No­vos de­le­ga­dos de nor­te a sul do país

A As­so­ci­a­ção Na­ci­o­nal de Óp­ti­cos (ANO) ele­geu, no úl­ti­mo ano, 56 de­le­ga­dos re­gi­o­nais. A fun­ção des­tes de­le­ga­dos ba­seia-se não só em se­rem os re­pre­sen­tan­tes le­gais da di­re­ção, mas também, en­tre ou­tras com­pe­tên­ci­as, em emi­tir pa­re­ce­res so­bre a ad­mis­são de n

Opticapro - - Ópticapro 165 Inquérito -

Da­mião San­tos, 60 anos, é um dos no­vos de­le­ga­dos e mos­tra- se bas­tan­te sa­tis­fei­to com es­te de­sa­fio. “Es­ta fun­ção é im­por­tan­te pa­ra mim por­que pos­so atra­vés de­la pro­je­tar e trans­mi­tir aos atu­ais e futuros as­so­ci­a­dos que o as­so­ci­a­ti­vis­mo é fun­da­men­tal na nos­sa ati­vi­da­de, as­sim co­mo a sua en­vol­vên­cia e par­ti­ci­pa­ção em prol dos in­te­res­ses co­muns”, ex­pli­ca quem já tra­ba­lha no mun­do da óti­ca há cer­ca de 30 anos. Já Ema­nu­el Cor­reia, 39 anos, que en­trou pa­ra a óti­ca pa­ra con­cre­ti­zar o so­nho

dos pais - is­to após ter pri­mei­ra­men­te tra­ba­lha­do na área da engenharia -, em­bo­ra te­nha ex­pe­ri­ên­cia de ape­nas cin­co anos nes­ta área, vi­ve com afin­co o pa­pel de de­le­ga­do pa­ra o qual foi elei­to na zo­na de Lou­lé. “Qu­an­do acei­tei o con­vi­te pa­ra ser de­le­ga­do re­gi­o­nal, foi com o in­tui­to de apoi­ar a As­so­ci­a­ção Na­ci­o­nal de Óp­ti­cos na­qui­lo que tem si­do o seu propósito: pro­mo­ver o de­sen­vol­vi­men­to da qua­li­da­de, da ino­va­ção e da for­ma­ção per­ma­nen­te a to­dos os ní­veis das empresas as­so­ci­a­das, bem co­mo dos seus pro­fis­si­o­nais”, afir­ma. E acres­cen­ta: “O pa­pel de um de­le­ga­do re­gi­o­nal é ve­ri­fi­car se as no­vas lo­jas que que­rem per­ten­cer a es­ta as­so­ci­a­ção cum­prem com os re­qui­si­tos hu­ma­nos e tec­no­ló­gi­cos que per­mi­tem pres­tar um ser­vi­ço de qua­li­da­de ao cli­en­te”. Com mais ex­pe­ri­ên­cia nes­ta área - 34 anos -, mas com opi­nião idên­ti­ca à de Ema­nu­el, es­tá Her­nâ­ni Lo­pes Pe­rei­ra, de­le­ga­do do dis­tri­to de Se­tú­bal. “É ta­re­fa do de­le­ga­do ob­ser­var prá­ti­cas me­nos dig­ni­fi­can­tes que pos­sam be­lis­car o ri­gor que a ati­vi­da­de da óti­ca ocu­lar nos ha­bi­tu­ou ao lon­go da história dos úl­ti­mos 40 anos”, as­su­me. E vai mais lon­ge: “Pa­ra mim es­ta fun­ção é uma for­ma de aju­dar a as­so­ci­a­ção a cumprir as re­gras e tor­nar o ne­gó­cio da óti­ca mais jus­to. Re­gras são o me­lhor ga­ran­te de que o con­su­mi­dor final não sai de­frau­da­do, por­que óti­ca não de­via ser só um me­ro ne­gó­cio, mas mais um ne­gó­cio com res­pon­sa­bi­li­da­des de saú­de pú­bli­ca. La­men­to que a obri­ga­ção se­ja só as­so­ci­a­ti­va, que não se­ja obri­ga­tó­rio a to­das as en­ti­da­des nes­ta área de ne­gó­cio a cumprir as mes­mas re­gras, co­mo o era an­ti­ga­men­te, o que lhes traz van­ta­gens co­mer­ci­ais mui­to al­tas e, pi­or, o con­su­mi­dor sai mui­to pre­ju­di­ca­do. Ain­da acre­di­to que um dia ha­ve­rá, co­mo nou­tros paí­ses, de­fi­ni­ções cla­ras e ri­go­ro­sas pa­ra a óti­ca e pa­ra os pro­fis­si­o­nais que tra­tam da vi­são no nos­so país, por is­so, e sen­do o de­le­ga­do uma gota nes­te oce­a­no, aqui es­tou nes­ta fun­ção vai pa­ra uma dé­ca­da (ou mais)”. Pro­pri­e­tá­rio de uma óti­ca em Odi­ve­las, António Mar­tins, de 49 anos, re­pe­te o dis­cur­so dos seus

