana­li­sar o seu per­fil de con­su­mo (nas mais di­ver­sas ver­ten­tes) e co­mu­ni­car com eles em oca­siões cha­ve. Tal­vez es­te­ja ago­ra a pen­sar que pa­ra is­so ne­ces­si­ta de ter um pro­gra­ma in­for­má­ti­co de to­po o que im­pli­ca um in­ves­ti­men­to pa­ra o qual não es­tá dis­po­ní­vel. É ver­da­de que com um pro­gra­ma in­for­má­ti­co ade­qua­do, se po­de gerir a re­la­ção com mai­or efi­cá­cia. Mas há so­lu­ções mui­to mais sim­ples. Cer­ta­men­te que o seu pro­gra­ma de fac­tu­ra­ção e re­gis­to de cli­en­tes lhe per­mi­te ex­trair es­te ti­po de in­for­ma­ção, mui­tas ve­zes pa­ra uma sim­ples fo­lha de ex­cel. Ago­ra per­gun­to: Quan­do foi a úl­ti­ma vez que ac­tu­a­li­zou a sua ba­se de da­dos? E quan­do foi a úl­ti­ma vez que apro­vei­tou es­sa in­for­ma­ção pa­ra a co­mu­ni­car com o seu cli­en­te, mes­mo que fos­se ape­nas pa­ra lhe de­se­jar um fe­liz ani­ver­sá­rio ou in­for­má­lo que a no­va co­lec­ção ócu­los de sol da mar­ca X que ele tan­to gos­ta já es­tá dis­po­ní­vel? Ou ain­da, quan­tas ve­zes ven­deu um lí­qui­do e não cri­ou uma fi­cha de cli­en­te? O fac­to é que es­ta úl­ti­ma prá­ti­ca con­fi­gu­ra-se nu­ma opor­tu­ni­da­de per­di­da pa­ra se re­la­ci­o­nar com o cli­en­te. Quer con­ti­nu­ar a re­zar mui­to por cli­en­tes ou re­la­ci­o­nar-se com eles? Pen­se nis­to ! Des­pe­ço-me com ami­za­de, Até bre­ve!

Mi­guel Al­ves

Con­tac­to:

Ma­nu­el Ri­chart

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.