pa­res, mos­tran­do que a apos­ta na qua­li­da­de é o mo­te pa­ra qual­quer bom óti­co e de­le­ga­do re­gi­o­nal. “A aber­tu­ra de um no­vo es­pa­ço de óti­ca não pas­sa por ser mais uma lo­ja a pa­gar co­ti­za­ção pa­ra a as­so­ci­a­ção, com a aber­tu­ra de uma no­va lo­ja pro­cu­ra-se pa­drões que nos dis­tin­gam e cri­em cre­di­bi­li­da­de pa­ra a óti­ca em Por­tu­gal, afas­tan­do a ideia que so­mos to­dos iguais só por­que co­mer­ci­a­li­za­mos ar­ti­gos de óti­ca. Des­ta for­ma, o pa­pel de de­le­ga­do se­rá aju­dar a se­pa­rar as óti­cas de qua­li­da­de dos co­muns vi­dra­cei­ros má­gi­cos que pro­li­fe­ram em bus­ca de di­nhei­ro fá­cil ex­plo­ran­do a fal­ta de conhecimento da po­pu­la­ção, co­lo­can­do o bom no­me de to­dos nós em ques­tão”. Com ape­nas 33 anos, mas a res­pi­rar óti­ca des­de que nas­ceu, da­do que ain­da nem da­va os pri­mei­ros pas­sos e já pas­sa­va a vi­da na óti­ca do Porto, Manuel Marques par­ti­lha a opi­nião dos seus pa­res em que to­dos as­su­mem a im­por­tân­cia do de­le­ga­do na al­tu­ra de en­con­trar for­mas de diá­lo­go en­tre as­so­ci­a­dos e as­so­ci­a­ção. “É uma enor­me res­pon­sa­bi­li­da­de ser­mos nós que te­mos a car­go a ponte en­tre os dois la­dos”, afir­ma. “É uma mis­são im­por­tan­te por­que apro­xi­ma os óti­cos da sua as­so­ci­a­ção, pos­si­bi­li­ta um con­tac­to mais pró­xi­mo e co­nhe­ce­dor da re­a­li­da­de da zo­na on­de o óti­co es­tá in­se­ri­do. Co­mo sa­be­mos, no nos­so Por­tu­gal exis­tem mui­tas as­si­me­tri­as de de­sen­vol­vi­men­to e por ve­zes bas­ta mu­dar­mos de dis­tri­to pa­ra ha­ver uma re­a­li­da­de eco­nó­mi­co-so­ci­al mui­to dis­tin­ta”, sa­li­en­ta Fer­nan­do Al­mei­da que tra­ba­lha em óti­ca há cer­ca de 27 anos. Com es­tas elei­ções de de­le­ga­dos re­gi­o­nais, fi­ca re­for­ça­do o as­so­ci­a­ti­vis­mo na óti­ca, com o mesmo ob­je­ti­vo de sem­pre em men­te: “a união de to­dos em prol de uma cau­sa comum”.

Da­mião San­tos

Ema­nu­el Cor­reia

Her­nâ­ni Lo­pes Pe­rei­ra

António Mar­tins

Manuel Marques

Fer­nan­do Al­mei­da

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.